Quarta-Feira, 14 de Novembro de 2018 - 08:08 (Colaboradores)

L
LIVRE

PEDIDOS ESDRÚXULOS E A TEORIA DE SÃO MATEUS: SÃO OS EFEITOS COLATERAIS DO PODER, QUE O CORONEL JÁ ESTÁ SENTINDO

Fosse um grupo de escoteiros, fazendo uma escolha entre amigos até se compreenderia. Mas não. Foi a Associação dos Procuradores do Estado.


Imprimir página

Fosse um grupo de escoteiros, fazendo uma escolha entre amigos até se compreenderia. Mas não. Foi a Associação dos Procuradores do Estado. Inventando algo que não existe – e por isso a surpresa – a entidade criou uma lista sêxtupla no afogadilho, com nomes escolhidos numa votação interna, para que, entre os indicados, o governador Marcos Rocha seja constrangido a escolha de um deles para ser o futuro Procurador Geral do Estado. Ora, de onde saiu essa inovação? Certamente que não da Constituição estadual, que diz que a escolha do Procurador Geral é única e exclusiva da vontade do Governador. Nada de lista sêxtupla ou tríplice ou de escolhas por votação interna da categoria. No total são algo em torno de 80 procuradores do Estado. Perto de 20 deles se recusaram a sequer participar do processo e quase a metade não topou votar na lista, em clara contrariedade à medida ilegal, na tentativa de impor um nome ao futuro Chefe do Executivo. A diretoria da Associação produziu um edital interno (tem algum valor legal?), divulgado via grupo de WhatsApp, para a escolha em votação relâmpago com prazo de apenas 24 horas, dos seis nomes a serem encaminhados a Rocha. Entre eles, o do atual Procurador Geral, Juraci Jorge da Silva e o presidente da Associação, Maxwel de Andrade. O próprio presidente da entidade que elaborou o edital/relâmpago se elegeu como candidato! Claro que Marcos Rocha até pode receber a lista e, por gentileza, dar atenção a ela. Mas certamente não escolherá o novo Procurador através desse tipo de indicação. Até  porque não há qualquer legalidade nela, segundo nossa sagrada Constituição! Uma autoridade próxima ao futuro governador lamentou que que “aqueles que deveriam defender a legalidade, tentam impor ao futuro governador, um obrigação sem base legal”! Seria cômico, não fosse trágico.

Tudo isso e muito mais que têm ocorrido, aliás, lembra um desabafo feito num texto escrito pelo próprio governador eleito. Ele lamentou que muitas pessoas que o procuram não estão preocupados com as questões do Estado e com as soluções para os graves problemas que teremos que enfrentar daqui para a frente. “Muita gente só se aproxima para pedir emprego e cargo”, protestou pelas redes sociais. Desacostumado com essas coisas e com a política sem paixão pelo povo, mas apenas por amor a si mesmos, o Coronel começa a entender, claramente, os efeitos colaterais do poder. Há, claro, muitos que querem construir e repartir, usando seus conhecimentos e suas histórias para ajudar a fazer “a” História. Mas a verdade é que a grande maioria reza pela cartilha de São Mateus: “primeiro os meus”. Marcos Rocha, certamente, já recebeu as primeiras doses de vacinas contra esse tipo de gente. Porque, se não se vacinar, vai viver fugindo dos pedidos sem fim, até o último dia do seu governo que sequer começou.

MUDANÇAS NA DISPUTA PELO SEBRAE

Não há confirmação oficial de que o atual superintendente do Sebrae, Waldemar Camata Júnior, tenha dado qualquer declaração de que abriria mão da reeleição ao posto, conforme publicou essa coluna na terça-feira. Enquanto isso, fontes ligadas a membros do Conselho da entidade, com direito a voto, informaram  que a indicação de Daniel Pereira, para o posto, tão logo deixe o governo, em janeiro, já estaria consolidada. O próprio Governador não desmentiu a informação. Pelo contrário. Durante o dia, contudo, Camata comentou com várias pessoas que continuava firme na disputa e que as informações publicadas por essa coluna não condiziam com a verdade. Procurado, o atual superintendente do Sebrae ficou de comentar o assunto, mas preferiu não fazê-lo, até o fechamento dessa edição. O caso ainda vai longe, porque as fontes da coluna confirmaram as informações da candidatura de Daniel Pereira e do apoio que ele teria, mas não comentaram o fato de Camata ainda continuar na disputa. A verdade é que a diretoria atual comandada por Camata Júnior realizou um trabalho exemplar. Então, até que haja informação em contrário, pode-se imaginar que haverá pelo menos duas candidaturas no Sebrae: uma de Daniel Pereira e outra de Camata Júnior.

ÚLTIMO DIA PARA CANDIDATURAS

Ainda do assunto: a quarta-feira é o dia D para a apresentação das candidaturas. Até o final do dia, se saberá exatamente quem se apresentou para entrar na briga pelo comando da importante instituição. Há ainda uma dúvida: apesar de já ter apoio de vários membros do Conselho, Daniel Pereira teria a intenção de levar junto consigo alguns parceiros de governo e da área política.  E é aí que não há o apoio que teria, caso aceitasse a missão apenas ele. O assunto será discutido em reuniões durante a quarta-feira e até o final do dia se saberá exatamente quais os caminhos que serão seguidos. Há conselheiros que não aceitam mudanças nas diretorias técnicas do órgão, exigindo a manutenção da atual equipe. Caso não haja acordo, a turma que apoia totalmente o atual Governador, pode repensar e passar para o lado de Camata Júnior. É uma eleição que tem apenas 13 votantes, mas é decisiva para a vida de uma entidade de enorme importância para as pequenas empresas do Estado. O mandato do superintendente é de três anos. 

SEGREDO A SETE CHAVES

A montagem do futuro secretariado continua envolto em mistério. Claro que há nomes possíveis, alguns prováveis, outros praticamente certos. Mas a verdade é que o governador eleito guarda a sete chaves qualquer informação sobre o tema. Ele falou publicamente sobre o assunto na coletiva de segunda no Palácio Rio Madeira/CPA, de onde comandará o Estado a partir de janeiro. Respondendo a duas perguntas diretas do jornalista Sérgio Pires (O senhor já escolheu seu secretariado? Quais os nomes deles?), saiu pela tangente. Explicou que ganhar a eleição para ele, foi uma grande alegria, mas de certa forma também uma surpresa. Seu partido, que ele brincou que poderia ser considerado nanico, não tem, ainda, todos os quadros, ao menos que ele conheça, para montar uma equipe do tipo que ele quer, de primeira linha. Citou que o PSL elegeu apenas dois deputados, um federal e um estadual, que lhe ajudarão muito. Mas destacou que está começando a conhecer as pessoas, suas qualidades e lideranças agora. Está montando ainda seu time, por isso não quer falar sobre ele ainda. Marcos Rocha tem falado com sinceridade sobre esses e outros temas. Não promete milagres, mas promete mudanças. Muitas mudanças. Esperemos para ver...

OS NOMES PARA A SEFIN

Nada a ver. Na coluna desta terça, informamos que há dois nomes cotados para assumir a Sefin. No contexto, foram citados os nomes do ex secretário Wagner Garcia de Freitas e do seu então adjunto, hoje titular, Franco Ono. Mas ficou claro que a citação era pela forma correta com que ambos conduziram as finanças do Estado. Em nenhum momento foi citado que eles estariam sendo sondados para o comando da secretaria, no governo de Marcos Rocha. O que há de verdade é que existe sim ao menos dois nomes de técnicos altamente especializados e destacados da Secretaria, que estariam sendo analisados para um possível convite do Coronel do PSL, que vai comandar o Estado a partir de janeiro. Por respeito às fontes, não se publicou os nomes, ainda, porque na verdade não há uma notícia concreta, mas apenas possibilidades. Como é uma área nevrálgica, certamente entre as mais importantes da administração, o governador eleito está tendo todo o cuidado possível antes de decidir. A verdade é que Wagner Garcia e Marcos Rocha jamais conversaram sobre esse tema. Qualquer outra interpretação do comentário é diferente da realidade.

DE OLHO NAS FRONTEIRAS

A 46 dias do final do governo Daniel Pereira e início do de Marcos Rocha, os acontecimentos de sucedem com rapidez. O novo governante rondoniense esteve com o presidente eleito Jair Bolsonaro, falando sobre questões de interesse de Rondônia e da região norte, juntamente com outros políticos que assumem o poder nos seus estados, nessa região. Bolsonaro tem destacado que vai dar atenção especial principalmente às questões de fronteira, por onde entram armas e drogas e por onde saem veículos roubados, para trocar nos países vizinhos, com criminosos que alimentam o comércio ilegal. Rondônia, ao que tudo indica, terá atenção especial. Seus mais de 1.300 quilômetros de fronteira, exigem policiamento especial e estratégicas permanentes de vigilância. Esse tem sido um tema recorrente nas conversas do novo governante de Rondônia com seu companheiro de partido, Jair Bolsonaro, aquele da frase “eu sou você e você é eu!”. O assunto certamente envolverá o futuro ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro e o recém indicado para a Defesa, general Fernando Azevedo e Silva. O Coronel Marcos Rocha tem destacado que essa questão da segurança será uma das prioridades do seu governo.

ESCOLA NÃO É LUGAR DE BANDIDO

“A educação no Brasil está um lixo”! A frase é de um professor que há 31 anos leciona em escolas públicas e que não suporta mais o que está acontecendo dentro das salas de aulas. Ele foi a vítima, essa semana. Um homem respeitado, que dedicou sua vida ao ensino, formando gerações de estudantes, foi agredido dentro da sua sala de aula por “dimenor”, um meliante travestido de aluno, contumaz arruaceiro, que, aos 17 anos, já homem feito, pode fazer o que quiser, porque é blindado por leis vagabundas, feitos por vagabundos, para proteger vagabundos. O professor José Paulino apareceu na tela a SICTV/Record, no programa SIC News, quase às lágrimas. Parecia não acreditar ao ponto em que se chegou nas escolas brasileiras, onde meliantes fantasiados de estudantes agridem seus professores, seus mestres, seus diretores, sem que nada lhes aconteça. Um vídeo gravado por um outro aluno, viralizou nas redes sociais, mostrando as cenas de agressividade e empurrões de um garoto de 17 anos contra um homem que já passou dos 50 e que ainda leciona, por amor à profissão que escolheu. E esse o Brasil que o PT e seu Estado aparelhado nos empurraram goela abaixo. Abaixo as leis de proteção aos bandidos, sejam menores ou maiores. Abaixo à blindagem de criminosos impunes, dentro e fora das salas de aula. Está na hora de acabar com tanta hipocrisia e de botar esses vagabundos atrás das grades, que é onde eles merecem estar. Na escola, bandido não!

CAMPEÕES EM VENDAS NAS LOJAS

No total, em 16 estados do país as vendas do comércio caíram. A Paraíba e Minas Gerais tiveram os piores índices. Há dados que consideram o mês de setembro como o pior em termos de vendas, desde o ano de 2.000.  Em onze estados, as vendas cresceram neste ano. Adivinhe você, leitor, qual o Estado em que elas tiveram o melhor desempenho? Isso mesmo. Foi em Rondônia, um estado cuja economia se fortalece e onde o consumo anima o comércio. Os dados são oficiais e apontam que nossos negócios na área do comércio cresceram (pasmem”) nada menos do que 8,4 por cento no ano. Veja agora quanto cresceu o segundo lugar, o Estado de Tocantins: apenas 2,9 por cento. O Acre foi o terceiro, com 2.1 por cento. Ou seja, Rondônia aumentou suas vendas no comércio quase três vezes acima do segundo colocado. A economia ajudou, é claro. Mas em Porto Velho, por exemplo, há que se destacar o trabalho incessante da CDL, com suas inúmeras promoções, que movimentaram o comércio durante todo o ano. Nesse período de final de ano, a expectativa do setor é ainda mais otimista. Rondônia será o estado da Federação com maior crescimento de vendas, nessa época de Natal e Ano Novo. Comemoremos, pois!

PERGUNTINHA

Você acha que essas grandes operações nacionais, feitas num único dia em todo o país, vai mesmo acabar com a ação de traficantes perto das escolas ou no dia seguinte tudo volta a ser como antes?

Fonte: 015 - Sergio Pires / NewsRondonia

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias