Segunda-Feira, 18 de Maio de 2020 - 11:40 (Cidades)

L
LIVRE

PREFEITURA REALIZA CAMPANHA DE COMBATE AO ABUSO E À EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

Em alusão a data de conscientização, psicóloga da Prefeitura faz recomendações para proteção de crianças e adolescentes


Imprimir página

VILHENA - Nesta segunda-feira, 18 de maio, é lembrado o dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. Com o lema "Faça Bonito", a campanha nacional também acontece em Vilhena e tem o objetivo de mobilizar a sociedade para assumir a responsabilidade de prevenir e enfrentar a violência sexual praticada contra crianças e adolescentes no Brasil. Na cidade o Centro de Atendimento à Mulher (CAM) aproveita a data para reforçar a importância de falar sobre o assunto e repassa algumas dicas para que todos consigam identificar as vítimas e agir da forma correta.

 

Segundo a psicóloga do CAM, Letícia Santi, o tema é delicado e deve ser abordado para engajar a sociedade nesta causa. "Temos como objetivo oferecer informações aos pais e protetores para que consigam identificar sinais, denunciar abusos e manter as crianças seguras. Infelizmente, nos dias atuais há enorme quantidade de tabus envolvendo o tema como, o preconceito, o medo e principalmente o silêncio das vítimas, que muitas vezes não compreendem exatamente o que está acontecendo com elas. Até mesmo as famílias às vezes sentem 'vergonha', ou não sabem como reagir a essas situações", conta. 

Todos esses elementos dificultam os envolvidos a falar do tema e, por isso, as estatísticas de ocorrências de abuso não refletem a realidade, pois muitos casos na cidade permanecem ocultos pelo silêncio. "Quebrar o silêncio pode significar ajudar outras vítimas a terem força de lutar contra seus agressores e de relatar a realidade vivida. O ciclo de abuso pode parar quando as autoridades chegam aos infratores. Mas, para isso, é importante que as vítimas e familiares não fiquem em silêncio", esclarece Letícia. 

A psicóloga dá algumas dicas para pais e protetores: (1) Converse com as crianças e adolescentes, (2) Explique a eles os cuidados e limites do corpo, (3) Procure participar da rotina das crianças e adolescentes (o que fazem, com quem andam, o que acessam na internet), (4) Preste atenção no comportamento das crianças e adolescentes, pois alguns sinais podem ser indício de violência. 

Neste link está disponível um vídeo com a profissional que dá algumas recomendações e informações:

 

 

Fonte: secom/vilhena

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias