Quinta-Feira, 26 de Dezembro de 2019 - 19:57 (Colaboradores)

L
LIVRE

POLÍTICA & MURUPI: BATENDO CABEÇA

Há poucos dias Marcos Rocha sofreu uma queda e bateu a cabeça. Depois foi o Bolsonaro.


Imprimir página

“Papai Noel generoso. Advogados criminalistas que defendem bandidos do colarinho branco festejando outro jabuti pró-crime colocado no projeto anticrime de Sergio Moro pela Câmara e sancionado por Bolsonaro.”– Procurador Helio Telho sobre os limites na delação premiada.

1-Toma que o filho é teu.

Fala errado, é boca-suja, troglodita e outros horrores, mas é esperto. Esnucado pela Câmara o “Capitão” deixou o taco espirrar, disse o óbvio – “não posso dizer sempre não ao parlamento” – e devolveu a tacada deixando a sinuca, tipo “toma que o filho é teu”. Para uns,desfeita ao Moro. Mas porque vetar se o tema irá parar no STF, face à inviabilidade de execução pelo Judiciário?

“Mas vai ajudar o filho Flávio” dizem com justa razão. Se é verdade a ajuda terá sido fruto das decisões da Câmara e do STF. Caso contrário, Sérgio Moro foi preservado doembate desgastante com os parlamentares. Por ora, entre mortos e feridos, estão todos salvos e o jogo continua pela bola sete. Se eu estiver certo como imagino, foi uma tacada de mestre.

2-Sem garantia do juiz

A história do “juiz de garantias” vai dar mais panos pra manga que o VAR. Em artigo na Folha, Bruno Machado Miano, juiz de Mogi das Cruzes (SP) diz que o juiz de garantias é o “cavalo de Troia” do pacote anticrime.

“Estamos num país, em que espeito à ordem é confundido com autoritarismo, mesmo quando essa ordem é preconizada nos autos de uma investigação criminal ou de um processo penal. Trata-se, em grande verdade, de jogar cascas de banana por toda investigação, para anular a instrução. Na Comarca onde judica o subscritor destas linhas, há três varas criminais. Um juiz passaria a ser o juiz de garantia do outro? Alguém crê que isso dará certo? E no STF? Serão sempre dois relatores? Sua Excelência, o ministro relator da Lava Jato, poderia, por exemplo, estar manietado de provas que auxiliem seu convencimento, porque indeferidas por outro, dito de garantias.” Freixo deve estar rindo muito do rolo que fez.

3-Quem mexeu no meu queijo I

Depois de anos pregando que a sonegação ocorre porque o empresário não consegue bancar a alta carga tributária, a CNI chiou com a recente decisão do STF – 7 votos a 3 – que assentou ser crime não repassar ao estado o valor recolhido de ICMS cobrado sobre mercadorias.

Trata-se a partir de agora de apropriação indébita tributária, artigo 2º, inciso II, da Lei 8.137/90. A falta de pagamento não era reconhecida como crime tributário, mas inadimplemento do valor. Para a CNI, uma avaliação despropositada: “Na maioria das vezes, o não pagamento se dá por dificuldades financeiras e não fraude”. Pelas suntuosas instalações da CNI e a vida e os rolos de alguns dirigentes, entende-se o chororô. Mudar é preciso. De preferência na casa dos outros.

4-Quem mexeu no meu queijo II

Bolsonaro enviou uma Cidra e um Sangue de Boi aos postulantes a reitores de universidades e institutos federais. Tremenda cacetada natalina. O “Capitão” não seguiu o rito. Os magníficos ordenam apreparação das reuniões gerais que discutirão e montarãoo eixo das audiências que serão a base para que o Consuni-Conselho Universitário, ouvidos os representantes, eleja as propostas sobre o tema.

Aí, e após amplo debate a votação e o envio aos magníficos que pilotarão as eleições. Com seu jeitão o Capitão deu um triplo mortal carpado e pah! Tudo mais ou menos como dantes, mas a escolha é dele, do presidente. E o nome não precisa ser o do mais votado. Cidra e Sangue de Boi. Só esqueceram o Engov. Que “magnífica dor de cabeça”.

5-Batendo cabeça

Um ano depois e dois senhores que começaram seus governos tateando no escuro e cheios de vontade de acertar prestam contas à população. Pouco falam de como foram as dificuldades que tiveram desde o longínquo mês de janeiro e não foram poucas. As marcas na expressão mostram o ritmo intenso e penoso das viagens, do pouco dormir, da alimentação fora de hora e principalmente de sapos engolidos todos os dias.

Douram a pílula sabendo que não há brilho nelas, mas é preciso alimentar sonhos. Seus e de outros. Há poucos dias Marcos Rocha sofreu uma queda e bateu a cabeça. Depois foi o Bolsonaro. As fotos mostram que o tempo cobra um preço dos que entram na política. A velhice se estampa na face. nas pernas e é a cabeça que paga.

[email protected]

Fonte: News Rondônia

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias