Sabado, 28 de Março de 2020 - 11:10 (Coronavírus)

L
LIVRE

COVID-19 – SEGURANÇA PARA PROFISSIONAIS QUE TRABALHAM PRESENCIALMENTE NA FASE DE QUARENTENA

Entenda sobre os principais cuidados que os profissionais que trabalham na fase da quarentena precisam ter.


Imprimir página

A quarentena foi oficialmente decretada no estado de São Paulo para entrar em vigor nesta terça, 24, em todos os 645 municípios. O governador João Dória informou que as medidas valerão por quinze dias, até o dia 7 de abril.

Vale ressaltar que sete serviços essenciais continuarão a funcionar no período de quarentena, como: saúde pública e privada, abastecimento, transportes públicos, alimentação, segurança, limpeza, bancos e lotéricas.

Além disso, as atividades industriais também devem prosseguir por esses dias, com todos os cuidados pertinentes quanto à saúde e segurança dos funcionários, a fim de evitar o desabastecimento.

Ralph Chezzi, engenheiro civil e responsável pela Bump Comunicação Visual, que está em uma ação de sinalização de segurança em hospitais no estado de São Paulo, esclarece sobre a importância de garantir a segurança para profissionais que trabalham presencialmente:

“Algo que temos adotado na empresa e que deve ser adotado por todos os segmentos que continuam na quarentena, é a total disciplina com os procedimentos de prevenção, como sempre lavar as mãos, não levar as mãos ao rosto, usar sempre os óculos de segurança, evitar ao máximo usar o vestiário e o refeitório, evitar aglomerações de pessoas e contato físico, entre outros.”

Preocupações com a segurança para profissionais que trabalham presencialmente

Na maioria das empresas metalúrgicas no estado de São Paulo e demais estados, o trabalho continua, diante desse cenário, de alguns segmentos de negócio que ainda seguem as atividades, há cuidados imprescindíveis para garantir a saúde e o bem-estar em um caso de problema de saúde pública mundial.

O secretário municipal de Saúde de São Paulo, Edson Aparecido dos Santos, anunciou a criação de 2.000 novos leitos no estádio do Pacaembu e no Sambódromo do Anhembi, para controle da pandemia do novo coronavírus.

Diante de ações emergenciais para manter os equipamentos de saúde para atender a população e com os segmentos de trabalho que seguem as atividades para manter o funcionamento parcial das atividades imprescindíveis ao país como fornecimento de alimentos, medicamentos, serviços de higiene, atividades industriais, entre outras, é essencial a priorização da segurança para profissionais que trabalham presencialmente.

Chezzi, que à frente da Bump, tem liderado projetos com a finalidade de sinalizar hospitais no estado de São Paulo, explica sobre o que será reforçado na sinalização na área da saúde:

“Nesse cenário de pandemia de Covid-19, estão sendo reforçadas nos hospitais as sinalizações quanto à higiene para a prevenção da contaminação, sinalização orientando a importância da utilização de máscaras de proteção e roupas especiais (entre os agentes de saúde), murais de aviso, cartazes, adesivos personalizados e até mesmo totens de segurança são itens que são imprescindíveis na comunicação para a área da saúde.”

A segurança para profissionais que trabalham presencialmente envolve principalmente os cuidados quanto à higiene e quanto aos comportamentos como evitar cumprimentos e estar em aglomerações.

“Lavar constantemente as mãos e o uso do álcool em gel é só o começo dos cuidados que se deve ter. Nos hospitais, por exemplo, tanto os agentes de saúde quanto os prestadores de serviços no local, precisam ter atenção redobrada com a higiene e proteção como uso de máscaras e luvas”, alerta o especialista.

Outra medida de segurança que deve ser adotada em todos os segmentos de trabalho, principalmente no segmento da saúde é a sinalização para que seja mantida uma distância segura entre as pessoas de pelo menos 1 metro, para evitar o risco de contaminação, principalmente em casos da não utilização de máscaras.

“Realizadas as atividades, é fundamental que os profissionais fiquem em casa, principalmente no momento de folga, saindo o mínimo possível para realizar algumas atividades que sejam essenciais às suas necessidades. Esse é um momento em que mais do que nunca se percebe a importância das ações coletivas, da contribuição de todos para vencer esse problema mundial”, conclui.

Fonte: Daiana Barasa - Biquara Contents

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias