Quinta-Feira, 15 de Agosto de 2019 - 17:52 (Agricultura)

L
LIVRE

AÇÃO DIRIGIDA DA EMATER FACILITA REALIZAÇÃO DE EXAME DE MAMOGRAFIA A 32 PRODUTORAS RURAIS DE JI-PARANÁ

A recomendação da Organização Mundial de Saúde é que o rastreamento mamográfico deve ocorrer em mulheres com idades entre 40 a 69 anos.


Imprimir página

Aos 55 anos, Luiza Rosa da Silva foi realizar o exame de mamografia pela primeira vez, na quinta-feira (15), no Hospital do Amor de Ji-Paraná, motivada pela ação dirigida por extensionistas do escritório local da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), em Ji-Paraná.

A recomendação da Organização Mundial de Saúde é que o rastreamento mamográfico deve ocorrer em mulheres com idades entre 40 a 69 anos. A demora de Luiza Silva em cuidar preventivamente da saúde decorre do medo e dos custos elevados do exame.

“Eu sempre fugi desse exame, apesar de ser orientada e convidada pelas meninas da Emater anualmente. Desta vez refleti melhor sobre o assunto e fiz a mamografia, muito embora eu não sinta nada”, disse a produtora de frango abatido e moradora na linha Gazoli.

A ação da Emater é um serviço oferecido à população rural por meio de eventos como “Dia Especial de Saúde”. Nesses encontros entre técnicos do órgão e sitiantes são tratados vários temas, especialmente aos relacionados à prevenção de doenças. A partir do encontro são organizadas ações específicas de encaminhamento a exames e clínicos.

“Nosso foco tem o objetivo de alertar sobre a importância dos cuidados com a saúde, tanto em mulheres, quanto em homens e toda a família. Em média, encaminhamos anualmente 150 agricultoras ao exame de mamografia”, disse a extensionista Eliene Novais, que vem conduzindo pessoas a exame de prevenção ao câncer de mama desde 2015.

Eliene Novais informa que destes direcionamentos já foram identificados muitos casos de produtoras com nódulos nos seios e que estão em tratamento. Mirilene Antônia Calixto, de 47 anos, é uma dessas pessoas. “Eu fiz o exame do toque e senti um caroço no seio esquerdo. Felizmente é benigno e estou tratando. Com fé em Deus isso vai sumir”, disse a sitiante, agradecida pelos cuidados dos extensionistas com a saúde da população rural.

“É a segunda vez que faço o exame seguindo as orientações da Emater. É uma boa ação porque é tudo rápido e de graça”, declarou a produtora de leite Augusta América, de 42 anos, moradora na linha 207, alertando às mulheres “que é preciso fazer o exame e se prevenir”.

O exame de mamografia é realizado gratuitamente no Hospital do Amor de Ji-Paraná, que completou essa semana um ano de funcionamento e se mantém por meio de doações. A responsável pela realização os exames, enfermeira Mayrlla Silva, é receptiva à ação da Emater. “Eles (os extensionistas da Emater) são facilitadores, pois não temos o acesso aos moradores da zona rural. Isso nos ajuda a cadastrar as pessoas e acompanhar de perto a evolução do quadro clínico das pacientes”, disse a enfermeira.

O Hospital do Amor de Ji-Paraná é uma extensão do Hospital do Amor da Amazônia, localizado em Porto Velho. “Atendemos 1680 pessoas por mês tudo gratuitamente”, informa a enfermeira Mayrlla, acrescentando que além da mamografia é colhido material para biopsia e o encaminhamento ao tratamento.

Fonte: 010 - SECOM-GOV/RO

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias