Quarta-Feira, 01 de Maio de 2019 - 17:46 (Colaboradores)

L
LIVRE

LOJA SURPREENDE COM ABRIGO PARA PASSAGEIROS NO 4 DE JANEIRO

Coberto, revestido por vidro temperado e com banco o novo abrigo deixou os passageiros das linhas de ônibus Guajará, 04 de Janeiro/Gonçalves Dias e Orgulho do Madeira contentes.


Imprimir página

Usuários do transporte coletivo que esperam pelo ônibus na avenida Calama, em frente a loja Moda Ativa, estão muito satisfeitos com a iniciativa da referida loja, que instalou um abrigo para passageiros no local.

Coberto, revestido por vidro temperado e com banco o novo abrigo deixou os passageiros das linhas de ônibus Guajará, 04 de Janeiro/Gonçalves Dias e Orgulho do Madeira contentes. Sabino, morador do bairro Planalto, disse que praticamente utiliza a parada de ônibus todos os dias e que está sendo muito bom o novo equipamento.

Os estudantes da Escola Roberto Pires Evelin Kauany e João Pedro, ambos de 11 anos, destacaram que o melhor de tudo é ter uma proteção contra o sol de meio-dia. Em geral, eles dizem passar cerca de 30 minutos no ponto, a espera do ônibus que os leva até perto de casa no bairro Planalto.

“Agora fica mais fácil esperar”, diz Evelin. Mas nem sempre tem lugar para todos. “Quando vem todo mundo da escola de uma vez, quem chega por último tem que ficar de pé”, conta João Pedro.

Do outro lado da rua um contraste, um abrigo antigo e destruído, sem assento e sem nenhum conforto. Ao lado dele uma loja considerada grande para o bairro e que de acordo com populares poderia também adotar o ponto de ônibus e fazer melhorias.


situação atual dos pontos

“Um novo abrigo chamaria mais a atenção das pessoas pra própria loja”, destaca Maria Auxiliadora, moradora do bairro Igarapé e que diariamente embarca no coletivo em direção ao Centro.


situação atual dos pontos

O shopping Porto Velho logo que inaugurou construiu dois ou três abrigos para usuários de transporte coletivo nas imediações, em contra partida com o poder público municipal. Talvez, fosse a ocasião de outros grupos ou empresas seguirem o mesmo exemplo, uma vez que o poder público não consegue sozinho manter o serviço. 

Fonte: Alice Tomaz - NewsRondônia

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias