Quinta-Feira, 30 de Maio de 2019 - 09:58 (Colaboradores)

L
LIVRE

REMANEJAMENTO E CRÉDITOS DE 380 MILHÕES DE REAIS: DEPUTADOS FIZERAM A SUA PARTE; QUE O GOVERNO, AGORA, FAÇA A SUA...

Na semana passada, ficou claro esse novo e importante momento, quando a Assembleia, na sessão itinerante da Rondônia Rural Show, já tinha aprovado nada menos do que onze projetos de autoria do Executivo.


Imprimir página

A vitória foi do Estado! O clima de paz e harmonia entre Governo e Assembleia Legislativa (embora as fofocas e as tentativas de criar factoides de confronto entre os dois poderes surjam todos os dias), ficou muito claro na última terça, quando o Parlamento aprovou, em duas votações e em tempo recorde, projetos de autoria do Executivo que permite o remanejamento e créditos que superam os 380 milhões de reais do orçamento deste ano, tirando o dinheiro de áreas superavitárias, onde ele é menos necessário, para investir pesado em setores vitais, como saúde, agricultura, Sedam,  segurança pública e estradas.  Os discursos que colocaram sempre os interesses do Estado acima de eventuais questões políticas ou pessoais, deixou muito claro o amadurecimento da classe política rondoniense. Com o aval da Assembleia, Marcos Rocha tem agora a autorização para priorizar aqueles setores que pretende tocar, neste ano, que o Governo considera mais importantes para a vida rondoniense.  As conversações entre os dois poderes, que aqui e ali tiveram dificuldades, evoluíram muito em poucos meses. Foi também um resultado altamente positivo das ações do novo secretário chefe da Casa Civil, Júnior Gonçalves, que em menos de 20 dias, conseguiu ampliar significativamente o canal de diálogo com o Parlamento. Na semana passada, ficou claro esse novo e importante momento, quando a Assembleia, na sessão itinerante da Rondônia Rural Show, já tinha aprovado nada menos do que onze projetos de autoria do Executivo. Entre eles, a destinação de 6 milhões de reais para o alfandegamento do aeroporto internacional Jorge Teixeira.

Mas é importante destacar, no mesmo contexto, a preocupação do presidente Laerte Gomes e dos demais deputados, em serem receptivos às questões que priorizam os interesses da população. Essa nova legislatura tem dado mostras, em vários momentos, da preocupação do Parlamento em dar tratamento especial aos assuntos que são importantes para o povo rondoniense, até abrindo mão, eventualmente, de posições políticas, pessoais e de interesses de grupos, para apoiar tudo aquilo que seja bom para a coletividade. Também deve se destacar a aproximação muito maior do governador Marcos Rocha com os legisladores. Ele, inclusive, fez uma visita surpresa à Assembleia, nessa terça, para agradecer aos deputados a aprovação dos assuntos encaminhados pelo Executivo. A política, é claro, fervilha nos bastidores da Assembleia, mas na hora do vamos ver, nada tem sido mais importante para os deputados do que atender aquilo que vá beneficiar o Estado como um todo. Por outro lado, o governador Marcos Rocha, ao receber o aval do Legislativo para seus planos, tem agora que mostrar serviço. Se souber usar a verdadeira carta branca que recebeu da Assembleia para melhorar o Estado e o fizer, terá cumprido sua obrigação. Se não conseguir, toda a culpa cairá unicamente sobre ele e seu governo. A Assembleia, nesse episódio, fez a sua parte. Que o Governo faça a sua...

UM ENREDO DE FILME DE TERROR

Não é enredo de filme de terror. Não aconteceu nos Estados Unidos ou em outro país. É real. E aconteceu no Brasil. E aconteceu aqui mesmo, ao nosso lado, no bairro Socialista, na zona leste de Porto Velho.  O assassino, frio, calculista, facínora, contratou dois bandidos para matar o próprio pai, depois de um assalto simulado. O desgraçado estava planejando contratar pistoleiros para matar a própria mãe. Estava também, segundo investigações da polícia, buscando alguém para matar os matadores do pai, para que ele não precisasse pagar os 20 mil reais que prometeu aos executores do crime. Tinha tudo: dinheiro para festas, para bebida, para roupas. O pai dava duro, quase dia e noite, num pequeno mercado, para sustentar o vagabundo. Que, aliás, há meses roubava dinheiro do caixa. Chegou a furtar cinco mil reais num mês. O pai sabia, mas foi deixando. Até ser assassinado. A polícia descobriu tudo. E fez o máximo que poderia fazer: apreendeu o facínora. Sim, não prendeu, mas apreendeu. Por que? Ora, porque esse bandido tem apenas 16 anos. Isso mesmo! É esse tipo de criminoso que as nossas leis protegem. É mais um “dimenor” bandidão. Em breve estará solto. Quem sabe, como Suzana Von Richthofen, que matou os pais e ganha saídas festivas para “comemorar” o Dia das Mães. Inacreditável!

O TRÂNSITO CAÓTICO SÓ PIORA

A gastança com os acidentes de trânsito no país continua crescendo. Já está em 3 por cento do PIB, algo parecido com 3 bilhões de reais por ano. Dos 5.570 municípios brasileiros, proporcionalmente à população e ao número de veículos, Porto Velho é uma das cidades que tem o maior custo anual, nesse quesito. Só o SUS gastou quase 22 milhões de reais em uma década e o Estado investiu certamente dez vezes mais que isso, apenas para tratamento de pessoas feridas nas nossas ruas, avenidas e rodovias. A pior notícia é que as coisas andam de mal a pior, nesse quesito. Sem sinalização em muitos locais; com um trânsito desorganizado e cada vez com mais veículos nas ruas, Porto Velho ainda conta com uma maioria de motoristas e pilotos de motos irresponsáveis, despreparados, mal educados, sem noção. Os cerca de dez acidentes por dia poderiam se multiplicar por duas ou três vezes, não fossem os verdadeiros milagres que ocorrem nas ruas, quando por pouco não há graves colisões e mais feridos e mortos. A maioria dos carros, motos, caminhões, ônibus e até veículos do transporte escolar, andam em velocidade muito acima do permitido e do que é bom senso. Não há fiscalização decente. Não há vigilância eletrônica. Não há cuidados. A maioria dos motociclistas trafega sem habilitação e sem preparo algum para enfrentar o trânsito caótico. Ou seja: está piorando...

A VOLTA DA EXPOVEL

Embora não tenham comentado nada sobre o assunto, até agora, tanto o governador Marcos Rocha quanto o secretário de Agricultura do Estado, Evandro Padovani, ouviram com atenção o discurso do deputado Marcelo Cruz, na sessão itinerante da Assembleia, em Ji-Paraná, na semana passada. Durante a Rondônia Rural Show, Marcelo pediu ao Governo que faça retornar a Expovel, a grande feira do agronegócio de Porto Velho, que teve grande sucesso, reunindo sempre milhares de pessoas, durante anos e que, há muito tempo, não é mais realizada. Segundo o deputado do PDT, “na contramão de vários municípios do Estado, que tem feiras agropecuárias de grande sucesso”, a Expovel não é mais realizada apenas por questões burocráticas.  “Precisamos retomar a Expovel para resgatar essa parte de nossa cultura, que está esquecida e abandonada. O evento era responsável por movimentar nossa economia e fortalecer a agricultura na Capital, e não podemos perder oportunidades como esta”, explicou o deputado. Marcelo é porta voz, com seu discurso, de muita gente que considera o fim da Expovel como um grande retrocesso para a economia da Capital. Não está na hora de rever a decisão que acabou com ela?

UMA CIDADE ILUMINADA

Mais do que justa a homenagem prestada pela Comissão de Segurança Pública da Assembleia Legislativa, nessa semana, ao presidente da Emdur, Thiago Santos Tezzari. Os deputados Anderson Pereira, Aélcio da TV e Cabo Johnny, ao entregar voto de louvor ao jovem secretário, destacaram o grande trabalho que ele tem feito de melhoria na iluminação pública de Porto Velho. Ruas iluminadas ajudam a segurança da população, sem dúvida alguma e os parlamentares reconheceram isso. É notório o resultado do trabalho da Emdur, comandada por Thiago, que em pouco mais de dois anos, praticamente dobrou o número de pontos de luz na Capital. Quando ele assumiu, haviam pouco mais de 25 mil deles. Hoje, já são algo em torno de 45 mil. Quem chega a hoje a Porto Velho, nos voos do centro do país e que tinha a mesma vista aérea da cidade, há pouco mais de dois anos, sem dúvida se impressiona com o que foi feito. No governo Mauro Nazif, por exemplo, a primeira lâmpada nova na cidade foi colocada onze meses depois da posse dele. A Emdur mudou, é outra, tem resultados palpáveis e extremamente positivos. Graças a Thiago e sua equipe, as coisas melhoraram de forma acentuada na questão da iluminação pública. E a tendência é que melhorar mais ainda, nesse mandato de Hildon Chaves. 

UM NOVO CIDADÃO RONDONIENSE

Ainda pelos lados da Assembleia Legislativa, destaque-se um evento especial que será realizado na tarde desta quinta-feira, dia 30. Através de proposta apresentada pelo presidente Laerte Gomes, uma ilustre autoridade do Judiciário receberá o título de Cidadão do Estado de Rondônia. O homenageado será o desembargador Gilberto Barbosa, do Tribunal de Justiça do Estado. Esse santista/rondoniense tem uma longa história e vida dedicada ao Direito e à Justiça. Tomou posse em dezembro de 1984, aprovado no segundo concurso estadual para o Ministério Público. Teve uma atuação destacada no MP, onde chegou ao posto de Procurador de Justiça em 1997 e duas vezes subprocurador. Desde 2011, Gilberto Barbosa Batista dos Santos é Desembargador da 1ª Câmara Especial do Tribunal de Justiça do Estado. Tornou-se, durante sua longa vida de serviços prestados ao Estado, uma personalidade respeitada por suas ações pessoais e profissionais. Nessa quinta, receberá uma homenagem que oficializará o que ele já é, na prática, há muito tempo: um cidadão rondoniense!

NOMES E MAIS NOMES: É A SUCESSAO NA CAPITAL

A campanha política em Porto Velho movimenta os bastidores da política. Mesmo que ela não esteja na mídia todos os dias, as costuras, as conversas, os futuros acordos já estão na pauta da grande maioria dos políticos. Além dos nomes que já se conhecem dos prováveis futuros postulantes (Hildon Chaves, Léo Moraes, Vinicius Miguel, Daniel Pereira, Aluízio Vidal, Pimenta de Rondônia, entre vários outros), todo o dia parece um nome novo. Às vezes mais de um. Recentemente, o ex vereador e ex deputado Hermínio Coelho confirmou que está na lista dos pretendentes. Já o deputado reeleito Aélcio da TV também sonha em disputar a cadeira de Hildon Chaves, mas só o faria caso seu aliado, Léo Moraes, não concorresse. Não se pode descartar, inclusive, uma dobradinha Léo/Aélcio para 2020. Outro que está em situação semelhante a Aélcio, pelo comprometimento partidário, é o jovem vereador Maurício Carvalho. Ele seria o candidato do PSDB, caso Hildon não concorresse à reeleição. Mas, é sempre bom lembrar, que a mais de um ano do início da campanha, poderão surgir novidades importantes para a sucessão municipal. Uma delas seria uma verdadeira bomba, caso se confirmasse. Por enquanto, como é só resultado de conversas a portas fechadas, sem qualquer confirmação, ainda não se pode contar. Mas, em breve, se saberá se a bomba é verdadeira ou se é apenas um traque...

UMA LIÇÃO TOTALMENTE ERRADA

A baderna continua. Nesta quarta, ao invés de uma, moradores da região e Guajará e em direção à Ponta do Abunã fecharam acessos às Brs 364 e BR 325, interrompendo a ligação com o Acre e com Guajará Mirim. Embora a motivação seja nobre (pais exigem transporte escolar para que seus filhos possam frequentar as escolas nos distritos da Capital), não se pode apoiar o crime de impedir o ir e vir, sagrado na Constituição brasileira.  O constante fechamento de rodovias, incentivado nos governos petistas, é uma incongruência, uma excrescência, que não tem, nunca, resultado positivo. Pode o ter aparentemente, mas deixa no ar a lição da ilegalidade. No caso de pais de alunos que fecham as BRs para protestar, a lição que dão aos seus filhos é que não importa os métodos que se utilize, mas sim o resultado. É isso que se ensina para cidadãos e cidadãs que vão cuidar do futuro do nosso país? Mesmo que eventualmente se sintam vitoriosos, seria uma vitória de Pirro, sem qualquer resultado prático e real. Aliás, certamente a maioria dos que participa desse tipo de protesto, no discurso diz que o Brasil precisa mudar; que as leis têm que ser respeitadas; que burlar a Constituição é um absurdo. Mas, quando vão protestar em benefício das suas causas, fazem exatamente o que sempre condenaram.

PERGUNTINHA

Na sua opinião, um criminoso de 16 anos que manda matar o pai e planeja matar a mãe, merece ficar preso apenas três anos, em instituições para menores?

Fonte: 015 - Sergio Pires / NewsRondonia

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias