News Rondonia - Noticias de Rondonia, Brasil e o Mundo
Domingo, 28 de Fevereiro de 2021

VACINA CONTRA MENINGITE B É IMPORTANTE, MAS NÃO HÁ MOTIVO PARA PÂNICO

Taxa de letalidade chega a 20%; no Brasil há cerca de 200 casos por ano
Sexta-Feira, 25 de Setembro de 2015 - 09:59

Depois da divulgação da morte de um bebê inglês de 11 meses por meningite B, apenas 30 horas após a manifestação dos primeiros sintomas da doença, mães e pais brasileiros entraram em pânico e manifestaram dúvidas sobre a necessidade de vacinação de seus filhos.

Até porque, a vacina — que só foi disponibilizada na rede privada desde sua chegada ao Brasil, no início de 2015 — está em falta atualmente, o que aumenta ainda mais a preocupação das famílias.

Para o infectologista Marco Aurélio Sáfadi, não há motivo para desespero. Um novo lote da vacina deve ser disponibilizado já em dezembro, e, mesmo com relatos de desfechos graves em casos de crianças infectadas, os pais podem buscar com calma a imunização.

— Não há motivo para sair correndo. É uma doença grave, mas de ocorrência rara. Não há uma epidemia no Brasil, e não há sequer aumento no número de casos. Temos, no momento, o mesmo número que tínhamos a 10 ou 15 anos atrás.

A meningite é uma inflamação das membranas que envolvem o cérebro — as meninges. Existem diversos tipos da doença, divididas em virais e bacterianas. A meningite tipo B, que tirou a vida de Alex Patterson em abril deste ano, na Inglaterra, é um grupo relativamente raro aqui no Brasil.

Sáfadi explica que há, no País, uma média de 100 a 200 casos por ano, enquanto a forma mais frequente de meningite continua sendo a tipo C, que pode ser evitada com vacina disponível na rede pública de saúde.

— A meningite tipo B não é prioridade de imunização, mas é importante. Sua taxa de letalidade é de 10% a 20%, o que significa que uma a cada dez crianças acabam morrendo. Dos que sobrevivem, também 10% a 20% ficam com algum tipo de sequela potencialmente grave. São sequelas basicamente neurológicas, e também perda auditiva, visual e amputação de membros.

Estes fatores já seriam suficientes para justificar uma atenção maior ao assunto, mas vale lembrar também que outro ponto delicado da meningite B é a sua evolução rápida. São comuns casos em que, em menos de um dia de sintomas, a criança já precisa do suporte de uma internação na UTI.

No caso de Alex Patterson, por exemplo, apenas 30 horas após o surgimento dos primeiros sintomas — vômitos e manchas vermelhas na pele —, o bebê, infelizmente, veio a óbito.

Licenciada em 2015 no Brasil, a vacina contra a meningite B tem indicação para pacientes a partir dos dois meses de idade, até os 50 anos, como explica Sáfadi.

— É uma doença que tem comportamento epidemiológico conhecido, e pega mais crianças pequenas, no grupo abaixo dos dois anos de idade. No entanto, há casos em todas as faixas etárias, e temos vacinado de rotina todas as crianças até os adolescentes.

Fonte - r7

Comentarios

News Polícia

Editoria de Cultura

Editoria Geral

Siga-nos:

POLITICA DE PRIVACIDADE

Todos os direitos reservados. © News Rondonia - 2021.