LENHA NA FOGUEIRA: ADEUS ABELARDO TOWNES DE CASTRO

Quando o Abelardo Castro era secretário da Secet realizou o 1° Seminário Estadual de Cultura do Estado de Rondônia.
Sexta-Feira, 24 de Fevereiro de 2017 - 09:23

Quando o Abelardo Castro era secretário da Secet realizou o 1° Seminário Estadual de Cultura do Estado de Rondônia. O encontro aconteceu no município de Rolim de Moura. A época, eu fazia parte de um grupo de Chorinho que tinha o João no Bandolim e o Haroldo Dori no violão de Sete é claro que eu fazia a percussão.

Fomos contratados para animar os intervalos das palestras. Acontece que os representantes dos demais municípios achavam que a gente estava representando Porto Velho e não merecíamos tanta mordomia pois, eles estavam alojados na quadra de esportes de um colégio e nós estávamos no melhor hotel da cidade.

Foi formada uma comissão que solicitou explicações do secretário Abelardo sob o porque de os representantes de Porto Velho, estarem num hotel e os demais num alojamento dormindo em colchonetes etc.

Abelardo explicou que não estávamos representando o município de Porto Velho. Na realidade o representante de Porto Velho nomeado pelo então prefeito Chiquilito Erse, era o Jorge do Areal (que chegou a ser Rei Momo). Abelardo fez um discurso daqueles que só ele sabia fazer e convenceu os representantes dos demais municípios que merecíamos estar hospedados em hotel. “Hoje vamos todos almoçar juntos e nossos colegas músicos vão tocar para a gente”. Os aplausos ecoaram pelo ambiante e todo mundo ficou feliz.

Sempre que nos encontrávamos, ele lembrava de algum lance que passamos juntos em ossas vidas boêmias. A família do Abelardo foi arredantária do Porto Velho Hotel e Agente representante da Paraense Cia Aérea.

Na minha opinião quem acabou com a carreira politica do Besó foi seu Guru Jerônimo Santana. Acontece que Abelardo e o Paulo Struthos tinham sido eleitos com o maior número de votos entre os vereadores e é claro, que a próxima cartada, seria sair o Abelardo para deputado federal e o Paulo para estadual ou vice-versa. Jerônimo com medo de perder a liderança para aqueles meninos, sendo o cacique maior do MDB, convenceu os dois a saírem a Deputado Federal, dividindo votos. Nenhum nem outro consegui se eleger, nem para federal naquela eleição e nem para nenhum cargo, nem mesmo para vereador. Foi o grande golpe aplicado por Jerônimo Santana o Bengala, contra as novas lideranças do PMDB que estavam surgindo e assim, ele reinou até chegar os Raupps.

Como a vida tem que continuar. Hoje quem se apresenta no carnaval de rua de Porto Velho é o bloco Us Dy Phora do Bosco e família Siqueira. A turma vai se reunir a partir das 17 horas na rua 13 de Setembro e vai brincar carnaval em vários ritmos até as cinco horas da madrugada de sábado. Serão 10 horas de folia.

É por isso que Us Dy Phora é o bloco que mais vende abadá. O desfile mesmo começa a meia-noite e vai até as cinco da madrugada. Vamos nessa que a festa vai ser boa;

Por falar nisso, mais uma vez tem gente querendo faturar em cima da Banda do V ai Quem Quer. Vi nas redes sociais que estão vendendo camarote para assistir a Banda passar em algum ponto da Carlos Gomes. O valor se não estou enganado é R$ 100.

O problema, é que com certeza, os responsáveis pelo camarote que estão dizendo da Banda do Vai Quem Quer, não pertencem a diretoria do bloco comandado pela Siça Andrade também não cumpriram com um bocado de exigências que envolve a segurança de quem estiver brincando carnaval no tal camarote.

Lembram do caso da MIMOSA, pois é. Muito cuidado com essas promoções. Não caiam na lábia de aventureiros querendo faturar em cima do nome da Banda do Vai Quem Quer. A Siça Andrade nos informou que a Banda não tem nada a ver com a comercialização desse camarote. “É tudo picaretagem”. Será?

Adeus a Abelardo Townes de Castro – Besó

Rondônia perdeu no dia de ontem 23, um de seus filhos mais carismáticos, seja como estudante, professor, político ou administrador público, Abelardo Towner de Castro Filho também conhecido como Abelardinho e para os mais íntimos como Besó.

O João Paulo das Virgens postou muito bem, no grupo “saudosismo portovelhense”: Abelardo o paraense naturalizado portovelhense. Realmente Abelardo apenas nasceu no estado do Pará sua infância, adolescência e toda vida foi em Porto Velho.

Na juventude Abelardo foi presidente da União Rondoniense dos Estudante – URES onde se destacou como ótimo orador. Quando veio a Revolução de 1964 destacou-se como opositor ao regime militar e ajudou a criar o MDB. Ferrenho defensor do líder maior Jerônimo Santana foi o criador juntamente com seu cunhado Negão (Lucini Pinheiro Filho) do refrão que firmou o codinome “Bengala”. “Bangala neles Jerônimo, Bengala neles...”. Se elegeu vereador por duas vezes em 1972 e em 1976. Na Câmara segundo registra Das Virgens foi defensor dos colonos, seringueiros, ribeirinhos e garimpeiros.

Abelardo tentou por duas vezes se eleger deputado federal quando o Território de Rondônia tinha direito a apenas duas vagas na Câmara dos Deputados em Brasília. Quando Rondônia passou a estado se candidatou a deputado estadual não logrando êxito, porém quando o PMDB assumiu o governo estadual em meados da década de 1980, foi secretário de Cultura desenvolvendo ótimos projetos em prol dos movimentos culturais de Rondônia

Abelardo Castro era um homem sem medos e enfrentava a todos e tudo. Foi um destemido pioneiro que hoje brilha no Céu de Rondônia.

Abelardo Castro por tudo que fez por Rondônia merece todas as considerações e honras. Descansa em Paz!

Fonte - 010 - Silvio Santos

Comentários

Siga-nos:

POLITICA DE PRIVACIDADE

Todos os direitos reservados. © News Rondonia - 2021.