Segunda-Feira, 15 de Abril de 2019 - 09:12 (Colaboradores)

L
LIVRE

A CONSPIRAÇÃO - POR CARLOS SPERANÇA

O vice busca criar um clima de terror no funcionalismo e na classe política afirmando que o estado esta inviável, no entanto se ele assumisse a coisa mudaria de figura?


Imprimir página

O ministro mais cobrado

Para os povos amazônicos, a vinda à região do ministro da Justiça, Sergio Moro, é tão importante quanto à dos ministros da área econômica, sobretudo depois da decepção da bancada amazonense revelada no improdutivo contato com o presidente Jair Bolsonaro.

Ficou claro que há vários ministérios com problemas, seja por embaraços pessoais ou bate-cabeças e conflitos entre as alas militar, olavista e religiosa. Entende-se, assim, porque a assessoria do presidente não consegue deixá-lo bem inteirado das demandas das regiões que visita. Claro também que há ministros de alta capacidade, goste-se ou não deles e de suas medidas. Ninguém nega as qualidades técnicas dos ministros da Economia e da Infraestrutura, e não há nome de maior respaldo que o ex-juiz Sergio Moro, celebrizado na Operação Lava Jato.

Contra si, entretanto, Moro tem um mar de cobranças. Todos, do presidente aos cidadãos do mais remoto grotão, esperam soluções rápidas e eficazes para problemas complexos construídos secularmente: a violência causada pela desigualdade, à insegurança que acompanha as crises, o explosivo sistema prisional, o avanço do crime organizado e as milícias que agem ilegalmente a pretexto de suprir as deficiências do aparelho estatal.


A conspiração

Ainda tinha dúvidas de que o vice governador Jodan conspirava contra o titular Marcos Rocha, mas nos bastidores é o que se comenta.

O vice busca criar um clima de terror no funcionalismo e na classe política afirmando que o estado esta inviável, no entanto se ele assumisse a coisa mudaria de figura? Jodan é destrutivo como um rinoceronte numa loja de cristais.

Asas quebradas

O ex-governador Daniel Pereira estava procurando uma sigla política para chamar de sua e disputar a prefeitura de P. Velho em 2010, quando lhe armaram uma arapuca das boas e com suas asas acertadas em pleno vôo. Sobre sua “prisão”, fala-se que foi missa encomendada – estou convencido disto também – e não só trapalhada da Polícia Civil. Ordens superiores?

Mais prejudicados

A população ribeirinha das localidades interioranas dos municípios de Porto Velho a Guajará Mirim, e os municípios do Vale do Jamari, principamente as regiões de Machadinho do Oeste e Burits foram os lugarejos mais prejudicados neste inverno amazônico. Graves prejuizos provocados pelo isolamento e com a queda na produção agricola.

Arapongagem

Gravações com modernas aparelhagens via satélite estariam flagrando ligações de políticos, empresários e propineiros em geral aqui na capital. Por conta disto, alguns pedidos de impeachments foram água abaixo contra mandatarios municipais e estaduais e os “negócios” – de agulha avião – retraídos. E a vinda de Moro deixou tudo mundo com as orelhas em pé: os coruptos deram um tempo…  

Os confrontos

Com mais de um terço dos seus 350 mil eleitores dentro de um segmento jovem na capital, as lideranças locais como Leo Moraes (Podemos), Mariana Carvalho (PSDB) e Vinicius Miguel (Novo) tem tudo para seguir em frente nas próximas jornadas levando vantagem nos confrontos com nomes mais cascudos que começaram a entrar em declinio. Em 2020 isto será bem visivel.

Via Direta

*** No encerramento da Marcha dos Municípios em Brasilia, os alcaides rondonienses contabilizaram acordos vantajosos com o Palácio do Planalto *** Muitas promessas, no entanto, dependem da reforma da previdência ainda não aprovada no Congresso Nacional *** No Senado, Confúcio Moura relatou a triste situação da população ribeirinha em Rondônia *** Passam os anos, e os ribeirinhos continuam relegados e padecendo, principalmente com a saúde pública.

Fonte: Carlos Sperança - News Rondônia

Noticias relacionadas

Comentários

Veja também

Outras notícias + mais notícias