Terça-Feira, 26 de Maio de 2020 - 07:45 (Saude)

L
LIVRE

DETERMINAÇÃO: MINISTÉRIO DA SAÚDE MANTÉM INDICAÇÃO DE CLOROQUINA APÓS OMS SUSPENDER USO

Nesta segunda (25), a Organização Mundial da Saúde determinou a suspensão dos testes com a droga após estudo demonstrar aumento no risco de morte de pacientes.


Imprimir página

A secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, Mayra Pinheiro, disse que o estudo que serviu de base para a decisão da Organização Mundial da Saúde (OMS) de suspender testes com hidroxicloroquina para tratamento da Covid-19, publicado na revista "The Lancet", não tem uma metodologia "aceitável para servir de referência".

Após prever painel com taxa de UTIs ocupadas, governo diz só ter dados de menos da metade dos hospitais que atuam contra a Covid-19

Pesquisadores tiram do ar estudo que recomendava hidroxicloroquina contra Covid-19

"O estudo [da Lancet] não é um ensaio clínico, é apenas um banco de dados coletado de vários países. Não entra em um estudo metodologicamente aceitável para servir de referência para outros países muito menos para o Brasil", disse Pinheiro.

A secretária disse que a pasta acompanha 216 protocolos de uso da cloroquina no tratamento da doença em países como Estados Unidos, Turquia e Índia. Segundo ela, os técnicos do Ministério da Saúde estão "tranquilos e serenos" quanto à orientação que dá autonomia para os médicos oferecerem esse tratamento a pacientes "que assim desejarem".

Suspensão de testes

Nesta segunda, a OMS pediu a suspensão de testes com o uso da hidroxicloroquina no tratamento da infecção pelo novo coronavírus após a constatação no aumento no risco de mortes.

A suspensão temporária foi tomada até que a segurança da droga seja reavaliada, já que estudos recentes mostraram que ela não é eficaz contra a Covid-19 e pode aumentar a taxa de mortalidade.

O diretor-geral da entidade, Tedros Adhanom Ghebreyesus, afirmou que a suspensão foi determinada depois da divulgação dos resultados do estudo publicado na sexta-feira (22) na revista "The Lancet".

Estudo com 96 mil pessoas

A pesquisa publicada na revista científica, feita com 96 mil pessoas, apontou que não houve eficácia das substâncias contra a Covid-19 e detectou risco de arritmia cardíaca nos pacientes que as utilizaram.

Dados do estudo:

96.032 pacientes internados foram observados;

Idade média de 53,8 anos com 46,3% de mulheres;

Pacientes são de 671 hospitais em 6 continentes;

14.888 pacientes receberam 4 tipos de tratamentos diferentes com a cloroquina e a hidroxicloroquina;

As hospitalizações ocorreram entre 20 de dezembro de 2019 e 14 de abril de 2020.

O grupo de cientistas comparou os resultados de 1.868 pessoas que receberam apenas cloroquina, 3.016 que receberam só hidroxicloroquina, 3.783 que tomaram a combinação de cloroquina e macrólidos (uma classe de antibióticos), e mais 6.221 pacientes com hidroxicloroquina e macrólidos. O grupo controle, que serve para comparação e não fez uso dos medicamentos, é formado por 81.144 pacientes.

No final do período, 1 a cada 11 pacientes do grupo controle havia morrido - 7.530 pessoas (9,3%). Todos os quatro tipos de tratamento foram associados com um risco maior de morrer no hospital:

Dos que apenas usaram cloroquina ou hidroxicloroquina, cerca de 1 a cada 6 pacientes morreram. Foram 307 pessoas que tomaram cloroquina (16,4%) e 543 que tomaram hidroxicloroquina (18%).

Dos que tomaram cloroquina ou hidroxicloroquina com macrólidos, cerca de 1 a cada 5 pacientes morreram. Houve 839 mortes (22,2%) no caso de uso de cloroquina com antibiótico e 1.479 (23,8%) na combinação de hidroxicloroquina com antibiótico.

Os cientistas excluíram fatores que podem influenciar os resultados, como idade, raça, índice de massa corporal e outras condições associadas (doenças cardíacas, diabetes, e doenças pulmonares).

De acordo com os autores, os pacientes medicados com as substâncias apresentaram também risco maior de desenvolver arritmia cardíaca. A maior taxa foi vista em pacientes que receberam a hidroxicloroquina em combinação com os antibióticos: 8% ou 502 pessoas em um grupo de 6.221. O grupo controle, que não recebeu as substâncias, teve um índice de 0,3%.

Este é o maior estudo feito com pacientes infectados e internados com a Covid-19 e a prescrição de cloroquina e hidroxicloroquina.

Fonte: G1

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias