Quarta-Feira, 25 de Março de 2020 - 17:42 (Geral)

L
LIVRE

POPULAÇÃO PODE ESCLARECER DÚVIDAS E DENUNCIAR O DESCUMPRIMENTO DO DECRETO DE CALAMIDADE PÚBLICA EM RONDÔNIA

Através desses canais, o cidadão pode realizar suas manifestações através de denuncias, reclamação, solicitação, pedido de informação ou elogio.


Imprimir página

A Ouvidoria Geral do Estado de Rondônia disponibiliza os canais de atendimento como o 0800-647-7071, o sistema Falar.BR e o e-mail: [email protected] para esclarecimentos de dúvidas e denúncia sobre o não cumprimento do Decreto nº 24.887, de 20 de março de 2020. Através desses canais, o cidadão pode realizar suas manifestações através de denuncias, reclamação, solicitação, pedido de informação ou elogio.

O ouvidor geral interino do Estado, Bosco Cardoso, explica que a Ouvidoria está alinhada com todos os órgão do governo que estão trabalhando dioturnamente na linha de frente ao enfrentamento do coronavírus, compartilhando informações oficiais, dando mais segurança e tirando muitas dúvidas.

“Dependendo das demandas que aportam nos canais de atendimento da Ouvidoria, elas são encaminhadas para o Centro de Informações Estratégica de Vigilância em Saúde de Rondônia (Cievs) ou para os órgãos de segurança do Estado, de forma que haja uma resposta célere e resolutiva ao cidadão”, esclarece o ouvidor.

O ouvidor interino ressaltou um aumento significativo de ligações para informações diversas e, principalmente, relacionadas ao enfrentamento do coronavírus e quanto ao cumprimento do Decreto de Calamidade Pública.

Bosco Cardoso explica que a Ouvidoria vem cumprindo o seu papel de interlocução entre o cidadão e o governo, e continua atendendo normalmente através dos canais disponíveis no Portal do Governo de Rondônia. Lembrando a população que não estão sendo feitos atendimento ao público no Palácio Rio Madeira conforme determina o Decreto.

A Ouvidoria Estadual é um órgão da administração pública que permite o diálogo entre o cidadão e o Estado.

Fonte: 015 - Secom - Governo de Rondônia

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias