Quinta-Feira, 23 de Maio de 2019 - 18:29 (Saude)

L
LIVRE

CAMPANHA DE CONSCIENTIZAÇÃO ALERTA SOBRE OS RISCOS E TRATAMENTO DO GLAUCOMA EM RONDÔNIA

A lesão pode ser causada por um aumento da pressão ocular ou uma alteração do fluxo sanguíneo na cabeça do nervo óptico.


Imprimir página

A Secretaria Estadual de Saúde (Sesau) começa nesta quinta-feira (23) uma campanha de conscientização sobre o diagnóstico e tratamento do glaucoma, doença ocular caracterizada por alteração do nervo óptico que leva a um dano irreversível das fibras nervosas e, consequentemente, perda de campo visual. A lesão pode ser causada por um aumento da pressão ocular ou uma alteração do fluxo sanguíneo na cabeça do nervo óptico.

Para chamar a atenção da população, o governo de Rondônia vai iluminar de verde – cor que representa a luta contra a doença – toda a estrutura do Palácio Rio Madeira e a fachada do Teatro Belas Artes, em alusão ao Dia Nacional de Combate ao Glaucoma, comemorado em 26 de maio.

Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) apontam que são registrados 2,4 milhões de novos casos de glaucoma anualmente, o que totaliza 60 milhões de pessoas no mundo. No Brasil, de acordo com a Sociedade Brasileira de Glaucoma, a doença atinge 2% dos brasileiros acima dos 40 anos, resultando em cerca de um milhão de pessoas.

De acordo com o Núcleo de Oftalmologia de Rondônia, que funciona na Policlínica Oswaldo Cruz (POC), em Porto Velho, mais de 240 pacientes são atendidos por mês com sintomas que podem ser caracterizados pelo glaucoma.

Como parte do tratamento, o governo de Rondônia fornece aos pacientes colírios de primeira, segunda e terceira linha. Trata-se de medicamentos de alto custo, essenciais para o controle da doença. No total, segundo dados do Núcleo de Oftalmologia de Rondônia, o Estado investe cerca de R$ 1 milhão ao ano somente para tratar os casos de glaucoma. Richael Costa, coordenador do Núcleo de Oftalmologia de Rondônia, adianta que a Sesau já está licitando o lote de colírios para 2020, numa estratégia de gestão para que não haja paralisação do tratamento.

Segundo coordenador, quando os exames apontam para o glaucoma, a POC segue o protocolo da Associação Brasileira de Glaucoma. Com isso, o paciente passa para uma agenda aberta e o caso passa ser tratado como prioridade, o paciente será atendido por um médico especializado na área.

Richael explica que glaucoma é uma doença ocular caracterizada por alteração do nervo óptico que leva a um dano irreversível das fibras nervosas e, consequentemente, perda de campo visual. Essa lesão pode ser causada por um aumento da pressão ocular ou uma alteração do fluxo sanguíneo na cabeça do nervo óptico. Uma série de exames são realizados para fechar o diagnóstico, explica o coordenador.

PRINCIPAL CAUSA

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o glaucoma é considerado como a principal causa de cegueira irreversível no mundo, e isso ocorre por ser um quadro que não apresenta sintomas em grande parte dos casos. A doença pode estar presente e a pessoa não percebe causando uma piora do quadro e progressivamente uma lesão irreversível do nervo que, por sua vez, afeta o campo de visão.

Fonte: 015 - Secom - Governo de Rondônia

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias