Domingo, 19 de Janeiro de 2020 - 11:16 (Colaboradores)

L
LIVRE

FORA, NAZISTAS TOSCOS! - POR PROFESSOR NAZARENO*

Nunca ouviram falar do Holocausto, da Ditadura Militar, da Era Vargas ou de qualquer outro fato já conhecido.


Imprimir página

Eu moro no Brasil, país de aproximadamente 215 milhões de habitantes. A esmagadora maioria sem leitura de mundo, sem instrução, sem conhecimentos, sem aceso a uma educação de qualidade e com pouquíssima visão da realidade. Muitos deles, analfabetos funcionais, mal compreendem o que conseguem, às duras penas, ler. A maioria não domina as quatro operações da matemática básica, não fala outro idioma além do dialeto do Português e não consegue se expressar de forma compreensível em Língua Portuguesa escrita. Mas muitos deles são eleitores e votam todos os anos que têm eleições. Por isso, não podem entender, por exemplo, o que foi o Nazismo, o Fascismo ou qualquer outro “ismo” da história da humanidade. Nunca ouviram falar do Holocausto, da Ditadura Militar, da Era Vargas ou de qualquer outro fato já conhecido.

E talvez por isso mesmo muitas autoridades desse atual “governo de tontos” estão passando dos limites com suas declarações monstruosas e absurdas como a do ex-secretário especial da cultura Roberto Alvim. Além de já ter sido sumariamente demitido, ele deveria ter sido preso por fazer apologia pública ao Nazismo. Só que no campo da ideologia, o governo Bolsonaro tem sido um desastre para o Brasil. Um governo que tem feito vergonha para todos nós no mundo inteiro. Mas isso não é de agora. Desde a campanha eleitoral, o “Bozo” tem-se destacado pelasdeclarações absurdas,monstruosas e toscas. E quase toda vez tem sido aplaudido efusivamentepelosseus semianalfabetos seguidores. O “Mito” foi homofóbico, misógino, racista, fascista, intolerante, preconceituoso e mesmo assim foi eleito com 57 milhões de votos.

Ou o “governo do descontrole verbal” e seus seguidores param imediatamente com estas declarações anômalas ou vai cair mais cedo do que se espera.

O mundo dito civilizado não tolera mais nenhuma insensatez estúpida. Vivemos, pelo menos no Brasil de hoje, num mundo regido pela diversidade e não pelo maniqueísmo sem sentido. Um viés de esquerda não se pode combater com um viés de direita nem vice-versa.

Penso aqui: como estão se sentindo agora muitos dos meus amigos professores de História que votaram nesta gente? Atacar ideologias, fazer acusações sem provas, disseminar o ódio e aprofundar ainda mais a divisão ideológica do país tem sido a tônica deste desgoverno que em vez disso, devia estar preocupado com os problemas mais graves do país. Os mais de 13 milhões de desempregados hoje querem comida e não ideologia para viver.

Jair Bolsonaro já elogiou um notório torturador, o coronel Brilhante Ustra, e foi ovacionado. Disse abertamente que a Ditadura Militar tinha que ter matado pelos menos umas 30 mil pessoas e recebeu efusivos aplausos e votos. Infelizmente quem aplaude essas coisas são ainda dois tipos de pessoas: os maus intencionados e os que, por absoluta ignorância, desconhecem o real perigo com o qual estão flertando. Infelizmente o pensamento de Roberto Alvim é o mesmo de muitos assessores que fazem parte deste governo que já foi acusado de ser um “governo de milicianos”. Depois do Nazismo, o mundo também não tolera as queimadas da Amazônia. E o governo do “Mito” incentiva as duas coisas. Viramos um vilão internacional. A impressão que se tem é que está faltando ainda muita gente deste “governo de destrambelhados” ainda ser demitida por causa de suas sandices. O Brasil agradece e o mundo respirará mais aliviado sem eles.

*Foi Professor em Porto Velho.

Fonte: Professor Nazareno / NewsRondônia

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias