Sexta-Feira, 11 de Janeiro de 2019 - 15:03 (Polícia)

16
Não recomendado para menores de 16 anos

POLÍCIA CIVIL PRENDE AVÔ ACUSADO DE VIOLENTAR NETA DE APENAS TRÊS ANOS

Segundo as investigações, a criança começou a apresentar comportamento sexualizado, anormal para a idade. Caso ocorreu em Valparaíso (GO)


Imprimir página

Investigadores da Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam) da Polícia Civil de Goiás prenderam temporariamente, nesta sexta-feira (11/1), um homem acusado de violentar a própria neta, de apenas três anos, em Valparaíso (GO), no Entorno do Distrito Federal. O crime teria sido praticado em novembro do ano passado.

De acordo com as diligências da polícia goiana, a criança começou a apresentar comportamento sexualizado, anormal para sua idade. A atitude da menina fez com que os familiares dela ficassem desconfiados. Os pais da vítima a questionaram sobre o motivo de ela estar agindo daquela forma. Ao responder, a pequena teria afirmado que o avô apertava suas partes íntimas com força, o que lhe causava muita dor.

Com base em informações dos policiais, a menina afirmou não gostar mais do avô e revelou ainda outros atos libidinosos praticados pelo suspeito, que não teve a identidade revelada pela polícia. A ocorrência foi registrada pelos familiares e a garota encaminhada para exames no Instituto Médico Legal (IML), onde ficou comprovada a versão da vítima. A região genital da criança apresentava lesões compatíveis com o relato.

O acusado também é investigado por abuso contra a própria companheira. Durante o recesso forense, a delegada titular da Deam de Valparaíso, Ísis Leal, pediu a prisão temporária do suspeito. A medida foi endossada pelo Poder Judiciário. Em apenas 10 dias de trabalho, a unidade especializada cumpriu três mandados de prisão contra agressores sexuais.

Durante 2019, o Metrópoles se dedicará a escrever todas as trajetórias de vida das mulheres que vão sangrar enlaçadas em relacionamentos nocivos. O olhar feminino e sensível das profissionais envolvidas no projeto irá humanizar as estatísticas frias, incapazes de criar empatia. Só ela pode interromper a indiferença diante das agressões à mulher. Um contador em destaque na capa do portal marca diariamente esses casos a fim de lembrar que há um longo caminho para acabar com esse ciclo de violência.

Fonte: 015 - Metrópoles

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias