'DUELO DA FRONTEIRA' E 'FLOR DO MARACUJÁ' SÃO INCLUÍDOS NO CALENDÁRIO DE TURISMO E OFICIAL DE RONDÔNIA

Por conta disso, a Lei 3.836/2016 inclui no Calendário Turístico do Estado o - Festival Folclórico de Guajará-Mirim. Segundo o decreto, o evento será realizado sempre no segundo final de semana do mês de agosto como vem sendo realizado há 21 anos.
Segunda-Feira, 04 de Julho de 2016 - 21:05

O “Duelo da Fronteira” e o “Arraial Flor do Maracujá” passam a integrar o calendário oficial de cultural e turismo de Rondônia. Os decretos foram publicados no Diário Oficial do Estado (DOE) n°116 e assinados pelo chefe do executivo, Confúcio Moura (PMDB). As medidas foram comemoradas pelo superintendente estadual de Turismo, Júlio Olivar.

Iniciado em agosto de 1995, o “Duelo da Fronteira” é bem parecido com o Festival de Parintins, do Amazonas, onde os bois - Caprichoso e Garantido – são eternos desafetos e apostam por meio de danças e apresentações religiosas suas convicções de existência. Já no Festival de Guajará-Mirim, os bois recebem outros nomes o “Flor do Campo” (Nas cores vermelha e branca) e “Malhadinho” (Nas cores azul e branca), eles também duelam entre si.

O Duelo há muito transcendeu a simples disputa estética entre duas nações de bumbás. Para população local de caboclos e beradeiros, o festival é a afirmação e a perpetuação da história e das lendas da população que vive entre rios e florestas do nosso estado. 

Por conta disso, a Lei 3.836/2016 inclui no Calendário Turístico do Estado o - Festival Folclórico de Guajará-Mirim. Segundo o decreto, o evento será realizado sempre no segundo final de semana do mês de agosto como vem sendo realizado há 21 anos.

“O certame cultural é hoje uma das maiores e mais frondosas festas folclóricas da Região Norte, realizada há mais de duas décadas na aprazível Guajará-Mirim, que durante os três dias de festa se divide e coloca em lados opostos a população local vestida nas cores branca e azul, ou branca e vermelha”, comentou Olivar. 

Para o superintendente, “O Duelo da Fronteira é uma das maiores manifestações do estado, esteticamente muito forte, enraizado em culturas indígenas e caboclas”. Na visão de Olivar, o Duelo só não cresceu mais até hoje porque os próprios organizadores se perderam em questões administrativas.   

“Eles sempre precisaram do apoio do governo. E nós sempre estivemos lá. Porém, precisamos valorizar ainda mais esse evento por passar a melhorar sua gestão. Já demos a ordem de serviço para a construção de dois centros culturais destinados aos grupos, as arquibancadas vão ser ampliadas para acomodar melhor o público, o visitante e entre outras ações”, disse Olivar que enfatizou ainda a necessidade de divulgar adequadamente este produto turístico.

Flor do Maracujá  

O “Arraial Flor do Maracujá” também foi instituído no calendário oficial do Estado por meio do Decreto de Lei 3.838/2016, assinada por Confúcio Moura. Diz o documento que no mês de junho, serão realizadas as comemorações culturais do mais famoso arraial da região norte. Nessa data ocorrerão apresentações de quadrilhas e boi-bumbá, danças bem características do arraial rondoniense.

No contexto histórico, o arraial tem seu nome emprestado de um antigo grupo de quadrilha do bairro do Triângulo, que assim se autodenominava, visto as mulheres suas integrantes, ornamentarem seus cabelos com uma flor de maracujá.

Nos eventos do Arraial é possível observar a presença das expressões comunicativas através das figuras e símbolos folclóricos durante os dias das apresentações, sendo que alguns destes símbolos são bastante comuns em outras regiões do país. 

Fonte - NewsRondônia

Comentários

Siga-nos:

POLITICA DE PRIVACIDADE

Todos os direitos reservados. © News Rondonia - 2021.