Quinta-Feira, 12 de Setembro de 2019 - 11:21 (Geral)

L
LIVRE

OITO FRIGORÍFICOS DE RONDÔNIA ESTÃO NA MIRA DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

Ao todo, devem receber a fiscalização 10 empresas no Acre, nove no Tocantins, oito em Rondônia, sete no Mato Grosso, três em Roraima, duas no Amapá, duas no Maranhão, uma no Amazonas e uma no Pará.


Imprimir página

Por Wanglézio Braga
da redação do News Rondônia

Oito frigoríficos instalados em Rondônia estão na lista dos que ainda não firmaram compromissos públicos de controle de origem de matéria-prima e devem ser fiscalizados pelo Ministério do Meio Ambiente e Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA). Ontem (11) o Ministério Público Federal (MPF) divulga uma lista dos empreendimentos que estão irregulares perante o projeto “Carne Legal” que foi criado neste ano.

Segundo o MPF, o objetivo do projeto “Carne Legal” é monitorar e fazer o controle ambiental da cadeia produtiva da pecuária na Amazônia. Mais de 30 empresas que vendem gado, carne ou couro bovinos produzidos na região amazônica já assinaram o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) da Carne, um acordo que prevê 13 obrigações, entre elas a de não adquirir gado criado em áreas de desmatamento ilegal ou de fornecedores em desconformidade com a legislação trabalhista e ambiental.

“Uma das providências é justamente a fiscalização nas empresas frigoríficas listadas na recomendação, já que elas não se comprometeram a verificar a origem da carne e a criação de gado responde por boa parte do desmatamento ilegal registrado na Amazônia”, diz o trecho de uma nota publicada no site da instituição que completa “a verificação da procedência da carne é uma das formas mais eficazes de combate ao desmatamento ilegal”. 

Ao todo, devem receber a fiscalização 10 empresas no Acre, nove no Tocantins, oito em Rondônia, sete no Mato Grosso, três em Roraima, duas no Amapá, duas no Maranhão, uma no Amazonas e uma no Pará.

Em Rondônia, a lista é composta por: Frigorífico Rondônia (Ji-Paraná), Frigocal (Cacoal), Frigorífico Roma (Guajará Mirim), Frigorífico Dallas (Ariquemes), Distriboi – Indústria, Comércio e Transporte de Carnes (Cacoal), Frigon – Frigorífico Irmãos Gonçalves (Jaru), Frigomil – Frigorífico Mil Ltda (Pimenta Bueno) e Frigoari (Ariquemes).

As recomendações são assinadas pela Câmara de Meio Ambiente e Patrimônio Cultural (4CCR) e pelos procuradores da República que atuam na Amazônia Legal.

Fonte: News Rondônia

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias