Quarta-Feira, 09 de Outubro de 2019 - 11:45 (Economia)

L
LIVRE

IBGE: INFLAÇÃO FICA NEGATIVA EM 0,04%, MENOR TAXA PARA SETEMBRO DESDE 1998

A taxa registrada em agosto havia sido de 0,11% e em setembro de 2018, de 0,48%. Este é o menor resultado para um mês de setembro desde 1998, quando o IPCA ficou em -0,22%.


Imprimir página

O IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), que mede a inflação oficial no país, variou -0,04% em setembro. A taxa registrada em agosto havia sido de 0,11% e em setembro de 2018, de 0,48%. Este é o menor resultado para um mês de setembro desde 1998, quando o IPCA ficou em -0,22%.

A inflação fica negativa (a chamada deflação) quando os preços caem em vez de subir. Isso pode ser bom inicialmente para os consumidores, mas se persistir por muito tempo representa um sinal de fraqueza da economia. Mostra que as pessoas não estão comprando, e isso deve ser causado por desemprego e crise.

"O que a gente nota é que pode estar havendo uma redução de preços por conta de uma demanda menor", disse o gerente da pesquisa, Pedro Kislanov da Costa.

De janeiro a setembro, o índice acumula alta de 2,49%. Em 12 meses, ficou em 2,89%, abaixo dos 3,43% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores. O resultado está dentro do limite da meta do governo, de manter a inflação em 4,25% no ano, com uma tolerância de 1,5 ponto para cima ou para baixo, ou seja, podendo variar entre 2,75% e 5,75%.

As informações foram divulgadas hoje pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Alimentos e bebidas caíram

A queda foi puxada, principalmente, pela redução de 0,43% nos preços dos alimentos e bebidas, que caíram pelo segundo mês seguido.

"O grupo alimentação e bebidas já tinha apresentado queda em agosto, de -0,35%, que se intensificou para -0,43%, pressionada pela desaceleração da alimentação fora de casa, associada à queda na alimentação no domicílio, que caiu pelo quinto mês consecutivo", afirmou o gerente do IPCA, Pedro Kislanov.

Juros x inflação

Para tentar controlar a inflação, o Banco Central pode usar a taxa de juros. De modo geral, quando a inflação está alta, o BC sobe os juros para reduzir o consumo e estimular a queda de preços. Quando a inflação está baixa, o BC derruba os juros para impulsionar o consumo.

Na última reunião, o Comitê de Política Monetária do BC decidiu reduzir taxa básica de juros (Selic) em 0,5 ponto percentual, de 6% para 5,5% ao ano. É a menor taxa desde que o Copom foi criado, em 1996.

Economistas consultados pelo Banco Central estimam que a inflação no país terminará o ano a 3,42%.

 

Fonte: Francisco Rodrigo/Newsrondonia - UOL

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias