Sexta-Feira, 17 de Janeiro de 2020 - 14:45 (Geral)

L
LIVRE

CONSELHO E DIRETORIA DO SEBRAE BUSCAM PARCERIA COM TRIBUNAL DE JUSTIÇA

Proposta é construir um modelo para evitar a evasão escolar.


Imprimir página

Nesta quinta-feira (16) o presidente do Conselho Deliberativo Estadual (CDE) do Sebrae em Rondônia, Hélio Dias, junto com o diretor superintendente Daniel Pereira e o diretor administrativo e financeiro Carlos Berti Niemeyer, foram recebidos pelo presidente do Tribunal de Justiça desembargador Paulo Kiyoshi Mori em seu gabinete. Daniel Pereira apresentou ao presidente, ao desembargador Isaías Fonseca Moraes e ao magistrado Álvaro Kalix Ferro, juiz auxiliar da presidência, as cartilhas de Educação Empreendedora que o Sebrae vem utilizando para preparar os alunos do ensino fundamental nas escolas municipais. Daniel descreveu as atividades de empreendedorismo que o Sebrae tem desenvolvido junto às escolas do Ensino Fundamental e também do Ensino Médio da rede estadual com o projeto Jovens Empreendedores Primeiros Passos (JEPP)

Com a possibilidade de realizar uma parceria, o diretor do Sebrae trouxe a proposta de construir um modelo de educação empreendedora que desperte o interesse dos alunos em se tornarem empreendedores e com esse desejo aprenderem formas de gerar renda. Ao apresentar os objetivos do Sebrae no cenário da educação para o futuro, o diretor levou em conta que devemos refletir sobre a metodologia de ensino atualmente praticada e como sua didática tem sido recebida pelo corpo discente das escolas. “Se provocarmos o interesse dos alunos a fim de que se preparem para serem donos de seus próprios negócios precisamos, antes de tudo, habilitar os professores a levar Educação Empreendedora aos alunos. Nesses projetos, o Sebrae capacita professores para as disciplinas que levem os alunos a adquirir conhecimentos de gestão e das operações necessárias à administração de pequenos negócios. Essa é nossa expectativa para combater a evasão escolar”, argumentou.

Os projetos do Sebrae, que têm foco no incentivo aos futuros empreendedores, procuram compensar as causas que provocam o absenteísmo nas escolas. Na maioria dos casos, a evasão escolar é causada pela falta de interesse do aluno em relação à escola e devido a necessidade de trabalhar para contribuir no aumento da renda familiar. Quando as matérias de Educação Empreendedora são inseridas na grade curricular o interesse é estimulado pela meta em se tornar dono do próprio negócio, é claro que outras matérias poderão influenciar como Cooperativismo, Matemática Financeira, Vendas, Negociação etc. A motivação junto ao corpo docente anima os professores que participam das capacitações que o Sebrae oferece para que aconteça a capilarização das atividades dos projetos. Por esta razão não somente os alunos são preparados, mas os professores são habilitados e passam a atuar como multiplicadores das práticas adquiridas

O Sebrae não está trazendo uma solução definitiva para o absenteísmo escolar, porque não é essa a sua missão, entretanto cada caso de evasão escolar é específico e cabe ao gestor da instituição de ensino localizar o problema e dar o respectivo tratamento às suas causas. No sentido de orientação, os professores preparados para as disciplinas de empreendedorismo passam a ser mentores dos grupos de estudantes que passaram pelas experiências de negócios dos projetos de Educação Empreendedora, isso faz deles conselheiros desses grupos. Essa relação estabelece sólidos vínculos, que pelo grau de confiança adquirido entre líder e liderados confere segurança e influencia a vontade de gostar do ambiente escolar.

O presidente, desembargador Paulo Kiyoshi, explicou que as ações do Sebrae comungam com os mesmos objetivos e o Tribunal tem dedicado especial atenção ao tema, por esta razão convidou para participar da reunião o coordenador de um conjunto de atividades neste cenário, o desembargador Isaías, que descreveu seu projeto de criação de uma rede de proteção à criança e ao adolescente. Na ocasião ficou pré-agendada uma nova reunião, inclusive com outros órgãos para delinear uma sistemática efetiva de combate à evasão escolar, além de outras ações em prol da defesa dos direitos das crianças e adolescentes. Com os jovens na escola aumentam as expectativas de um futuro melhor para a sociedade, porque a ansiedade dá lugar à esperança, principalmente quando acreditam em seus gestores. O somatório das ações das instituições que têm foco no bem comum certamente trará resultantes com oportunidades pessoais e profissionais aos alunos.

Fonte: 020-Assessoria/Mário Antônio Veronese Varanda.

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias