BANCO DE OLHOS DE RONDÔNIA INICIA AVALIAÇÃO DE CÓRNEAS EM PORTO VELHO

Até o último dia 12, córneas doadas no estado seguiam diretamente para o Banco de Olhos do Distrito Federal.
Terça-Feira, 31 de Maio de 2016 - 14:41

Desde o início de maio, a Portaria nº 502, do Ministério da Saúde, autoriza o Banco de Tecido Ocular Humano de Rondônia (Banco de Olhos) a avaliar e processar doações de córneas, em Porto Velho.

A diretora-adjunta do Hospital de Base Ary Pinheiro, Joelma Nascimento, considera essa medida um grande marco na história do transplante no Estado de Rondônia.

Até o último dia 12, córneas doadas no estado seguiam diretamente para o Banco de Olhos do Distrito Federal. Essa logística deixava o Banco de Olhos dependente da malha aérea (voos) favorável. “Ocorria ainda outro fator negativo: a demora no tempo de ida e retorno desse tecido para fazer o transplante”, disse Joelma.

A doação é feita quando ocorre a morte da massa encefálica e parada do coração.  Córneas doadas de dois pacientes – um de Jaru e outro de Porto Velho – foram transplantadas no dia 24. Durante dez meses, ambos aguardavam esse procedimento.

No entanto, a captação de córneas na capital e no interior ainda deixa a desejar. São poucas e não têm atendido à necessidade do banco. Atualmente, 90 pessoas, grande parte delas moradoras da zona rural e em assentamentos, aguardam na fila para voltar a enxergar, conforme informou a diretora.

“Precisamos nos sensibilizar para esse nobre gesto da doação, e perder o receio de praticá-lo, melhorando uma cultura que proporcionará grande bem ao receptor”, comentou a enfermeira, Eliete Sodré, responsável pela enucleação (retirada de núcleo ou de caroço).

No ano passado, durante simpósio em Cacoal, o Hospital Regional havia feito seis procedimentos de captação de rins e córneas, desde a criação da Comissão Intra-Hospitalar de Doação e Captação de Órgãos.

“Esse número só não é maior porque em muitos casos as famílias se negam a aceitar a captação de órgãos; ao longo de quase três anos houve várias oportunidades de realizar procedimentos de captação de órgãos, mas não foi possível devido à negativa da família”, queixou-se a assistente social, Risany Jacony.

A coordenadora do banco, Adriana Grangel Maldonado Ortega, ressaltou a importância da solidariedade familiar no sentindo de autorizar a doação de órgãos. “É um ato de amor ao próximo”, destacou.

A enfermeira Késia Vaz dos Santos mencionou contraindicações para doadores, explicando que a maioria das pessoas pode doar.

Segundo ela, a Comissão Intra-Hospitalar  de Doação e Captação funciona em Cacoal e Porto Velho.

Para abrir e fechar protocolos, ouvindo famílias de doadores, funcionam no Banco de Olhos do Hospital de Base e a Organização de Procura de Órgãos, cujos integrantes visitam regularmente hospitais.

PODEM SER DOADORES

• Pacientes que tenham miopia, hipermetropia e astigmatismo

• Tenham tido conjuntivite, mas já foram curados

• Usem óculos ou lentes de contato

• Tenham algum câncer que não seja leucemia, linfoma ou câncer no olho

CONTRAINDICAÇÕES

• Linfomas ativos e leucemias

• Hepatites B e/ou C

• HIV (AIDS)

• Infecção generalizada

• Endocardite bacteriana

• Morte de causa desconhecida

• Raiva

• Algumas doenças em atividade como sífilis ativa e leptospirose

Fonte - secom - governo de rondônia

Comentários

Siga-nos:

POLITICA DE PRIVACIDADE

Todos os direitos reservados. © News Rondonia - 2021.