News Rondonia - Noticias de Rondonia, Brasil e o Mundo
Quarta-Feira, 24 de Fevereiro de 2021

O VALOR EMOCIONAL DOS ALIMENTOS - AMBIENTE ESCOLAR

uma boa alimentação é um valor que deve ser transmitido gradativamente e com amor, como tantos outros.
Quinta-Feira, 22 de Outubro de 2015 - 09:08

A complexa relação entre alimento e mente começa a ser experimentada a partir da concepção do bebê. Durante a gestação são transmitidos, além de nutrientes, sabores, sensações, sentimentos e desejos relacionados aos alimentos. A composição da alimentação da gestante em relação à variedade de sabores, consistências e nutrientes oferece ao feto a oportunidade de já ter contato com essas nuances, o que irá influenciar o comportamento alimentar da criança fora do útero.

Isso enriquece o ato de comer, que inicialmente é direcionado para nossa necessidade primária de sobrevivência, mas que adquire um sentido muito maior conforme nossa própria vida vai se enchendo de tantos outros significados.

Como as crianças estão indo cada vez mais cedo para a escola, atualmente existem muitas dúvidas sobre como tratar esse assunto na vida escolar. Parte-se do princípio que as primeiras sensações que a criança experimenta relacionadas à alimentação após o nascimento acontecem em casa, no ambiente familiar, principalmente no vínculo estabelecido durante a amamentação. Mas há outras fases muito importantes, como o desmame, a introdução de alimentos sólidos, o contato com novos alimentos que, muitas vezes, acabam acontecendo na escola.

Hoje, depois de tanto tempo observando as crianças e suas relações com os alimentos, vejo que ensinar a comer é como ensinar a ser honesto: quem está ensinando tem que viver de acordo com o que ensina, senão a criança fica sem referência sobre o que é ser honesto. Pode parecer uma supervalorização desse tema, mas não é: uma boa alimentação é um valor que deve ser transmitido gradativamente e com amor, como tantos outros.

Por isso, é muito importante que os atores do ambiente escolar assumam o papel de corresponsáveis na formação de indivíduos que estabeleçam relações saudáveis com os alimentos. E isso pode ser promovido não apenas oferecendo alimentos ricos em nutrientes ou através de cardápios funcionais e equilibrados. Esses fatores são muito importantes, mas o principal meio de oferecer condições para que os pequeninos desenvolvam essa habilidade é dar a devida importância ao ato de comer, ou seja:

•Ambiente deve ser confortável, limpo e tranquilo, para que as crianças possam comer cada um no seu tempo e desfrutar do momento da alimentação de forma natural;

•As pessoas responsáveis por servir o alimento devem ser devidamente preparadas e ter discurso compatível com a idade da criança e com o tipo de alimento que está sendo oferecido. As crianças não entendem o que são nutrientes e que eles são importantes para ter saúde. Elas entendem a beleza dos alimentos, as cores, as formas, a consistência, o odor, e isso deve ser levado em conta. Quem oferece o alimento deve acreditar e ver no momento da alimentação uma oportunidade de educar e formar conceitos através da vivência;

•As crianças devem ser envolvidas no preparo dos alimentos juntamente com os colegas e professores. Também é importante envolve-las nas tarefas de limpeza e organização após as refeições para que entendam a dimensão do preparo e consumo dos alimentos;

•Os novos alimentos devem ser experimentados sem cobrança ou pressão, de maneira livre e natural conforme o ritmo e a coragem que cada criança apresenta.

É bem provável que muitos leitores, à primeira vista, considerem complicado ou quase impossível realizar essas ações nas escolas que conhecem ou trabalham. A rotina escolar realmente não é fácil, mas o importante é procurar oportunidades para praticar essas pequenas sugestões.

A escola também pode envolver a família em atividades relacionadas à alimentação, porque muitas vezes os pais ou cuidadores envolvidos em suas atividades diárias podem ter se distanciado de suas próprias relações com os alimentos de forma a não saberem como lidar e contribuir neste aspecto da formação da criança.

Não existe segredo nem cartilha, milagre ou receita que nos ensine a ter uma relação emocional adequada com os alimentos. Essa relação, além de ser construída desde a nossa concepção, passa por nossas experiências cotidianas e sofrerá alterações até o fim de nossas vidas.

Esta relação sendo estabelecida de forma positiva é o passo mais importante para a formação de indivíduos autônomos, que sejam capazes de escolher, na escola e na vida, as melhores opções alimentares entre milhares existentes. E assim, ter saúde deixará de ser uma preocupação e será uma consequência.

Fonte - Fernanda Trigo Costa

Comentarios

News Polícia

Editoria de Cultura

Editoria Geral

Siga-nos:

POLITICA DE PRIVACIDADE

Todos os direitos reservados. © News Rondonia - 2021.