Terça-Feira, 22 de Janeiro de 2019 - 09:03 (Colaboradores)

L
LIVRE

HORA DE SÓ ACERTAR - POR CARLOS SPERANÇA

Mesmo que não haja interesse em considerar o desafio, nada se pratica sem causar efeitos e assim será com as novas políticas governamentais.


Imprimir página

Hora de só acertar

A regra do jogo é enviar cartas pessoais aos destinatários em sigilo. Torná-las públicas, mesmo quando contêm desafios e provocações, é um direito de quem se identifica honesta e claramente. Foi o que fez o biólogo Carlos Rittl, ao desafiar o presidente Bolsonaro a provar que o pesquisador está errado em uma série de críticas a ações governamentais restritivas às ongs e políticas anteriores de cunho ambiental.


biólogo Carlos Rittl

Mesmo que não haja interesse em considerar o desafio, nada se pratica sem causar efeitos e assim será com as novas políticas governamentais. Vários pontos da carta demandam debate e não cabe avaliá-los sem um exame acurado, livre de viés.

No entanto, há um item que requer de pronto uma consideração objetiva e racional do governo: tomar cuidado, antes de amarrar novas políticas, de checar criteriosamente se há riscos de desestimular investimentos estrangeiros no país.

Relaxar os controles ambientais é um risco enorme, pois o novo governo precisa acertar inequivocamente logo na saída. Tratar do assunto com extremo cuidado e transparência é a única forma de eliminar as falhas, acertar os ponteiros e assegurar a confiança que o Brasil granjeou na comunidade internacional desde a Conferência Rio-92.

Bancada reage

A bancada federal de Rondônia reagiu ao brutal aumento de energia imposto pela Energisa e já esta se organizando para virar o jogo perante a Aneel, órgão regulador das tarifas elétricas. Também a bancada federal do Acre esta unida a esta bandeira rondoniense já que os acreanos também são vitimas da mesma medida. Nos dois estados temos quase 1 milhão de prejudicados.

Mini reforma

Num vai e vem, num puxa e estica danado, a mini-reforma administrativa do prefeito Hildon Chaves (PSDB) ainda não foi confirmada. 

Algumas cabeças decepadas e com anúncio iminente de pé nos glúteos salvaram a pele, outras nem tanto. Alguns titulares, mais visados, como é o caso da Saúde vão se mantendo no posto mesmo com pressão dos vereadores.

Se afirmando

Depois de participar das duas gestões de Confúcio Moura, sendo um dos destaques no primeiro escalação, Evandro Padovani, bem votado no pleito de 2018 a deputado federal obteve a indicação para voltar ao cargo novamente no governo Rocha, na pasta da agricultura. Nada mais justo e ele já se movimenta para realizar mais uma edição do Rondônia Rural Show.

Modus operandi

Os petistas são mal perdedores, seja em São Paulo, Rondônia ou no Acre. Lembram quando Nazif assumiu a prefeitura de Porto Velho? Os petistas apagaram todo o sistema de informática provocando um apagão naquela gestão. O mesmo modus operandi foi aplicado pelos petistas acreanos que passaram o governo para Gladson Cameli com um apagão eletrônico.

Filhos dos políticos

Filho de político geralmente é aprontão, seja filho de Lula, FHC ou de, agora, Bolsonaro,  em caso mais recente, com o filho Jair, bola da vez em tretas. Em Rondônia, são os clãs políticos regionais que se eternizam, criam raízes e volta e meia ressurgem, em suas bases, como são os casos dos Donadons (Cone sul), Dos Muletas (Bacia Leiteira), dos Amorins (Vale do Jamari).

Via Direta

*** Estamos ao meio de uma semana de definições quanto às eleições da mesa diretora da Assembleia Legislativa que ocorre em fevereiro *** O sul do Amazonas recebe novas levas de colonos rondonienses e mato-grossenses interessados no plantio da soja *** De asas crescidas o novo presidente da Câmara Municipal de Porto Velho Edwilson Negreiros já pensa até sem ser candidato a prefeito no ano que vem *** O PDT retomou as atividades e já tem agenda de encontros definida para este inicio de ano.

Fonte: NewsRondônia

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias