Quarta-Feira, 13 de Março de 2019 - 17:12 (Política)

L
LIVRE

DEPUTADO LÉO MORAES COBRA MINISTÉRIO DA ECONOMIA E TCU SOBRE RETOMADA DA TRANSPOSIÇÃO DE SERVIDORES EM RONDÔNIA

Léo Moraes ressaltou que, apesar de outros estados também passarem pelo mesmo procedimento, Rondônia não deve ser esquecida.


Imprimir página

Na última terça-feira (12), o deputado federal Léo Moraes debateu com o Ministério da Economia e com o Tribunal de Contas da União (TCU) sobre a retomada do processo de transposição dos servidores estaduais de Rondônia para a folha de pagamento da União.

De acordo com o deputado, a discussão foi produtiva, uma vez que nenhum dos dois órgãos considerou que a Emenda Constitucional 60, que rege sobre o processo da transposição, não possuem irregularidades que justificariam a paralisação. "É possível enxergarmos uma retomada do processo, já que eles reconheceram que os servidores que estão sob a EC 60 não possuem nenhum tipo de suspeição e nem foram alvos de fiscalização. Pretendemos retomar a transposição o quanto antes".

De acordo com o ministro do TCU, Vital do Rêgo, o assunto será levado ao plenário do tribunal o mais rápido possível. "Realizamos um levantamento de dados para retorno do processo ao gabinete. Me comprometi a acelerar esse processo, terminar em tempo regimental, justo, mas absolutamente prioritário. Há uma expectativa de que essa coleta siga o ritmo que pudemos determinar, e teremos, com certeza, um novo convite a todos para que compareçam à reunião plenária".

Léo Moraes ressaltou que, apesar de outros estados também passarem pelo mesmo procedimento, Rondônia não deve ser esquecida. "Não queremos mais nem menos que os outros estados. Queremos o mesmo tratamento para Rondônia, e que nenhum decreto deixe de lado os servidores do estado. Os estados de Roraima e Amapá possuem um índice de transposição de servidores muito maior do que nós, em Rondônia, temos. Queremos direitos iguais para todos".

Em 23 de janeiro, o TCU suspendeu o processo de transposição previsto pela EC 98, de 2017, que também projetava a mudança para servidores dos estados do Amapá e Roraima. A justificativa, segundo o tribunal, é de que aumentou consideravelmente o número de servidores para a transposição e de que eles foram nomeados sem a realização de concurso público. Em Rondônia, 1,5 mil servidores ainda aguardam o resultado da transposição.

Fonte: 015 - Assessoria

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias