Quinta-Feira, 14 de Dezembro de 2017 - 17:36 (Política)

L
LIVRE

DR. NEIDSON ACOMPANHA VISTORIA NA CONSTRUÇÃO DE PONTE NO DISTRITO DE PONTA DO ABUNÃ

Comissão Especial criada para averiguar denúncias sobre possíveis rachaduras esteve no local com técnicos do DNIT


Imprimir página

Na tarde desta quinta-feira (14), os membros da Comissão Temporária Especial criada para averiguar denúncias sobre a existência de rachaduras nos pilares da ponte em construção sobre o Rio Madeira, no distrito de Ponta do Abunã, anunciaram o encerramento dos trabalhos e, posteriormente, a confecção do relatório final das apurações.

Os deputados, Dr. Neidson (PMN), relator da comissão e o presidente, Jesuíno Boabaid (PMN) estiveram na obra da estrutura que ligará Rondônia ao Acre, para uma vistoria realizada junto a técnicos e engenheiros do Dnit, da empresa responsável pelo empreendimento e da empresa de fiscalização, para averiguação das denúncias. 

Dr. Neidson informou que nenhuma rachadura foi constatada na estrutura da ponte. Segundo os técnicos, o espaço entre as bases que teria sido denunciado como possíveis rachaduras, na realidade são chamadas de junta de dilatação e fazem parte do projeto.

De acordo com as explicações dos técnicos e engenheiros, juntas de dilatação, também conhecidas como juntas de movimento são dispositivos criados para absorver a variação volumétrica dos materiais, e também usadas para mitigar os efeitos da vibração e movimentações inerentes a cada tipo de estrutura.

São usualmente encontradas em pontes, edifícios e ferrovias, mas também são importantes em dutos e tubulações, principalmente os que operam com fluidos à alta temperatura. Lajes de concreto, trilhos de trens e oleodutos, por exemplo, expandem e contraem devido às mudanças de temperaturas inerentes às estações do ano.

“Pelo o que podemos entender, sem juntas de dilatação, a estrutura da ponte pode não suportar o estresse resultante e aí sim, acabar criando rachaduras e comprometendo sua segurança, estabilidade e durabilidade”, ressaltou Dr. Neidson.

Após a confirmação de que não há evidências de rachaduras, portanto, de que as denúncias não procedem, a comissão encerrará as atividades e na próxima reunião, Dr. Neidson apresentará o relatório final com as explicações técnicas pertinentes. 

Fonte: Decom/ALE-RO

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias