Quinta-Feira, 26 de Março de 2020 - 08:30 (Geral)

L
LIVRE

HIRAN BRITO MENDES O BALUARTE PARTIU PARA O PLANO SUPERIOR

Vamos prestar nossa homenagem ao Hiran Brito Mendes – O Baluarte, lembrando algumas histórias dele, como Diretor da Escola de Samba Pobres do Caiari.


Imprimir página

Hiran Brito Mendes faleceu na manhã desta quarta-feira 25, no hospital 9 de julho, onde há algum tempo, estava internado na UTI.

Hiran que também era conhecido como Baluarte pela sua luta em defesa da sua querida escola de samba "Os Pobres do Caiari", da qual fez parte desde sua fundação no ano de 1964. Nascido no dia 04 de fevereiro de 1950, filho do seu Vivaldo Mendes e da professora Baba. Desde muito jovem Hiran se envolveu com música, primeiro como ritmista da Pobres do Caiari e depois como baterista do Conjunto "Fórmula 4", integrado pelo Chiquilito, Oswaldo Piana e Pituca. Esse grupo musical, fez muito sucesso no tempo da Jovem Guarda.

HOMENAGEM

Vamos prestar nossa homenagem ao Hiran Brito Mendes – O Baluarte, lembrando algumas histórias dele, como Diretor da Escola de Samba Pobres do Caiari.

O BLOCO DO SEU VIVALDO

No carnaval de 1967, Hiran convenceu seu pai que estava como Diretor da Estrada de Ferro Madeira Mamoré, a mandar confeccionar nas oficinas da ferrovia, alegorias como a Locomotiva 12, Calamazu, Trole e Carrinho e ainda patrocinar a confecção de macacões, igual aos usados pelos trabalhadores (cassacos) da Madeira Mamoré. A idéia do Hiran era contar a história da Estrada de Ferro no desfile da escola.

Podemos dizer, que aquela iniciativa, foi o embrião do que depois passou a ser chamado de ENREDO.

No desfile daquele ano, as alas da Caiari desfilaram utilizando como adereço pás, picaretas, trilhos, dormentes etc. Só não teve samba enredo contando aquela história. Naquele desfile histórico, a Escola foi chamada pelos adversários, de "BLOCO DO SEU VIVALDO".

GRAVAÇÃO DO SAMBA CEARÁ DE IRACEMA

Hiran foi nomeado pelo presidente Chagas Neto logo após carnaval de 1983, como Diretor de Carnaval da Pobres do Caiari e em virtude do fracasso do Samba Enredo daquele ano, que segundo alguns, havia sido o responsável pela derrota da escola, sugeriu ao Chagas Neto que encomendasse dos compositores Silvio Santos e Babá o samba enredo para o carnaval de 1985; que foi feito!

A pesquisa tinha a assinatura dos carnavalescos Flávio Daniel, Marise Castiel e João Otávio Pinto. Assim nasceu um dos mais exaltados e cantados samba de enredo da Pobres do Caiari e do carnaval de Porto Velho até os dias de hoje, cujo título oficial é: "Ceará, Lendas, Rendas e Crenças – CEARÁ DE IRACEMA".

GRAVAÇÃO NO RIO DE JANEIRO

Assim que o samba ficou pronto, no final do mês de agosto de 1984, Hiran Brito mais uma vez, entrou em ação e convenceu o presidente Chagas Neto e toda diretoria da escola, que um samba daquele, deveria ser gravado no Rio de Janeiro, sob a direção dos produtores do LP dos sambas de enredo das escolas de samba do grupo Especial do Rio.

Após receber o aval da diretoria da escola Hiran contratou nada mais, nada menos que Laila, Rivaldo Santos e Alceu Maia os dois primeiros responsáveis pela Produção dos sambas do Rio e o Alceu responsável pelos arranjos. Laila e Rivaldo convocaram para a gravação do samba da escola de Rondônia os mesmos ritmistas que gravavam os sambas das escolas do Rio, que pertenciam ao Grupo "Samba 7" e como arranjador, o cavaquinhista Alceu Maia.

No mesmo disco foram gravadas as músicas "Exaltação ao Caiari" e "Hino da Banda"; o coro contou com a participação das Gatas. Sucesso!

EMPURRANDO VAI

Para o carnaval de 1988 o enredo foi "Empurrando Vai" pesquisa de Aluízio Bentes e samba de Silvio Santos e Aluízio Bentes que também foi Produzido pelo Laila e o Rivaldo com arranjos do Maestro Jorge Cardoso e gravado na voz de Walfredo da Esquina isso em setembro de 1987 no mesmo disco, as Gatas gravaram o samba do Silvio Santos "Nosso Barracão Subiu".

Infelizmente as fantasias da Pobres do Caiari pegaram fogo na fábrica de carnaval no Rio de Janeiro e a escola não desfilou, aliás, a Diplomatas também não desfilou em 1988.

Muitas outras histórias foram protagonizadas pelo Baluarte Hiran Brito Mendes.

Hiran Brito Mendes é merecedor de todas as homenagens possíveis. Infelizmente, a quarentena do coronavírus, não permite uma despedida digna de um Baluarte do Samba como o HIRAN BRITO MENDES.

Fonte: 015 - Silvio Santos/NewsRondonia

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias