Terça-Feira, 04 de Julho de 2017 - 10:43 (Colaboradores)

L
LIVRE

A ESCOLA QUE TEMOS E A ESCOLA QUE QUEREMOS

Diante desse quadro, levantei a seguinte questão: a Escola forma gente para o passado ou para o futuro? Para responder nossa questão, se faz necessário lembrar que estamos vivendo numa era digital.


Imprimir página

Clicando no Google você vai achar uma enorme quantidade de postagens com essa mesma tematização em tela. Não vamos nos deter a números de referências que encontrei a respeito do assunto em questão. O que nos interessa são questões comparativas em relação a escola do “passado”, do “presente” e do “futuro”.

Procuro, mas não consigo enxergar um horizonte com luz para as escolas brasileiras, profissionais da educação, família e alunos/as. Os avanços na educação não são reflexos de um projeto de nação, mas apenas de governos.

Os poucos avanços conquistados na educação são frutos de experiências isoladas e ainda convive com modelos arcaicos de escolarização. Nesse caso, prevalece o modelo tradicional de ensino-aprendizagem, a desvalorização profissional e a família “achando” que as escolas além de escolarizar seus filhos também precisam educá-las.

Dessa forma, tudo é quase possível no mundo digital mediante a rapidez, mobilidade, avanços técnico-científicos, pessoas em movimento e o enorme fluxo de informação. Reacendendo a ideologia de progresso e desenvolvimento como mola propulsora do mundo globalizado.

Os seres humanos não se reúnem para conversar, mas para clickar. Nesse caso, a base cultural das gerações futuras é forjada por dígitos, senhas, clicks, aplicativos, sites de relacionamentos e tantas outras ferramentas encontradas nas redes sociais. Esse mundo virtual passa a ser o ponto de encontro entre as pessoas, porém, o que se discute nessas redes? Que lições posso aprender? O que acrescenta ao meu intelecto? Até a onde a tecnologia pode me levar? Qual é o papel da Escola diante de tantas informações e tecnologia? Como lidar com o celular em sala de aula? Até quando o celular será proibido em sala de aula?

Portanto, o modelo arcaico de escola e escolarização não convém na era digital. Não podemos ter dois pólos paralelos na forma de fazer educação no Brasil, ou seja, a escola dita tradicional numa profunda crise, com uso de tecnologias ultrapassadas e absoletas, criando espaços como laboratórios de informática que podem ser vistos como objetos alheios ao processo de ensino-aprendizagem bem como profissionais do ensino preso a lousa e trabalhando conteúdos sem associar a realidade e o cotidiano do/a aluno/a.

Quem faz educação precisa entender que o avanço proporcionado pela tecnologia requer um novo modelo de seres humanos. Desse modo, o profissional do ensino e o meio escolar precisam passar por pesados investimentos em estrutura física, valorização profissional e inovações tecnológicas.

Todavia, as escolas no mundo global em meio às florestas de concreto, guerras, ódio e violência, devem ser encaradas como um fato estabelecido, não mais como uma verdade pendurada. Assim, a Escola deve despertar uma consciência crítica do/a aluno/a para o bem da sua própria identidade cultural, da forma como se apropriamos da natureza, as relações estabelecidas no convívio social e como devemos nos conectar ao mundo global. Precisamos acabar com o princípio cartesiano de ensinar e deixar de lado o desprezo a construção do conhecimento.

Fonte: Hebert Lins

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias