Quinta-Feira, 03 de Julho de 2014 - 17:31 (Colaboradores)

CASOS DE VERDADE Nº 157/14

Estando a procura de mais um caso, revirei minha inesquecível memória e encontrei este...


Imprimir página

Um cara que havia separado de sua esposa há seis meses, estava em busca de outra, pois segundo ele, era dependente totalmente de mulher, não somente pelo envolvimento amoroso, mas também pelas tarefas domésticas que mal conseguia lavar um copo.

E nesta busca pela sua amada, encontrou uma morena de cabelos pretos e longos, linda e maravilhosa, sorriso cativante e boa de papo, onde de imediato se apaixona por aquela ainda jovem, de aproximadamente vinte anos mais nova que ele.

A fim de impressionar a jovem, aquele cara deu uma de malandro e a convidou para juntos irem a uma loja de grife e ali chegando, mandou sua futura conquista comprar o que quisesse e esta não se fazendo de rogada começou olhando o que mais lhe interessava e depois de várias pesquisas naquela loja, pegou uma linda bolsa tiracolo de marca, e disse humildemente: Pronto fulano, achei essa bolsinha aqui e me dou por satisfeita, no momento não estou precisando de mais nada. Então o camarada, pensou consigo mesmo que aquilo que era mulher, pois se conformou apenas com uma bolsinha.

Ao passar no caixa, apresentou seu cartão de crédito, pensando que o valor daquela pequena bolsa seria em torno de 5% de seu salário, quando a conta foi lhe apresentada, como sendo o valor de 90% de seu salário mensal, este quase passou mal, porém, na frente daquela bela jovem, resistiu e com voz firme, disse: divide em três vezes, por favor. Mas, só Deus sabia o que estava passando em seu coração.

Há quase vinte anos, aquela jovem casou-se com o bendito e pelo que sei até hoje, ela paga aquela famosa bolsa. Este é mais um caso de verdade e qualquer semelhança é mera coincidência.

Fonte: Marival Furtado Vieira

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias