Sexta-Feira, 14 de Julho de 2017 - 11:50 (Colaboradores)

L
LIVRE

CRIAR CONHECIMENTO, NÃO VALOR!

Entretanto, a geração atual dos países desenvolvidos foi preparada para viver numa sociedade do conhecimento. Portanto, existe um desafio enorme para ser superado a passos largos pelos países emergentes como Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul – BRICs.


Imprimir página

O mundo passou por grandes mudanças nos últimos anos devido a Revolução Técnico-Científica-Informacional. Tal previsão foi feita pelo geógrafo Milton Santos, por sua vez, essa revolução silenciosa provocou e vem provocando grandes transformações nos modos de vida na atualidade.

Desde o passado, a sociedade tinha se habituado a conviver com as máquinas barulhentas da Revolução Industrial. Entretanto, com as mudanças que ocorreram e estão ocorrendo, requer da sociedade contemporânea, apressar o passo pra acompanhar a velocidade da revolução tecnológica imposta pelo capital. Vivemos hoje no mundo virtual dos computadores, da realidade virtual ou da terceira dimensão que nos bombardeia a cada instante com uma infinidade de informações de todos os lugares do mundo. Diante desse quadro, nos perguntamos: como organizar e selecionar tantas informações como fonte de saber para nossa vida e construção do nosso conhecimento? Vamos procurar ser sucinto na resposta mediante nossa inquietação.

Entretanto, a geração atual dos países desenvolvidos foi preparada para viver numa sociedade do conhecimento. Portanto, existe um desafio enorme para ser superado a passos largos pelos países emergentes como Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul – BRICs.

Diante desse cenário mundial, os líderes políticos precisam perceber que não vivemos mais no mundo do trabalho exibido no filme “Tempos Modernos” do cineasta e diretor de cinema Charlie Chaplin. Por sua vez, o mundo que vivemos hoje é de bens intangíveis, ou seja, é um bem que não conseguimos segurar na mão, por exemplo, o software é um bem intangível.

Nesse limiar, os produtos da indústria cultural – cinema, música, televisão, internet – mídias sociais, aplicativos, mundo dos negócios - consultoria, formação continuada - cursos de aperfeiçoamento, e outros, são bens intangíveis. Portanto, estamos vivendo num mundo que o conhecimento passa a ser um fator de produção, ou seja, passa a ser mais importante do que terra, trabalho, capital, energia e matéria-prima.

Nesse contexto de globalização, três transformações importantes contribuem para reabrir discussões teóricas sobre o capital – riqueza e valor, conhecimento – bem intangível, e natureza – apropriação e esgotamento. A primeira consiste na generalização em escala planetária de um modo de desenvolvimento produtivista devastador. A segunda diz respeito ao conhecimento, esse cada vez mais importante no processo produtivo. Por conseguinte, a natureza é indispensável para qualquer produção de valor econômico.

Durante a sociedade industrial, o valor era calculado pelo trabalho – energia, para produzir o produto. Entretanto, na atualidade, o valor recai sobre o conhecimento agregado ao produto que está sendo produzido por conta da revolução das tecnologias da informação e da comunicação. Essas variáveis estão integradas ao conhecimento como um fator decisivo para a criação de riquezas. Dando origem ao que podemos chamar de capitalismo “cognitivo”, “economia do conhecimento”, “economia da informação” ou “economia do imaterial”, assumindo o lugar do antigo capitalismo industrial.

Por sua vez, os recursos da natureza são finitos, porém, o recurso do conhecimento é infinito, ou seja, quanto mais se usa, mais se multiplica. Nesse caso, o conhecimento é uma riqueza infinita e as leis básicas da economia não são aplicáveis a esse recurso. Dentre elas para ilustrar, a teoria da escassez.

Desse modo, quanto mais compartilhar, mais conhecimento eu tenho. Diferentemente da sociedade industrial que tinha como base a competição. Portanto, a competição industrial é capaz de destruir um país para subtrair dele uma matéria-prima ou retardar seus passos em direção ao conhecimento. Por exemplo, o Iraque, a Irã e a Síria no passado e no presente.

Ainda no presente, temos o jogo armado no pacífico entre as potências mundiais para destruir as sociedades do conhecimento que surgiram no Japão, Coréia do Sul e nos Tigres Asiáticos. Dessa forma, os países desenvolvidos não desejam que outros países avancem a passos largos em direção ao conhecimento. Assim, estamos vivemos uma mudança de era e isso assusta as pessoas, ou seja, querendo ou não, as sociedades industriais caminham para o conhecimento. Esse passou a ser, por sua vez, o principal fator de produção. Todavia, a terra, a energia e a natureza continuam a exercer o seu papel na economia apesar do deslocamento do eixo de criação para outros setores de produção e de atividades econômicas.

Dessa forma, a tecnologia cria indústrias e empresas semelhantes por conta do conhecimento, ou seja, se uma dessas compra um software hoje, o concorrente pode comprar um similar amanhã – ambos passam a possuir a mesma ferramenta tecnológica de inovação. Por sua vez, as pessoas é quem fazem a diferença no mundo do conhecimento.

Diante de tantas informações como fonte de saber para nossa vida e construção do nosso conhecimento, precisamos abandonar a visão cartesiana de mundo e passar a enxergá-lo de forma sistêmica – conseguir pensar o todo, ou seja, desenvolver uma visão global para entender o ser humano, a natureza e o trabalho.

Portanto, a criatividade vale mais que a linha de produção e as ideias valem mais que as máquinas. Nesse caso, os nossos cérebros são as máquinas que precisamos aprender a lidar e os neurônios são as peças que precisamos manusear. Assim, quem produz conhecimento são os seres humanos e diante desse mundo acelerado de constante transformação, precisamos substituir o pensar e realizar pelo refletir, criar e fazer.

Fonte: Hebert Lins

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias