Terça-Feira, 28 de Janeiro de 2020 - 16:54 (Polícia)

16
Não recomendado para menores de 16 anos

DISCUSSÃO EM GRUPO NO WHATSAPP PODE ESTAR POR TRÁS DA MORTE DE CAMINHONEIRO; POLÍCIA INVESTIGA ÁUDIOS

Outro motorista também foi baleado após bate-boca no aplicativo.


Imprimir página

A polícia de Vilhena já recebeu uma série de áudios nos quais o caminhoneiro Emerson Valdir Mattes, 44 anos, assassinado a tiros ontem, protagoniza discussões acirradas com um colega de profissão. Os diálogos, permeados por ofensas, foram travados num grupo de WhatsApp.

O FOLHA DO SUL ON LINE teve acesso a uma das conversas, nas quais outro motorista, também morador de Vilhena, ameaça “acertar as contas” com Emerson quando chegar à cidade. “Eu moro em Vilhena, e na hora que eu chegar aí você fala isso na minha cara, vagabundo”, diz o homem, cuja identidade não foi revelada.

Emerson era taxista no distrito de Planalto São Luiz e, depois, também trabalhou como gerente num posto de combustíveis em Cabixi. Era considerado, pelos colegas, um profissional trabalhador, mas também de gênio forte.

A reportagem recebeu ainda conversas nos quais os participantes de outra comunidade virtual lembram que este é o segundo caso de caminhoneiro baleado após bater-boca com colega no WhatsApp. Lembre aqui o outro episódio violento, motivado por discussões neste tipo de grupo.

O site confirmou que a polícia pretende usar os áudios na investigação, mas ainda não tem elementos para confirmar se a briga pelo aplicativo seria o motivo do assassinato. A esposa de Emerson está grávida.

Fonte: 020-Folha do Sul

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias