Quinta-Feira, 08 de Novembro de 2018 - 21:12 (Colaboradores)

L
LIVRE

DE BOLSONARO A HITLER: PARA ALI BABÁ DA SILVA E OS 40 COMPANHEIROS

Para não nos tornarmos prolixo e antipetista vejamos a intensão do Frei Betto, frade domiciliano e escritor, que em entrevista pública no último dia 11 de outubro de 2018 desabafou com todas as letras e desenhou o perfil de Jair Bolsonaro a semelhança de um sanguinário Adolfo Hitler.


Imprimir página

Não temos argumentação e palavras para explicar por que alguns ‘intelectuais’ e ‘pseudos’ cientistas no Brasil não conseguem aceitar e digerir, democraticamente, os resultados das urnas desta eleição de 2º Turno, realizada em 28 de outubro de 2018 - quando Jair Bolsonaro (PSL) obteve uma expressiva votação e uma esmagadora vitória com 55,13% (57.797.456 votos) contra 44,87% (47.040.819 votos) de Fernando Haddad (PT).

Para não nos tornarmos prolixo e antipetista vejamos a intensão do Frei Betto, frade domiciliano e escritor, que em entrevista pública no último dia 11 de outubro de 2018 desabafou com todas as letras e desenhou o perfil de Jair Bolsonaro a semelhança de um sanguinário Adolfo Hitler - ao ascender ao poder na Alemanha e após uma gestão desastrosa todos conhecem o final desta tragédia.

No segundo momento, atribui o surgimento do fenômeno Bolsonaro a omissão do Poder Judiciário que permitiu a “lei esdrúxula da anistia recíproca” e que o PT ao longo de 13 anos de governo “não cuidou de promover a alfabetização política do povo”.

Como amigo pessoal, assessor político-espiritual e eterno escudeiro do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o escritor Frei Betto conhece como poucos os verdadeiros motivos que levaram a debandada de velhos companheiros - cabeças -pensante, filiados, seguidores, eleitores e simpatizantes do partido dos vermelhos - quando se tornou claro e nítido, a olho nu, a mudança de rota e a fuga de compromissos apresentados no Estatuto do Partido dos Trabalhadores (PT) e o desvio de objetivos, os sucessivos escândalos, condensados no Mensalão, no Petrolão e em mais de uma centena de escândalos em todos os naipes, revelados na mídia escrita, eletrônica, falada e televisada no dia-a-dia e nos plantões policiais.

Por que não interpretar o “fenômeno" Bolsonaro em toda a sua essência?

O fenômeno Bolsonaro foi fecundado no ventre do Partido dos Trabalhadores (PT) e  porque se a população estivesse satisfeita com a administração do PT o Capitão Jair Bolsonaro não teria se tornado em pouco tempo num líder político e na preferência nacional nas urnas - quando fora  gerado no útero da insatisfação da população brasileira que não mais acreditou nas promessas mentirosas dos políticos do PT e se escandalizaram com as relações promíscuas do partido com seus aliados políticos - com a política de corrupção plena, em todos os níveis e do toma lá dá cá.

Neste sentido, o Deputado Federal Jair Bolsonaro passou a ser a esperança do eleitor que passou a acreditar na existência de um político que se apresentou como diferente dos demais e que prometera mudar este quadro de incertezas, reduzir este mar de lamas, de corrupção em todos os níveis, de criminalidade desenfreada, intolerável, de desemprego e proporcionar melhores dias para todos.

Quando a panela de pressão entra em ebulição a válvula tem que ter estrutura para resistir a forte força dos vapores e fazer com que esta não se transforme em uma bomba mortal e cause um acidente violento, seguido de uma tragédia  irreversível.

Para calar a boca de todos aqueles que apostam no quanto pior, melhor, tornam-se necessários que a administração do presidente eleito Jair Bolsonaro não decepcione e não frustre as perspectivas de milhares de brasileiros que acreditaram em suas propostas e consiga colocar nos cargos estratégicos pessoas comprometidas com a honestidade, com a seriedade, com a probidade  e que estejam comprometidos com o bem estar da população e com o desenvolvimento e consolidação do Brasil, como nação soberana, livre e próspera.

Se a administração do presidente eleito Jair Bolsonaro conseguir frear a corrupção endêmica praticada no Brasil - desde o seu descobrimento e aprimorada e consolidada nos 13 anos de governo do Partido dos Trabalhadores (PT) - todos irão reconhecer a diferença entre um governo corrupto e um governo não corrupto.

Em escalar o Juiz Federal Sérgio Moro para ocupar o ministério da Justiça e Segurança Pública dando o presidente eleito Jair Bolsonaro um golpe de mestre, que no jogo de boliche se pode chamar de um verdadeiro straike;

Em evitar fazer nomeações por critérios políticos, a fim de se minimizar o toma lá, dá cá, o governo do presidente Bolsonaro estará cumprindo fielmente o discurso de campanha e combatendo radicalmente a partilha da administração pública, com fins pessoais  e com interesses corporativos.

Ao invés do frade domiciliano e escritor Frei Betto - assessor espiritual do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva comparar o presidente eleito Jair Bolsonaro ao fascista Adolfo Hitler, com tantos recursos literários e fartos adjetivos - por que não procurou escrever o publicar o seu próximo Livro com um relato “sui generis”, através de um comparativo sobre a obra Ali Babá e os Quarenta Companheiros - parte integrante do Livro das Mil e Uma Noites, onde o Ali Babá fica preso em uma caverna, juntamente com seus quarenta companheiros por muita coincidência foram os números de condenados e presos no Mensalão do Partido dos Trabalhadores (PT).

Antônio de Almeida Sobrinho escreve semanalmente nesses Portais de Notícias:

www.rondonoticias.com.br

www.gentedeopiniao.com.br

www.newsrondonia.com.br

www.emrondonia.com.br

BLOG ESPINHA NA GARGANTA.

 

Fonte: Antônio de Almeida Sobrinho - News Rondônia

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias