Segunda-Feira, 03 de Junho de 2019 - 17:56 (Saude)

L
LIVRE

MINISTÉRIO DA SAÚDE E SESAU REALIZAM CAPACITAÇÃO COM FOCO NA REDUÇÃO DA MORTALIDADE INFANTIL EM RONDÔNIA

A Estratégia AIDPI não é estabelecer diagnóstico especifico de uma determinada doença, mas identificar sinais clínicos que permitam a avaliação e a classificação adequada do quadro


Imprimir página

Com o objetivo de reduzir morbidade e mortalidade infantil de crianças entre 2 meses e 5 anos de idade por meio da melhoria da qualidade da atenção prestada à criança por profissionais da saúde, o Ministério da Saúde, com o apoio da Secretaria Estadual de Saúde (Sesau), realizou a Oficina Estratégia de Atenção Integrada às Doenças Prevalentes na Infância (AIDPI) para médicos e enfermeiros que atuam na atenção básica de saúde no município de Porto Velho.

A Estratégia AIDPI não é estabelecer diagnóstico especifico de uma determinada doença, mas identificar sinais clínicos que permitam a avaliação e a classificação adequada do quadro, além de fazer triagem rápida quanto à natureza da atenção requerida pela criança.

Dois técnicos do Ministério da Saúde estão qualificando esses profissionais, que terão três pilares básicos: o primeiro é a capacitação de recursos humanos no nível primário de atenção, com a consequente melhoria da qualidade da assistência prestada; o segundo é a reorganização dos serviços de saúde; e o último é a educação em saúde, na família e na comunidade, de modo que haja participação de todos na identificação, na condução e na resolução dos problemas de saúde dessa família, especialmente dos menores de anos de idade.

De acordo o facilitador do MS, Ricardo Soletti, as condutas preconizadas pela AIDPI incorporam todas as normas do Ministério da Saúde relativas à promoção, prevenção e ao tratamento dos problemas infantis mais frequentes, como aquelas relacionadas ao aleitamento materno, à promoção de alimentação saudável, ao crescimento, desenvolvimento e a imunização, assim como o controle dos agravos à saúde, como: desnutrição, doenças diarreicas, infecções respiratórias agudas e malária, entre outros.

Ricardo Soletti disse ainda que desde o ano passado que o Ministério da Saúde vem propondo essa parceria com os Estados. “Essa iniciativa do Estado, através da Sesau, é de suma importância, pois esses profissionais da atenção básica terão uma sistematização no atendimento à criança de forma integrada, e também padroniza condutas, ou seja, qualifica essa equipe para fazer um bom atendimento”, ressaltou o facilitador.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde – OMS a taxa de mortalidade infantil no Brasil está em constante declínio e, atualmente, essa média é de 26,3 óbitos a cada mil nascidos vivos.

Fonte: 015 - Secom - Governo de Rondônia

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias