Sexta-Feira, 12 de Julho de 2019 - 08:54 (Curiosidades)

L
LIVRE

SUCURI: SAIBA TUDO SOBRE ESSA COBRA QUE DESPERTA MEDO

Aliás, as serpentes são habitantes bem antigos em no nosso planeta, sabia? Elas existem há milhões de anos, e datam de um período conhecido como Cretáceo, segundo historiadores.


Imprimir página

Quando se fala em sucuri todo mundo tem medo. Porém, vale destacar que essa cobra não é como filmes do tipo “Anaconda” mostram.

Primeiramente, a sucuri raramente são encontradas fora da natureza. Além disso, os seres humanos não estão em seu cardápio de presas, portanto, ataques de sucuris às pessoas são raros. No final, elas são animais assim como os outros, que só querem viver em paz em seu habita natural.

Aliás, as serpentes são habitantes bem antigos em no nosso planeta, sabia? Elas existem há milhões de anos, e datam de um período conhecido como Cretáceo, segundo historiadores.

E, só a título de informação, hoje em dia existem aproximadamente 3.000 espécies de cobras.

Mas, voltando à sucuri, abaixo separamos muito mais informações para quem tem dúvidas e curiosidade sobre ela.

Tipos de sucuris

Basicamente, pode-se dizer que a sucuri é uma espécie que só existe na América do Sul. Ela, aliás, é da família Boidae, a qual pertence ao gênero Eunectes.

E, pelo menos até agora, são conhecidas quatro espécies de sucuris desse gênero. São elas: Eunectes notaeus, Eunectes murinus, Eunectes deschauenseei e Eunectes beniensis.

Porém, só as três primeiras que listamos são encontradas no Brasil. A Eunectes beniensis, por outro lado, é natural da Bolívia.

De todas essas espécies, aliás, a Eunectes murinus é considerada a maior cobra do continente americano. Segundo especialistas, ela pode chegar a medir 11 metros e 60 centímetros. Aliás, a nível mundial, ela é a segunda maior, perdendo somente para a píton (Python reticulatus), do sudeste Asiático.

Elas variam entre o verde oliva e o preto, têm pares de ocelos escuros em cada lado do dorso, e o ventre é amarelo, com manchas muito irregulares. Essas, aliás, são mais frequente em ambientes da Amazônia e do Cerrado, especialmente porque sua camuflagem é mais eficiente nessas regiões.

Já, a Eunectes notaeus é a sucuri de menor porte. Essa espécie é mais encontrada em áreas alagáveis, como no Pantanal brasileiro.

Sua coloração também é diferenciada: normalmente, com um fundo mais amarelo e com manchas pretas ao longo de todo o corpo e atravessando o dorso, em forma de sela.

Basicamente, a sucuri vive em zonas pantanosas da América do Sul. E, embora não fiquem muito tempo sem respirar, no máximo 30 minutos submersas, elas são muito mais ágeis na água que no solo.

Vale ressaltar que os olhos e o nariz desses répteis se localizam na parte de cima da cabeça. Isso permite que a sucuri veja acima da superfície da água sem mostrar seu corpo.

Ela também tem hábitos crepusculares e noturnos.

Alimentação

As sucuris normalmente são carnívoras e se alimentam, basicamente,  de vertebrados. Peixes, rãs, lagartos, jacarés, aves e roedores, aliás, estão no tipo de seu cardápio.

Na hora da caça, aliás, a estratégia da sucuri é a da espreita seguida do bote. Depois disso, ela mata suas presas por constrição. Ou seja, ela se enrola na vítima e exerce uma grande pressão até que ela morra por asfixia.

Vale a pena ressaltar que por mais que a indústria cinematográfica nos caça acredita que cobras gigantes comem seres humanos, a realidade não é bem assim. Hoje em dia, casos de mortes de humanos por cobras, são mínimos.

Porém, não se deve destacar  completamente essa hipótese quando o assunto é a sucuri. Já que existem exemplares da espécie de mais de 5 metros. E, embora os seres humanos não estejam primordialmente em seus hábitos alimentares, ela é capaz de ingerir uma criança se quiser.

Aliás, ainda sobre as aberrações alimentares da sucuri, um detalhe curioso é que a fêmea cresce mais que o macho. Por conta disso, na época de reprodução, após a cópula, ela tenta se alimentar do parceiro.

Tamanho

Basicamente, o seu tamanho varia de 4 a 10 metros. Porém, é bem raro encontrar cobras com tamanhos maiores que 4 ou 5 metros. Vale lembrar que ela é a maior do mundo quando levados em consideração seu tamanho e espessura.

No entanto, a sucuri não é a mais comprida do mundo. Esse título, na verdade, pertence à cobra píton-reticulada, do sudeste asiático, que pode chegar a mais de 7 metros.

Contudo, a cobra asiática é bem mais magra que a sucuri. Isso faz a cobra que inspirou a famosa Anaconda ser ainda mais impactante.

Aliás, uma curiosidade interessante sobre as cobras, de um mode geral, é que elas crescem durante toda a vida. Ou seja, quanto maior uma serpente, mais velha é. A sucuri, por exemplo, pode viver até 30 anos.

E sim, ela é bem pesada. Em média, a sucuri pode pesar até 100 quilos. No entanto, suas medidas podem variam e dependem muito  das condições de seu habitat, como a quantidade de comida disponível. Logo, em zonas mais férteis, como na floresta amazônica, as sucuris costumam ser bem maiores.

A priori, as sucuris são vivíparas, ou seja, não botam ovos. Seus filhotes se desenvolvem dentro do corpo da mãe, de onde saem prontinhos para a vida.

Aliás, uma só sucuri consegue parir entre 20 e 100 filhotes por vez. Porém, a maioria dos filhotes acaba não sobrevivendo aos primeiros anos de vida.

Basicamente, a gestão da espécia dura entre seis e oito meses. Seus filhotes nascem na água, com tamanhos que variam entre 60 centímetros e um metro de comprimento.

E, o mais curioso é que não existem cuidados parentais. Ou seja, as mães não cuidam dos filhos quando nascem.

Sobre a maturidade sexual da sucuri, normalmente ocorre por volta dos seis anos de idade.

Caso anormal

Normalmente, para a reprodução animal é preciso um macho e uma fêmea. Porém, em um aquário de New England, nos Estados Unidos, ocorreu um caso anormal.

Basicamente, uma sucuri conseguiu dar à luz a dois filhotes saudáveis, por partenogênese. Ou seja, os embriões se desenvolveram sem fertilização/reprodução. Sim, isso quer dizer que a mãe fez seus filhotinhos sozinha, sem a participação do material genético de um macho.

Segundo cientistas, esse fenômeno é comum entre plantas e insetos. Portanto, esse foi o primeiro registro oficial de produção independente de sucuris.

E, se você acha que a mamãe cobra pode ter dado uma escapada no aquário, fique sabendo que isso seria impossível. Isso porque o viveiro só conta com cobras fêmeas. Interessante, não?

Afinal, a sucuri é venenosa?

Não, a sucuri não é venenosa. Na verdade, ela não conta com dentes inoculadores de venenos e nem com glândulas produtoras de veneno, como a maioria das cobras.

Aliás, mesmo com dentes, a verdade é que a mordida da espécie não é forte o bastante para matar um ser vivo. É por isso, que a sucuri esmaga suas presas antes de engoli-las, inclusive.

E, quando o assunto é musculatura, a espécie é campeã. Forte e robusta, ela é capaz de esmagar animais de grande porte, como capivaras e até mesmo bezerros. E, quando a presa não morre pela constrição, são arrastadas para o fundo da água, como no caso dos jacarés.

Importância ecológica da sucuri

Como qualquer outro animal, a sucuri é fundamental para o equilíbrio ecológico. Basicamente, todas as espécies de cobras são exclusivamente predadoras, ou seja, elas caçam e comem outros animais. Por isso, elas possuem papel fundamental no controle do crescimento populacional de suas presas.

Sobretudo, a falta de sucuri adulta na natureza pode causar um efeito cascata. Esse desequilíbrio ecológico, inclusive, podem atingir até a base de pirâmides tróficas, formadas pelas plantas.

Apesar de tal importância das sucuris, e das cobras de modo geral, ainda se matam esses bichos de forma indiscriminada. E isso pode acontecer por medo, já que cobram impactam as pessoas; pela destruição do habitat natural dessas espécies ou para o uso da pele na indústria da moda.

Fato curioso

Recentemente, a gordura da sucuri tem sido bastante estudada. Em 2017, por exemplo, um experimento confirmou que o tecido adiposo dessa cobra pode ser mais eficiente para cicatrização epitelial do que uma pomada industrializada.

Essa afirmação foi apresentada pela zooterapia. Ela é uma forma de medicina caseira, a qual utiliza práticas alternativas da medicina. Como por exemplo, o uso de animais ou de partes de animais para produtos e remédios.

Aliás, vale ressaltar que a gordura de muitos animais, incluindo da sucuri, já é tradicionalmente usada por populações indígenas e caboclas como medicamento. Normalmente, elas são indicadas contra processos inflamatórios e para acelerar a cicatrização de ferimentos.

Fonte: segredosdomundo.r7

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias