AUDIÊNCIA PÚBLICA DEBATEU A DUPLICAÇÃO DA BR-364 DO TRECHO DE COMODORO (MT) A PORTO VELHO (RO)

O trecho a ser reparado irá beneficiar 15 municípios de Rondônia e um do Mato Grosso. Mais de 15 empresas se interessaram para participar da obra, mas a Construtora Sanches Tripoloni é a que assumiu os estudos da obra.
Quinta-Feira, 14 de Julho de 2016 - 09:56

Na manhã desta quarta-feira (13), a Comissão de Serviços e Infra-Estrutura esteve discutindo os principais pontos para iniciar a obra de duplicação da BR-364, que se tudo ocorreu bem a obra iniciará no final de 2017.  O trecho para duplicação da Rodovia Federal será realizado entre os trechos da cidade de Comodoro (MT) a Porto Velho (RO).

Estiveram presentes para o debate os Senadores Ivo Cassol, Acir Gurgacs,  Valdir Raupp e  representantes dos estudos realizados Luiz Antonio, Diretor da Associação brasileira de Concessionárias de Rodovias, Diógenes Alves, Gerente de pesquisas e desenvolvimento logístico da empresa de planejamento e Logística, Estefani Luiz George, ANTT-Agencia Nacional de Transportes Terrestre, e Luciano de Souza, Secretário de Gestão do Programas de Transportes – SEGES/MT.

O trecho a ser reparado irá beneficiar 15 municípios de Rondônia e um do Mato Grosso. Mais de 15 empresas se interessaram para participar da obra, mas a Construtora Sanches Tripoloni é a que assumiu os estudos da obra.

O secretário Luciano Souza comentou sobre as estruturas dos estudos e disse que a construtora fará todo levantamento do tráfego, trechos de recuperação, manutenção, conservação e o programa de investimento.  O chefe da pasta de Gestão dos programas de Transportes também enfatizou que o trabalho de licenciamento ambiental será bem complexo devido à região de alagamento da Usina de Samuel e terras indígenas de Rondônia.  O trecho de Comodoro no Mato Grosso a Porto Velho em Rondônia tem 839,4 km. Segundo Luciano Souza a obra de duplicação não será realizada em todo o percurso, pois o custo do projeto sairia muito alto, então a empresa finalizará os estudos para duplicar a BR-364 em seus pontos de maior relevância.

Debate

Após apresentação do projeto o assunto foi aberto para um debate onde até os internautas estiveram espaço para discutir a obra de duplicação.

O Senador Acidr Gurgacz foi o primeiro inscritos e disse que se houvesse uma obra de concessão na duplicação seria muito viável, pois já se foi gastado em obras da BR-364 aproximadamente um bilhão de reais – se essas obras fossem feitas através de ma concessão esse dinheiro não haveria sido gastos – mas Acir também criticou o projeto, pois o que foi apresentado foram apenas 22 quilômetros de duplicação de 839. O parlamentar afirmou que nos trechos de Pimenta Bueno a Ariquemes, existe um trânsito mais pesado devido à produção agrícola e agropecuária dos Estados de Rondônia e Mato Grosso.  Além do trânsito urbano de Pimenta Bueno, Cacocal, Presidente Médici, Ji-Paraná, Ouro Preto, Jaru e Ariquemes.

Senador Valdir Raupp

Raupp disse que seu sobrinho fez uma viagem experimental de Porto Velho a Brasilia. Segundo Raupa seu sobrinho afirmou que o pior trecho da rodovia é o de Rondônia, precisamente entre Pimenta Bueno a Vilhena.  Valdir Raupp disse que esse trecho não recebe uma reforma há muitos anos.  Ao encerrar sua participação o Senador Raupp disse que é triste vê um trecho tão importante esquecido e ressaltou que o tempo para o início dessa obra é de suma importância, pois na maioria dos trechos na existe recuperação da rodovia, apenas tapa buracos.

– Se for pra alguma empresa pegar esse serviço e não terminar a obra ou apenas fazer tapa buraco, é melhor que nem pegue, deixa que o DNIT faz o  trabalho, pois não haverá nenhuma vantagem para nós de Rondônia.

Senador Ivo Cassol

O parlamentar disse que tem uma preocupação e foi mais informal ao tecer críticas a obra de duplicação. Ivo Cassol afirmou que a BR-364 é uma das rodovias que mais têm custo no Brasil, por isso os estudos devem ser revisados. Sobre privatização da obra Ivo Cassol é contra e descordou do nobre colega Acir Gurgacz porque para Ivo o Governo não é incapaz de fazer obra. A equipe de estudos que será contratada ressaltaram que iriam economizar 15 milhões nas obras.

– Não estou preocupado com isso, estou preocupado com os trechos,  pois com chuvas e grande movimento no tráfego vai destruir a estrada rapidamente.

Ivo Cassol disse que esse desconto e a obra era conversa para boi dormir, pois não necessitam que privatize o serviço,até porque mesmo privatizado quem vai pagar é o povo e para o Senador a obra deve ser do Governo Federal.

–Toda vez é uma novela para se fazer alguma obra pra nós.

Em relação a questão ambiental é outro problema que o Senador criticou. Ivo Cassol relatou o caso da BR-319 que nunca sai do lugar, para o parlamentar deveriam acontecer mais punições para essas empresas que assumem as obras e nunca concluem e em Rondônia isso já é normal. A BR-364 atende Rondônia, transpacífico com Peru, Acre e Amazonas.

– No meu entendimento é uma rodovia de interesse nacional, se privatizar quem vai pagar essa conta é o povo do meu Estado.

O parlamentar Ivo Casssol ressaltou que os brasileiros e especialmente o povo de Rondônia estão vivendo na crise e que irá ser contra todo e qualquer aumento do governo, pois já conheceu tres presidente da república e até agora nenhum fez algo sobre a BR-364. Ao encerar Ivo Cassol disse que a estrutura é do governo e ele deve assumir todas as obras, pois tapa buraco o DNIT já faz.

Antes de encerrar o presidente da comissão o Senador Garibaldi Alves leu dois questionamentos enviados por Maria de Fátima pelo Portal e-Cidadania Maria de Fátima perguntou o quanto se arrecada de pedágio e multa no Brasil e para onde vai esse dinheiro?

Luiz Antonio, Diretor da Associação brasileira de Concessionárias de Rodovias, disse que poderia responder apenas pelo número de arrecadação, que chega ao número de oito bilhões por ano.

Fonte - mappingrondonia

Comentários

Siga-nos:

POLITICA DE PRIVACIDADE

Todos os direitos reservados. © News Rondonia - 2021.