Quarta-Feira, 19 de Junho de 2019 - 10:00 (Política)

L
LIVRE

NO SENADO, MORO NEGA CONLUIO COM MP E DIZ QUE CONVERSA É NORMAL

O ministro da Justiça participa de sessão no Senado para explicar conversas vazadas pelo site The Intercept Brasil nas últimas duas semanas


Imprimir página

O ministro da Justiça, Sergio Moro, apontou a existência de um grupo criminoso por trás do vazamento das mensagens entre ele e os procuradores da Lava Jato. Ele também criticou o site The Intercept Brasil, responsável pela divulgação das conversas. O ex-juiz participa de sessão na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, nesta quarta-feira (19/06/2019), para dar explicações sobre o caso.

“A divulgação dessas mensagens está repleta de sensacionalismo. O veículo não me procurou antes da publicação de nenhuma reportagem. O fato é que não tenho mais essas mensagens no celular para dizer se são autênticas ou não”, comentou. O ex-juiz disse ainda que “é muito comum que juízes e promotores se comuniquem”.

“Não é incomum que juiz converse com promotor, advogado, policial. Não é incomum que receba procuradores e se converse sobre diligências, é absolutamente normal. Eu sempre agi conforme a lei, e aplicar a lei com esses poderosos não era algo fácil”, afirmou.

Moro disse não ter certeza sobre a autenticidade das mensagens vazadas, mas, se de fato as conversas existiram, afirmou ter a convicção “da correção de todos os atos como juiz”. “Nunca atuei nesses processos movido por questão ideológica. O fato de ter emitido sentenças contra agentes políticos me trouxe dissabores. Sou atacado por ter cumprido meu dever. Não senti satisfação pessoal por emitir juízos condenatórios”, comentou.

O ministro criticou também o fato de o site de notícias divulgar as conversas em momentos distintos. “Vai ficar divulgando a conta-gotas? Entrega para uma autoridade competente”, apontou.

Antes de encerrar a fala, que durou cerca de 20 minutos, o ministro disse não ter “nenhum receio do que tem dentro daquele aparelho” ao se referir ao telefone celular entregue à Polícia Federal para investigação.

Convite

Pouco antes das 9h desta quarta-feira, Sergio Moro, chegou ao Senado Federal para participar de sessão da CCJ. Ele vai prestar esclarecimentos sobre a divulgação de conversas vazadas entre ele e o coordenador da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, Deltan Dallagnol. Um esquema de segurança reforçado foi montado para a presença do ministro no Congresso Nacional.

Assista:

Presidente da CCJ, a senadora Simone Tebet (MDB-MS) já informou que a exposição de Sergio Moro terá duração de 30 minutos. Em seguida, os senadores inscritos, intercalados por ordem de partido, terão cinco minutos para réplica. O chefe da pasta da Justiça terá o mesmo tempo para resposta. Após isso, os parlamentares terão prazo máximo de dois minutos para réplica e tréplica.

“Moro não está aqui nem na função de testemunha, muito menos de investigado. Ele que se colocou à disposição e se prontificou ao Senado Federal”, afirmou a presidente da CCJ, Simone Tebet.

Moro será cobrado sobre as informações publicadas na imprensa de uma suposta colaboração dele com procuradores da força-tarefa da operação Lava Jato enquanto era juiz federal. Na terça-feira (18/06/2019), a CCJ também aprovou requerimento de convite ao procurador Deltan Dallagnol. O pedido foi apresentado pelo senador Angelo Coronel (PSD-BA).

Nas últimas duas semanas, o site The Intercept Brasil tem divulgado uma série de reportagens sobre essa suposta troca de colaboração entre o ex-juiz e procuradores da Lava Jato.

Fonte: 015 - Metrópoles

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias