Sexta-Feira, 20 de Março de 2020 - 22:36 (Colaboradores)

L
LIVRE

INTOLERÂNCIA SOCIAL - POR ALICE THOMAZ

Hora de tomar banho, caprichar na escolha da roupa. Tudo pronto lá foi Angélica feliz, apesar dos espirros


Imprimir página

(um conto)

Angélica chegou à igreja perto do horário do início do encontro. Aquele domingo tinha sido um dia daqueles. A crise de rinite estava no auge, espirros, tosse, aquele incômodo que é peculiar às crises. Mas ela tinha decidido desde cedo que nada a impediria de ir ao templo para adoração a Deus, afinal, pelos noticiários da tinha ficado sabendo que o país estava para entrar numa pandemia do coronavirus, que já vinha fazendo um estrago na China e na Itália e ela pensou, como lá as pessoas já não podem ir à igreja,vou aproveitar enquanto ainda tenho esta liberdade.

Hora de tomar banho, caprichar na escolha da roupa. Tudo pronto lá foi Angélica feliz, apesar dos espirros. Chegou na igreja e sentou-se no lugarzinho de sua preferência. O templo era imenso e segundo seus cálculos ali caberiam mais de mil pessoas, mas tinhatalvez umas cento e poucas naquele dia. Acena pra um aqui, outro ali e vamos esperar a hora do serviço religioso, mas de repente lá vem ela com tudo. Quem? A rinite. Angélica começou a espirrar e a tossir. Era uma coisa seguida da outra e quando deu fé era o centro das atenções. Praticamente todos olhavam para ela e aquele imenso salão se transformou em um cubículo, a senhorade quase 70 anos já não tinha onde enfiar a cabeça de tanta vergonha e constrangimento, o pior de tudo era a reprovação que vinha no olhar de todas as pessoas. Meio sem saber o que fazer juntou seus pertences e correu para o último banco. Na verdade, se pudesse teria ido embora, mas não podia sair sozinha daquele lugar, precisava esperar o esposo que estava desempenhando alguma função.

A ida ao templo naquela noite de domingo não alegrou o coração de Angélica, pelo contrário, trouxe dor. Porque no lugar onde ela esperava encontrar amor e respeitoachou rejeição e reprovação, tudo resumido em intolerância. Os dias são difíceis, a pandemia agora está confirmada, mas até então não era este o quadro.

Angélica agora está recolhida em sua casa vivendo a expressão mais precisa para este tempo: isolamento social. Que Deus tenha misericórdia de nós.

Fonte: Alice Thomaz - NewsRondônia

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias