Quarta-Feira, 29 de Abril de 2020 - 15:05 (Colaboradores)

L
LIVRE

COVID-19, UM MAL QUE NÃO DESEJO A NINGUÉM

A verdade é que a enfermidade se instala primeiro na mente. Plantão de correria, pacientes graves e precisando da nossa atenção, medica um, socorre o outro e assim foram as primeiras horas.


Imprimir página

A princípio, aquele parecia ser só mais um plantão. Mas ao chegar ao setor de trabalho percebi uma certa tensão. A equipe que estava saindo estava preocupada e a que estava entrando estava apreensiva. O motivo era um paciente de meia idade que fora levado à clínica para um determinado procedimento, mas havia a suspeita de que ele fosse um dos primeiros infectados pelo Covid-19 a dar entrada no hospital. Intimamente pedi a Deus proteção para todos nós e a cura para o paciente.

A verdade é que a enfermidade se instala primeiro na mente. Plantão de correria, pacientes graves e precisando da nossa atenção, medica um, socorre o outro e assim foram as primeiras horas. Mas lá no fundo do coração estava a preocupação: vou ser infectada pelo Coronavírus? Afinal, todos hão de convir que nossa preocupação fazia todo sentido. Todos os dias recebíamos notícias sobre a morte de profissionais da saúde, homens e mulheres jovens e cheios de sonhos, alguns estavam entubados nas UTIs. Triste mesmo, porque nem um funeral honroso se pode ter nestes tempos.

E passado este período comecei a sentir todos os sintomas. Tentava me convencer: é só uma gripe, vou sarar logo. E os plantões continuavam. Até que não aguentei mais. Entreguei os pontos e adoeci de verdade. Passei um dia com o celular na mão ligando para todos os números disponíveis e parecia mais fácil falar com a rainha da Inglaterra, com todo o respeito que ela merece, do que com os atendentes dos telefones listados pelos governos. Até que consegui um “alô” do outro lado da linha. Contei minha estória, os sintomas e tudo que ouvi foi um “fique em casa, ligue novamente se sentir falta de ar”. Senti um misto de decepção, desânimo e desespero. Mas fazer o quê, além de recorrer ao Todo Poderoso Deus dos Céus e Senhor dos senhores.

A noite foi das piores. Cansaço, angustia e sem saber o que fazer. No dia seguinte fui informada que não adiantava buscar socorro no pronto atendimento, sem antes ser ouvida pelo serviço de encaminhamento, que após alguns procedimentos me mandaria para alguma unidade de saúde. Então teria que fazer a mesma via crucis do dia anterior. Isso para ser vista por um médico. A bem da verdade, eu já tinha a solicitação de um médico para o teste do coronavírus, mas não consegui fazê-lo, a não ser que eu fosse em busca de um atendimento particular, mas aí já era demais. Tudo indicava que eu tinha sido infectada no ambiente de trabalho, ou seja: dentro do hospital e ainda teria que pagar pelo exame? Pior de tudo é que eu não dispunha do recurso e por incrível que pareça, não fosse a solidariedade de alguns amigos não teria feito o teste, que deu a sentença: POSITIVO.

Mas Deus é realmente extraordinário e a aflição das primeiras horas foram substituídas pela esperança trazida por dezenas de pessoas que ligavam, enviavam mensagens e diziam: “estamos em oração por você”.

Veio o isolamento. Que sensação triste e dolorosa saber que ninguém pode ir vê-lo e você não pode sair para ver ninguém. Em casa só eu e o marido. Ele também apresentava sintomas, mas não conseguimos o teste. Tomamos as precauções recomendadas, mas permanecemos em convivência em casa. A doença estacionou e aos poucos foi regredindo, já não sentia mais o desconforto dos primeiros dias. O que doía mesmo era a solidão, apesar de sermos dois em casa. Às vezes ficava imaginando como se sentiam aquelas pessoas contaminadas pela lepra que a bíblia tão bem relata. Viver separado por opção é uma coisa, mas por obrigação é bem diferente.

Enquanto me recupero, não me canso de agradecer a Deus pela sua ação. Sei que muitos profissionais de saúde estão passando por uma situação muito difícil e alguns sem esperança, entre eles colegas de trabalho. Não sei se este vírus foi fabricado em laboratório, mas sei que quando Deus age o homem cai por terra. Ainda não estou cem por cento recuperada, mas creio que isso é uma questão de dias. Não vejo a hora de receber meus filhos e netos em casa, abraçá-los bem apertado e sussurrar em seus ouvidos um “eu te amo” bem pausado. De abraçar os meus amigos e agradecer olhando nos seus olhos. Aprendi muito com o Covid-19 e quero ser uma pessoa melhor, muito melhor mesmo. Quanto àquele paciente, nunca fiquei sabendo se ele estava mesmo infectado, mas tudo indica que sim. Espero que ele tenha se recuperado.                                                                                                                                                           

(Crônica baseada nos relatos de um paciente infectado pelo Coronavírus-19).

Fonte: Alice Thomaz - NewsRondônia

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias