Sexta-Feira, 01 de Março de 2019 - 18:32 (Artigos)

L
LIVRE

A REFORMA DA PREVIDÊNCIA COMO META DE GOVERNO - POR JULIO CARDOSO

Por outro lado, a reforma não pode mascarar a origem dos números reais que levaram ao suposto déficit, bem como a responsabilidade dos gestores políticos.


Imprimir página

Não se discute a necessidade de ajustes nas regras da Previdência Social. Mas a inexistência preliminar de laudo de auditoria externa atestando a situação deficitária da instituição é muito preocupante diante da sociedade, que deseja ver transparência nas contas previdenciárias.

Por outro lado, a reforma não pode mascarar a origem dos números reais que levaram ao suposto déficit, bem como a responsabilidade dos gestores políticos. Até agora a sociedade conhece apenas os números alarmantes apresentados pelo governo da situação previdenciária.

Por que os grandes devedores da Previdência Social, por exemplo, JBS, Itaú, Bradesco, Santander, BB, Caixa etc. não são compelidos a honrar os seus débitos, e os trabalhadores ativos, inativos e pensionistas é que serão penalizados?

Não é justo e razoável que se pretenda operar a reforma da Previdência, alicerçada apenas em dados numéricos fornecidos pelo governo, quando a sociedade desconhece resultado de auditoria que comprove a real situação da instituição.

Por que os militares ficaram fora da PEC da Previdência entregue ao Congresso? Segundo o secretário Especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, as  regras para a aposentadoria de integrantes das Forças Armadas não constam na Constituição. Mas pelo que reza o Art. 42, parágrafo 10 da CF, a aposentadoria dos militares e pensionistas  também é regida pela Constituição Federal.

As demais,  categorias civis e militares devem ser tratadas no mesmo nível de direitos e obrigações constitucionais, sem exclusão de uma ou de outra categoria. Portanto, nada justifica lamentáveis manobras para que as previdências sociais dos civis e militares não sejam revisadas no mesmo pacote pelo Congresso Nacional.

Assim, a açodada reforma da Previdência, como meta de governo,  não pode atropelar  o debate prévio com a sociedade nem esconder a origem da dívida e os seus responsáveis -  para que no futuro próximo não se venha a propor outra reforma.

Júlio César Cardoso

Servidor federal aposentado

Balneário Camboriú-SC

Fonte: 010 - Julio Cardoso

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias