LENHA NA FOGUEIRA: BAR E RESTAURANTE DO BRAGA

Naquele tempo existia o Bar e Restaurante do Braga que ficava ali pelo quilômetro 14 de BR 364, sentido Porto Velho Candeias. Era um local agradável onde algumas mesas eram colocadas embaixo de árvores frondosas, numa sombra fantástica.
Sexta-Feira, 08 de Julho de 2016 - 16:01

Hoje a escola de samba Asfaltão realiza o seu 6° Baile Brega. Desta feita o evento vai reunir a turma que gosta de música boa e dançante no clube Flamengo.


O que é ser brega? O termo Brega apesar de algumas divergências e de não se encontrar nenhum registro que comprove, surgiu em Porto Velho capital do estado de Rondônia em meados da década de 1960. Segundo o cantor Wando em entrevista concedida ao programa Sem Censura da TV Educativa/Cultura/Brasil que até hoje é apresentada pela jornalista Leda Nagle.


Wando disse que o termo Música Brega surgiu em Porto Velho. Juro de pés juntos que assisti essa entrevista. Então lembrei de como foi que o “Brega” ganhou o Brasil.


Naquele tempo existia o Bar e Restaurante do Braga que ficava ali pelo quilômetro 14 de BR 364, sentido Porto Velho Candeias. Era um local agradável onde algumas mesas eram colocadas embaixo de árvores frondosas, numa sombra fantástica.


Nossa turma, '‘corriola quarenta” que contava entre outros com esse que escreve essas linhas mais o Manelão, Petrônio, Emilzinho, Carlos Binho, Inácio Castro, Narciso Freire, o Braga do Incra e o Leôncio Rodrigues, praticamente todo sábado ia almoçar e beber no restaurante do Braga.


Após algumas biritas o Leôncio Rodrigues que era funcionário do cartório do Durval Gadelha e depois do Capitão Nascimento, isso acontecia todos os sábados, começava a imitar “viado” naquele tempo não se falava Gay era viado ou fresco e passava a chamar o Braga de seu “BREGA”.


Seu BREGA bota aquela música do Valdick pra tocar”, ou então era a música do Altemar, Nélson Gonçalves, Ângela Maria ou Agnaldo Timóteo. O Braga ficava com raiva com o gesto que o Leôncio fazia imitando “viado” e esculhambava e não colocava a música solicitada. “Pede como homem” dizia. Depois o escalado para aborrecer o Braga era eu que repetia as “palhaças” do Leôncio: Seu BREGA coloca a música de tal cantor. E também era esculhambado. Isso durava a tarde toda e os fregueses em sua maioria caminheiros que faziam ponto no Restaurante do Braga, se divertiam quando a gente começava a aperrear o Braga.


Então os caminhoneiros passaram a divulgar por esse Brasil afora, que em Porto Velho, o melhor local para se pousar, comer uma comida gostosa (a especialidade de Braga era galinha caipira) e ouvir uma boa música era no restaurante do BREGA.


Diziam os motoristas: “Em Porto Velho vamos nos encontrar no Brega”. E assim o negócio foi pegando. “A música do Brega é boa”. No Brega só toca música boa e então o termo pegou.


Vale salientar que os cantores que citamos acima, faziam o maior sucesso à época.


Com o advento do garimpo de ouro do Rio Madeira música brega passou a ser aquela cantada por cantores como Bartô Galeno, Abilio Farias, Evaldo Braga considerado o Rei do Brega e finalmente mais que assumido o Reginaldo Rossi. Veja que algumas músicas do Reginaldo eram consideradas Jovem Guarda.


O termo brega também passou a ser utilizado para pessoas que vestiam ou vestem roupas coloridas ou fora dos padrões. Na época essas pessoas eram chamadas de cafona e depois passaram a fazer parte da classe Brega.


Hoje pelo sexto ano consecutivo, a escola de samba Asfaltão realiza o seu Baile Brega e junta a música com o estilo de se produzir. Vamos ver no Flamengo muita gente vestida no estilo Falcão (cantor humorista).


Será que é brega dançar de rosto colado ao som de um bolero: Beija-me, beija-me muito, como se fosse essa noite a última vez…


Vamos dançar agarradinho no Baile Brega do Asfaltão meu amor!

Fonte - Zé Katraca

Comentários

Siga-nos:

POLITICA DE PRIVACIDADE

Todos os direitos reservados. © News Rondonia - 2021.