SINDICATO REPUDIA ATITUDE DO INSS QUE EXIGE REVISÃO DE PERÍCIAS MÉDICAS QUE FAVORECE OS BANCOS E ATACA OS DIREITOS DOS TRABALHADORES

Transformar auxílio-acidente de trabalho (B-91) para auxílio-doença (B-31) e, com isso, favorecer os bancos e atacar diretamente os direitos dos trabalhadores. É esse que tem sido o atual propósito do INSS em Rondônia
Segunda-Feira, 06 de Fevereiro de 2017 - 15:03

Transformar auxílio-acidente de trabalho (B-91) para auxílio-doença (B-31) e, com isso, favorecer os bancos e atacar diretamente os direitos dos trabalhadores. É esse que tem sido o atual propósito do INSS em Rondônia, que vem sendo 'pressionado' pelas instituições financeiras a exigir dos bancários que já tiveram o diagnóstico de acidente de trabalho - concedido pelo próprio INSS - para refazer as perícias médicas e, com isso, dar um novo diagnóstico, agora de auxílio-doença, o que retira dos trabalhadores a estabilidade no emprego de 12 meses, garantida em lei.

Desta forma, um funcionário que teve o diagnóstico B-31, - que é uma mera doença do trabalho - pode facilmente ser demitido logo que retorna de seu afastamento para tratamento de saúde. E é exatamente isso o que os bancos desejam, principalmente os bancos privados, como o Santander e Itaú, que em Rondônia tem implantado um clima de terror e medo com inúmeras demissões injustificadas, principalmente com  aqueles que dedicaram décadas de sua vida ao banco.

"É só mais uma prova de que o INSS, que é um órgão que faz parte deste governo ilegítimo, também é refém do setor financeiro. Os bancos, que patrocinaram este golpe no país, agora mandam e desmandam nos órgãos do governo Federal e, através do INSS, estão se aproveitando para angariar suas vantagens e atacar os trabalhadores, numa perseguição implacável ao ser humano, verdadeiro responsável pelos sucessivos lucros destas mesmas instituições financeiras", avaliam os diretores do Sindicato dos Bancários e Trabalhadores do Ramo Financeiro de Rondônia (SEEB-RO).

NÃO É DE AGORA

Há quase um ano, em reunião ocorrida no dia 25 de fevereiro de 2016, na Gerência Regional do INSS em Rondônia, em Porto Velho, o SEEB-RO cobrou coerência do órgão previdenciário no momento da realização das perícias médicas dos bancários.

Os diretores sindicais retrataram aos representantes do INSS que nos últimos 18 meses (até aquela data) os trabalhadores acometidos de doença ocupacional, que já tinham o reconhecimento de auxílio-acidente de trabalho (B-91) por parte do próprio INSS, ao passar pela perícia novamente, o INSS voltava atrás e dizia que o caso era auxílio-doença (B-31).

O INSS disse que se reuniria com os peritos médicos para orientá-los a redobrar a atenção no momento das avaliações de seus segurados, especialmente os bancários, que compõem uma das categorias de trabalhadores que mais é afetada por acidentes de trabalho e doenças ocupacionais como LER/DORT e doenças psíquicas.

"Não é o que aconteceu, ao que tudo indica", reclamam os dirigentes sindicais.

Fonte - 010 - Rondineli Gonzalez

Comentários

Siga-nos:

POLITICA DE PRIVACIDADE

Todos os direitos reservados. © News Rondonia - 2021.