Domingo, 02 de Dezembro de 2018 - 11:12 (Entrevistas )

L
LIVRE

SARA XAVIER DUQUE ESTRADA DE OLIVEIRA: DO SINDICATO DOS JORNALISTA DE RONDÔNIA

Em menos de três meses, o SINJOR voltou a ser um dos sindicatos mais fortes do estado de Rondônia.


Imprimir página

De repente, o Sindicato dos Jornalistas de Rondônia - SINJOR começa a aparecer nos noticiários e principalmente nas mídias sociais com freqüência, coisa que há muito tempo não acontecia. Tudo isso se deve, a eleição da jornalista professora, Sara Xavier como presidente. Em menos de três meses, o SINJOR voltou a ser um dos sindicatos mais fortes do estado de Rondônia.

Conversamos com a Sara quarta feira passada 28, na sede do Sindicato que fica numa sala do estádio Aluizio Ferreira e quase não conseguimos gravar a entrevista, com tanto colega querendo ser atendido pela presidente. wattsapp, celular, ao vivo a mulher tinha que se virar nos trinta. “Ainda bem que o vice Cavalcante passa o dia aqui e me ajuda muito a atender todo mundo”. E assim foi, que, contando com a participação do fotógrafo Roni Carvalho, do agora vídeo maker e repórter Analton Alves o Da Silva mais o fotógrafo Marquinhos Freire conseguimos a entrevista que segue:

Zk – Quem é a Sara?

Sara Xavier – Sou uma senhora que já tem o cartão de idosa para estacionar. Completei 60 anos no dia 12 de novembro. Nasci numa cidade chamada Campina da Lagoa no Paraná, que fica perto de Cascavel e Foz do Iguaçu. Na verdade, nasci, cresci e vivi naquele pequeno mundo e quando completei 18 anos, fui pra Londrina pra fazer jornalismo.Me formei em 1981 e vim pra Rondônia.

Zk – Por que Rondônia?

Sara Xavier – Tiveram alguns fatores, um deles foi à onda do convite “Vem pra Rondônia”! Quando estava terminando o curso de jornalismo, no 7º período, tinha uma coisa chamada Projeto Rondon que era ligado ao Ministério do Interior e nosso Campus era uma cidade chamada Limoeiro do Norte no Ceará, passei uns 40 dias lá, foi quando o Ministério despertou o interesse de alguns profissionais a vir pro Novo Eldorado que era Rondônia, isso foi o fator preponderante pra mim. O segundo fator preponderante, foi que eu tinha uma irmã que morava aqui. Também, na região que eu vivia próximo a Foz do Iguaçu, o pessoal veio muito pra cá, em especial para o sul.

Zk – Quanto a emprego?

Sara Xavier – Naquela época a oferta de emprego e o valor do salário era muito interessante. Sou de uma família meio bandeirante, minha avó paterna era carioca e meu avô mineiro, eles vêm pro norte do Paraná por conta do café, depois voltam pro estado de São Paulo. A família da minha mãe vem de Minas Gerais pra São Paulo e ela e meu pai se conhecem e então meu pai foi pro estado do Paraná pra essa cidade pequena. Meu pai lia muito, uma das pessoas mais cultas que já conheci, porém quem tinha o sangue de empreendedora era minha mãe.

Zk – Você chega a Rondônia como jornalista e foi trabalhar com quem?

Sara Xavier – Cheguei em 1982 e todo mundo, tinha um emprego no ex território federal de Rondônia e fui trabalhar, fazendo assessoria de imprensa na prefeitura municipal de Jaru. Lembro que tinha que vir até Porto Velho e dependia de autorização de algumas pessoas, entre elas o Chiquilito Erse que era quem autorizava os contratos; Naquele tempo se falava no Paraná, que Rondônia era muito longe, já eu acho que não, aqui é o começo do mundo a gente está mais perto do meio do mundo por ficar perto da linha do Equador. Tive experiência tanto escrevendo para jornal impresso, como para TV e experiência no rádio, porém meu ponto forte sempre foi a assessoria de imprensa, apesar de ter uma paixão muito grande por rádio. Lembro que quando era criança, minha família que é de origem presbiteriana, tinha as rádios na cidade de Campo Mourão e tinha os programas da igreja e eu gostava muito de participar daquilo. Até hoje, (é uma coisa que estou confessando pra você). Tive um colega chamado Sérgio Pontes um jornalista do Ceará e ele gosta de esporte, e ele dizia: “O rádio é uma maravilha, é o veículos mais rápido, quando chegar o fim do mundo, o rádio vai dizer, ‘chegou o fim do mundo’ e só depois o mundo acaba”.

Zk – Como surge a professora Sara?

Sara Xavier – Isso é uma coisa interessante, sempre achei a sala de aula como minha hora do recreio, era o intervalo que tinha na minha vida, tudo tem um peso muito grande, eu preparava minha aula e ia pra sala de aula e era uma delícia, aprendia muito mais com cada aluno, com cada turma. Lecionei na Uniron e na Faro.

Zk – Vamos dar um salto no tempo, para falar da Sara Xavier agora presidente do Sindicato dos Jornalistas de Rondônia – SINJOR?

Sara Xavier – Isso é um mistério, nem eu entendo como cheguei aqui, ainda hoje estava refletindo: Nessa mesma época o ano passado não passava pela minha cabeça estar no SINJOR. Em 2011 me aposentei e estava pesando 140 quilos, tinha dificuldade de atravessar a rua, eu esperava a morte com 52 anos, então me afastei, comecei a fazer um tratamento de saúde e começo melhorar minha condição física, nesse período passei a ler muito e fazer todas as coisas que gostava, aposentado não tem hora pra nada, é você que faz sua hora e isso é muito prazeroso. Em 2016, encontrei muitos ex alunos e eles falavam: “professora ta tão difícil a profissão”; faziam algumas conjecturas, algumas reclamações e um dia peguei meu diploma que estava guardado e chorei em cima dele: Meu Deus, será que fui mentirosa em sala de aula, sempre acreditei nessa profissão, ela garantiu a renda na minha mesa, depois que me casei o complemento da renda o pão de cada dia, nunca tive nenhum problema. Meu Deus, será que parei muito cedo?

Zk – E a resposta?

Sara Xavier – Quando foi na semana do Natal do ano passado, encontrei uma pessoa no super mercado que me disse: “Você vai ser a próxima presidente do SINJOR”, respondi: Tenho o maior respeito pelo que você está me dizendo, mais isso é uma coisa impossível, estou aposentada e não tenho a menor vontade de ter um horário a cumprir, não tenho a menor vontade de me manifestar publicamente em nome de uma categoria. Essa pessoa voltou a falar algumas vezes comigo, outros colegas entraram em contato. No mês de abril deste ano, fizeram uma reunião no SINJOR e me convidaram e eles disseram: é pra você aceitar a concorrer a presidência do Sindicato, respondi: Não estou louca, não vou fazer isso.

Zk – Então?

Sara Xavier – À noite, sentei com minha filha e meu marido, e disse, que havia recebido uma intimação pra ir la no Sindicato e aceitar ser cabeça de chapa para ser presidente.

Falei, vou a reunião amanhã, só que vocês vão me dar sustentação. Vou dizer que não quero e vocês vão dizer que também não querem. Eles concordaram! Me acordei, três e meia da manhã, com uma dor num dente que havia tratado há três meses uma coisa sem explicação, naquele momento, o único nome que veio a minha cabeça foi o do Marcelinho Freire liguei pra ele e pedi, que ele avisasse o pessoal que não tinha como ir a reunião. Resultado: perdi o dente e então marcaram outra reunião e mais outras e sempre me preparava pra dizer não. Aí comecei a pensar, será que é a forma que tenho de ajudar os meus colegas, será que é um sinalizador.

Zk – Finalmente?

Sara Xavier – Quer saber de uma coisa, vou levar minha filha comigo e ela vai me ajudar a dizer esse não. Pedi licença aos diretores para ela participar da reunião e eles concordaram, ela saiu da sala ligou pro pai e ao voltar, bateu no meu ombro e disse:

Mesmo assim disse: vou pra casa pensar se aceito ou não. Em casa chegamos a um denominador comum e concordei a tocar o Sindicato até onde der. Me candidatei e fui eleita e estou aqui pedindo a Deus graça e sabedoria  pra poder fazer.

Zk – Sabemos que a maioria dos jornalistas estavam afastados do Sindicato e com a sua eleição, praticamente todos estão voltando e se regularizando. Como você recebe esse apoio?

Sara Xavier – Recebo como uma gratidão muito grande, primeiro, porque me sinto muito pequena para uma tarefa tão grande, porque pra mim o jornalista é uma das pessoas mais importantes que existe, você não vive sem o jornalista, você passa anos sem ir ao médico, sem nunca precisar de um engenheiro, sem precisar de um advogado mas, o jornalista você precisa todo dia. Participei de um evento no Mistério Público e o Procurador Samuel Alvarenga nos cumprimentar dizendo: “Vocês são os encarregados de contar a verdade para a sociedade”. É um peso muito grande.

Zk – Para encerrar. Como está o SINJOR hoje?

Sara Xavier – Está tomando uma dimensão que não consigo mensurar, a toda hora chamo um diretor, um colaborador, para me ajudar, não consigo mensurar sozinha. Esses dias, o presidente da Fecomércio com o diretor do SENAC fizeram questão de tomar o café da manhã com a gente e sentaram a mesa de reunião, os jornalistas correm aqui. Recebemos visitas de autoridades praticamente todos os dias. Os colegas do interior estão se regularizando, é um negócio impressionante. Essa classe é muito grande e poderosa. Me sinto pequena para essa representatividade toda. A confiança que os colegas depositaram em mim não tem preço.    

Fonte: Ze Katraca/NewsRondônia

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias