News Rondonia - Noticias de Rondonia, Brasil e o Mundo
Sexta-Feira, 05 de Março de 2021

MENINAS QUE TOMARAM 1ª DOSE DA VACINA CONTRA HPV DEVEM PROCURAR POSTOS DE SAÚDE PARA REFORÇO

— O ideal é que as meninas sejam vacinadas o mais precocemente possível, antes da atividade sexual. Quanto mais novo, melhor a resposta imune.
Sexta-Feira, 11 de Setembro de 2015 - 08:21

Meninas entre 9 e 11 anos de idade que já tomaram a primeira dose da vacina contra o HPV (papiloma vírus humano) devem retornar aos postos de saúde para receber a segunda dose. O imunizante protege contra dois subtipos de HPV, doença responsável por 70% dos casos de câncer do colo do útero e a terceira causa de morte de mulheres no Brasil.

A vacina contra HPV está disponível nas 36 mil salas de vacinação espalhadas pelo país durante o ano inteiro. As vacinas tanto da primeira como a segunda dose estão disponíveis nos postos de saúde do País para durante todo o ano para meninas entre 9 e 13 anos. O esquema padrão é de três doses. A segunda deve ser tomada seis meses após a primeira e a terceira depois de 60 meses. Além delas, podem receber gratuitamente todas as mulheres que tenham HIV entre 9 e 26 anos.

De acordo com dados do Ministério da Saúde, até agosto, apenas 50,4% do público-alvo, formado por 4,9 milhões de meninas nessa faixa-etária foram vacinadas. Em 2014, quando a vacina foi disponibilizada no SUS (Sistema Único de Saúde), 100% do público estimado foi vacinado com a primeira dose, alcançando cinco milhões de meninas de 11 a 13 anos. Porém, só 3 milhões destas meninas procuraram uma unidade de saúde para tomar a segunda dose, o que representa 60%.

Em coletiva de imprensa realizada nesta quinta-feira (9) para apresentar mobilização nacional para a vacinação contra o HPV, o ministro da Saúde, Arthur Chioro, chamou atenção para a importância da imunização.

— Apesar do grande sucesso obtido na cobertura vacinal em 2014, neste ano os números ficaram abaixo do esperado. Por isso, o Ministério da Saúde convoca os pais, responsáveis, gestores locais, professores e toda a sociedade para divulgar a informação de que a vacina é segura e eficaz.

Segundo Chioro, além de todas as medidas tradicionais de prevenção do câncer de colo do útero — que não devem ser deixadas de lado – com a vacina, “o Brasil tem a possibilidade de escrever uma nova história na geração futura das mulheres livres do câncer do colo do útero”.

O ministro citou países que implantaram a vacina há, pelo menos quatro anos, com resultados impactantes.

— Nos Estados Unidos, por exemplo, houve 68% de redução nos casos de HPV dos subtipos 16 e 18, que são responsáveis pelo câncer do colo do útero. Já na Austrália, que implantou a vacina em 2007, os casos de verrugas genitais reduziram de 18,4% para 1,1% nas mulheres de até 21 anos. Esses são exemplos de que a vacina é segura e pode mudar a saúde das próximas gerações de mulheres.

De acordo com a presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações, Isabella Ballalai, “vacinar as meninas de nove anos não vai apresentar resultado imediato, mas será muito importante daqui a 20 ou 30 anos”.

Isabela explicou que eventos adversos são comuns em qualquer vacina e não devem ser um impeditivo para a proteção das meninas.

— Ela é totalmente segura e está licenciada no mundo desde 2006.

Veja o que causa o HPV

O vírus do HPV é transmitido por meio do contato sexual e responsável pela quase totalidade dos casos de câncer de colo do útero. Segundo o Inca (Instituto Nacional do Câncer), esse é o terceiro tumor mais frequente na população feminina, atrás do câncer de mama, e a terceira causa de morte de mulheres por câncer no Brasil, atrás do câncer de mama e pulmão. No País, 15 mil novos casos do câncer de colo de útero até o fim de 2015.

A vacina disponível no SUS (Sistema Único de Saúde) é quadrivalente, ou seja, ela protege contra os tipos 6, 11, 16 e 18. Os tipos 16 e 18 são responsáveis por 70% dos cânceres de colo de útero e 90% das verrugas genitais, explica Gabriel Oselka, professor da FMUSP (Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo).

— O ideal é que as meninas sejam vacinadas o mais precocemente possível, antes da atividade sexual. Quanto mais novo, melhor a resposta imune.

Fonte - r7

Comentarios

News Polícia

Editoria de Cultura

Editoria Geral

Siga-nos:

POLITICA DE PRIVACIDADE

Todos os direitos reservados. © News Rondonia - 2021.