Terça-Feira, 19 de Fevereiro de 2019 - 14:47 (Política)

L
LIVRE

CRISTIANE LOPES INTENSIFICA FISCALIZAÇÃO NA ÁREA DA SAÚDE

Os equipamentos utilizados para realização de exames clínicos não estão recebendo manutenção e alguns prédios estão em péssimas condições.


Imprimir página

Durante fiscalização na UPA da zona Sul, a vereadora Cristiane Lopes (PP) constatou mais uma vez que desde o início da atual gestão, quase nada mudou com relação a saúde. Faltam seringas de 20 e 10 ml, scalp,  esparadrapos, além de outros insumos; regentes para exames laboratoriais, materiais para exames de urina e medicamentos essenciais como: Captopril e Tramadol. Os equipamentos utilizados para realização de exames clínicos não estão recebendo manutenção e alguns prédios estão em péssimas condições.

Os problemas das UPA's e de outras Unidades de Saúde vem sendo acompanhado pela parlamentar, desde o início do mandato. Recentemente, a vereadora fiscalizou a Policlínica Ana Adelaide, que também encontra-se em total abandono por parte do Poder Público. "Infelizmente,  a Policlínica, que um dia já foi a menina dos olhos dos Prefeitos, vive um total abandono. Faltam medicamentos básicos, como: O Captopril para pressão, Tramadol, além de insumos, faltam de macas, cadeiras de rodas e uma inspeção na rede elétrica", ressaltou a parlamentar.

Cristiane Lopes já realizou diversos pedidos de providências. Alguns deles já foram atendidos. “Não podemos mais esperar. É preciso encontrar uma solução definitiva para estes problemas. Em 2018, estive na Upa Sul, para cobrar sobre a falta de médicos e de medicamentos. As demandas foram atendidas, apenas parcialmente. E  agora, novas já surgiram como: a falta de manutenção na máquina de bioquímica”, declarou a vereadora.

Outra dificuldade relatada pelos servidores é o calor constante, por falta de ar condicionado em algumas salas de procedimentos, como é o caso da sala de eletrocardiograma. “Fiquei abismada quando entrei na sala de eletrocardiograma, e vi um ventilador adaptado em uma cadeira, preso com esparadrapos, a ponto de gerar um curto- circuito, colocando a vida dos servidores e pacientes em risco".

A vereadora fez novamente o levantamento das demandas e os pedidos de providências serão protocolados e encaminhados à SEMUSA. “Vou reiterar os pedidos de providências anteriores, fazer os novos, para encaminhar à Secretaria de Saúde do Município e continuar cobrando”, enfatizou a parlamentar.

Fonte: 010 - Assessoria

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias