Quarta-Feira, 31 de Julho de 2019 - 12:01 (Saude)

L
LIVRE

SIMERO SEM PARAR: SINDICATO VISITA UPA DA ZONA SUL DE PORTO VELHO

A meta do SIMERO é verificar "in loco" as demandas de todas às unidades de saúde da capital


Imprimir página

Nesta terça-feira (30), a Presidente do Sindicato Médico de Rondônia, Flávia Lenzi, e o Vice-Presidente, Francisco Novaes foram até a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Zona Sul de Porto Velho para saber as condições de trabalho da classe médica da saúde municipal.

Os representantes do sindicato foram recebidos pela diretora da unidade, Veridiana Pedrosa. A servidora mostrou a estrutura do prédio localizado na Avenida Jatuarana e as melhorias feitas no local, como limpeza nas centrais de ar, reforço nos tetos, manutenção nos banheiros, troca de fechaduras entre outras.

"A UPA da Zona Sul está mais estruturada e organizada que a UPA da Zona Leste. Mas, infelizmente o quadro clínico não está completo. Para uma unidade de pronto atendimento que atende em média 300 pacientes/dia, ter apenas dois médicos de plantão não suporta a demanda." Explicou Dr. Francisco Novaes.

Outro questionamento foi a alimentação. Assim como no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), as refeições dos plantonistas são apenas almoço e jantar. De acordo com Dra. Flávia, o SIMERO vai analisar a alimentação dos médicos em outras unidades de saúde, "vamos verificar o contrato e saber o motivo de servirem apenas duas refeições para plantonistas que às vezes ficam 24 horas no trabalhando."

Na oportunidade, o sindicato conversou com a médica de plantão, Dra. Lilian Martins Silva Tabosa que enfatizou a falta de médicos por plantão e disse que "se aqui falta médicos para completar a escala, a UPA da Zona Leste é pior. Com isso, a demanda daquela região vem para essa unidade de saúde. Além disso, pacientes de Cadeias do Jamari, Itapuã do Oeste, Humaitá e São Carlos, muitas vezes são atendidos aqui talvez por falta de condições, o que sobrecarrega os atendimentos."

"Nestas visitas do SIMERO SEM PARAR, temos observado que a falta de contratação de médicos é um problema na maioria das unidades de saúde, o que prejudica o bom atendimento ao paciente e sobrecarrega o profissional e na UPA SUL não é diferente. Observamos que a equipe, mesmo reduzida é unida e faz o possível, dentro do caos, para prestar um serviço digno à população." Concluiu Flávia Lenzi.

A meta do SIMERO é verificar "in loco" as demandas de todas às unidades de saúde da capital e, após análise das reivindicações da classe médica, tomar as devidas providências.

Fonte: 015 - Assessoria

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias