Quinta-Feira, 12 de Fevereiro de 2015 - 11:54 (Colaboradores)

CASOS DE VERDADE Nº 163/15

A cotação do café na semana em que o produtor deveria vender seu produto caiu muito e por isso mesmo, preferiu estocar sua produção, esperando pela alta daquele pretinho, como dizia ele.


Imprimir página

Era um dia de semana de muito trabalho em um sítio distante daquela já famosa cidadezinha, uma vez que, o pessoal estava totalmente envolvido na colheita do café que por acaso, por aqui se produz grande quantidade do grão abençoado, como dizem aqueles produtores. 

Ao findar o término daquela colheita, seu proprietário combinou com os trabalhadores que iria vender o café na semana seguinte e só então, acertaria com cada um, suas diárias trabalhadas.

A cotação do café na semana em que o produtor deveria vender seu produto caiu muito e por isso mesmo, preferiu estocar sua produção, esperando pela alta daquele pretinho, como dizia ele.

Após duas semanas, sem alta e sem acerto com seus trabalhadores, quatro deles já muito chateados e aborrecidos,pediram ao proprietário daquele sítio que lhes pagassem suas diárias, dizendo eles e com razão, que suas diárias não tinham cotação diária e nem dependia desta. O produtor então se achando ofendido, começou a xingá-los e os expulsou de suas terras em tom de ameaças sob a mira de uma velha espingarda.

Após dois dias, como fazia sempre ao acordar, aquele produtor de café foi até seu galpão conferir seu estoque e pra sua surpresa encontrou um bilhete bem grande dizendo o seguinte: “Senhor Fulano, como nós temos família que também se alimenta como a sua, estamos apenas levando o que é nosso por direito e iremos vender na cotação do dia, uma vez que barriga vazia, não para em pé. Também se o senhor quiser ir nos denunciar na polícia, pode fazer, pois também nós iremos denunciá-lo por AMEAÇA e PORTE DE ARMA, e então iremos ver quem de nós estará com a razão. Um abraço e fique com Deus”. 

Depois disso, o agricultor refletiu e viu que eles tinham realmente razão e em seguida vendeu seu estoque com medo dos outros fazerem o mesmo. Este é mais um caso de verdade e qualquer semelhança é mera coincidência.

Fonte: Marival Furtado Vieira

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias