News Rondonia - Noticias de Rondonia, Brasil e o Mundo
Quinta-Feira, 13 de Maio de 2021

Livre

JAPONÊS DA FEDERAL É DESTAQUE NA IMPRENSA FRANCESA

O clima de crise não impede os brasileiros de celebrar e até ironizar, principalmente nos blocos de rua, os problemas enfrentados pelo país, comenta o jornal
Quarta-Feira, 10 de Fevereiro de 2016 - 15:03

O jornal francês Le Monde que chegou às bancas na tarde desta terça-feira (9) traz uma crônica o carnaval desse ano no Brasil, assinada pela correspondente do vespertino em São Paulo. A jornalista explica que, apesar da crise e da epidemia de zika, que quase estragaram a festa, o folião brasileiro não abre mão do bom humor, como mostra o sucesso do “Japonês da Federal”, que virou personagem dos blocos de rua.

Com o título “O carnaval das ilusões perdidas”, a correspondente Claire Gatinois conta aos franceses como, em poucos meses, Newton Ishii deixou de ser um simples policial e se tornou “uma estrela no Brasil”. A jornalista conta que desde que ele foi visto nos telejornais acompanhando os suspeitos de envolvimento no escândalo de corrupção na Petrobras, as pessoas “querem fazer selfies com Ishii, que virou um ídolo nas redes sociais”. A tal ponto que o “mascote da justiça”, como diz o vespertino, se tornou tema de máscaras de Carnaval.

O sucesso do “Japonês da Federal” é usado pela jornalista para falar das particularidades dos festejos de momo este ano no Brasil, descrito como “o carnaval da recessão” pelo jornal espanhol El País, ou “a festa à beira do precipício”, pelo semanário britânico The Economist, citados nas páginas do Le Monde.

“O gigante da América Latina não está em clima de celebração. Desde o início de 2015, mais de 1,5 milhão de pessoas perderam seus empregos, o real despenca, a inflação derrapa, a operação Lava Jato enoja os cidadãos e a presidente Dilma Rousseff é ameaçada de destituição”, resume o vespertino francês. Além disso, continua a jornal, a epidemia do vírus zika terminou de colocar o Brasil em “uma ladeira escorregadia que parece ter começado, simbolicamente, quando a derrota humilhante contra os alemães na Copa do Mundo de 2014”.

Nesse contexto, o carnaval brasileiro, que com o passar dos anos se tornou cada vez mais dependente do dinheiro público e dos patrocinadores foi afetado e várias cidades, “por decência ou obrigação” decidiram anular os festejos para fazer economias. “Como criticar um prefeito que preferiu investir em uma ambulância do que em um carro alegórico?”, questiona Le Monde.

No entanto, esse clima de crise não impede os brasileiros de celebrar e até ironizar, principalmente nos blocos de rua, os problemas enfrentados pelo país, comenta o jornal. O texto lembra que as máscaras de carnaval representando os rostos de Dilma, Lula ou Eduardo Cunha nunca fizeram tanto sucesso. Mas eles perdem, de longe, para a fantasia do “samurai”, a “coqueluche” do carnaval 2016 no Brasil, ironiza a correspondente.

Fonte - RFI

Comentarios

News Polícia

Editoria de Cultura

Editoria Geral

Siga-nos:

POLITICA DE PRIVACIDADE

Todos os direitos reservados. © News Rondonia - 2021.