Terça-Feira, 03 de Setembro de 2019 - 15:09 (MINHA HISTÓRIA)

L
LIVRE

BARBEIRO TRANSFORMA HOMEM QUE VIVE HA 20 ANOS NAS RUAS E PROCURA FAMILIA DE SP

O barbeiro Alexandre Brehmer, de 29 anos, mostrado em fevereiro quando transformou um morador


Imprimir página

O barbeiro Alexandre Brehmer, de 29 anos, mostrado em fevereiro quando transformou um morador em situação de rua que pediu uma gilete para arrumar emprego – agora deu uma transformação de presente de aniversário a um outro homem, que vive há 20 anos nas ruas e sonha em reencontrar a família.

Peterson vive na região metropolitana de Curitiba, no Paraná. Ele completou 40 anos nesta segunda, dia 2 e desde a semana passada está desfilando com o novo visual, todo feliz.

O homem contou ao barbeiro que tem 11 irmãos: 10 moram em Itú, no interior de São Paulo e um, Fabrício, mora em Araucária, no Paraná.

Ele disse que saiu de casa por volta do ano 2000, após brigas com seu Dirceu, o pai de sangue – já falecido – que não aceitava a profissão de Peterson. Ele trabalhava como garçom e chapeiro.

Arrependido pelo pai ter morrido sem que os dois pudessem se acertar, Peterson falou que se pudesse “voltaria no tempo para pedir perdão ao pai”.

Sonho - Na conversa com o barbeiro, Peterson revelou que sonha “em voltar para sua família, se estabilizar, trabalhar, ter uma vida normal e parar com as drogas, incluindo do álcool”.

Hoje ele se abriga na cancha do colégio Júlio Szymanski, em Araucária, no Paraná, perto da Bávaros Barbearia, onde Alexandre trabalha.

A transformação.Depois da conversa e do café com Alexandre Brehmer, Peterson pôde se olhar novamente no espelho e enxergar um homem que não via há muito tempo.

Todo arrumado, com a barba feita, cabelo cortado e topete pra cima, ele recuperou a autoestima que andava perdida.

Perguntamos ao barbeiro por que ele faz essas transformações e ele respondeu: “Ajudei porque curto mesmo. Me sinto bem, feliz, mais leve assim. Já precisei de ajuda e sei como é bem vinda qualquer ajuda. E saber que tem pessoas com quem possa contar. Acabo que me sinto na pele de quem está ali”, afirmou em entrevista .

“Sempre que aparece alguém assim, e se for dia de semana [com movimento menor], eu ajudo. E o Peterson fazia tempo já que queria ajudar”, concluiu Alexandre Brehmer.

Fonte: sonoticiaboa.com.br

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias