News Rondônia Notícias de Rondônia, Brasil e o Mundo
Terça-Feira, 24 de Novembro de 2020

MAIS VELHA COM SÍNDROME DE DOWN DO PAÍS VIVE NO ESPÍRITO SANTO

Capixaba de Santa Maria de Jetibá entra para o RankBrasil aos 77 anos
Terça-Feira, 25 de Fevereiro de 2014 - 18:30

 

Olga Gums, de 77 anos, entra para o RankBrasil em 2014 por ser a mais idosa com Síndrome de Down do país. A moradora de Santa Teresa (ES) vive há 26 em um sítio próximo ao distrito de Aparecidinha. Ela superou a marca de Maria de Nazaré, de 67 anos, recordista em 2010.

Natural de Santa Maria de Jetibá (ES), a capixaba nasceu no dia 27 de maio de 1936. Caçula entre 11 irmãos, atualmente reside com a sobrinha Sofia Gums, de 60 anos, que cuida dela há mais de 25.

A recordista fica a maior parte do tempo em casa e não fala português. Influenciada pela cultura pomerana, que é forte na cidade, nunca aprendeu a língua brasileira e conversa apenas em pomerano, uma variedade do baixo alemão.

Gosta de ver fotografias e passa as tardes na cadeira de balanço. Animada, dança, canta e reza com frequência, além de tocar gaita desde menina.

De acordo com Sofia, apesar da Síndrome de Down, a idosa é uma pessoa independente e saudável. “Ela está muito bem de saúde e faz tudo sozinha. Fiquei admirada porque a Olga nunca tinha feito exames até o momento da cirurgia e quando fez todos deram resultados bons”.

Ela se refere a uma operação de catarata realizada recentemente para recuperar a visão de um dos olhos da recordista, que ficou completamente cega por meses.

Para a sobrinha, mesmo com a cegueira, Olga manteve-se alegre. “Quando estava sem enxergar, ficava muito parada por medo de se locomover, mas ainda assim continuava sorrindo. Está sempre contente”. Segundo Sofia, o recorde é uma felicidade para a família. “Eu tinha muita curiosidade em saber se ela era a mais velha. Sou feliz por cuidar dela e se Deus quiser ainda vai viver bastante. O título é uma alegria para nós”.
 

Síndrome de Down

É uma alteração genética causada por um erro na divisão celular ainda na fase embrionária. Pessoas com trissomia do cromossomo 21 possuem três cromossomos em vez de dois no par 21. Além de características físicas particulares, sofrem de comprometimento intelectual e consequentemente tem uma aprendizagem mais lenta.

Fonte - RankBrasil
Comentarios

News Polícia

Editoria de Cultura

Editoria Geral

Siga-nos:

POLÍTICA PRIVACIDADE

Todos os direitos reservados. © News Rondônia - 2020.