News Rondonia - Noticias de Rondonia, Brasil e o Mundo
Quinta-Feira, 21 de Janeiro de 2021

LENHA NA FOGUEIRA: FLOR DO MARACUJÁ

Por aí você tira o quanto eles (da Secel) estão preocupados com a nossa cultura. Os caras não tiveram a coragem de pesquisar, basta consultar o ‘seu’ Google que encontra toda a história nos seus mínimos detalhes. ‘putaqueosp’árius’ e olha que a gente faz parte da equipe de comunicação da pasta.
Quarta-Feira, 01 de Julho de 2015 - 11:06

Hoje começa o Arraial Flor do Maracujá e com ele a XXXIV Mostra de Quadrilhas e Bois Bumbás.


O interessante foi que abri o face da Secel e lá, alguém postou uma história que não tem nada a ver com o Flor do Maracujá. A pessoa que postou o texto até que tentou contar a origem da festa folclórica, mas, errou ao colocar que o Flor começou quando Rondônia ainda era Território. Isso ta lá no Face da Superintendência de Cultura do Estado de Rondônia.


Por aí você tira o quanto eles (da Secel) estão preocupados com a nossa cultura. Os caras não tiveram a coragem de pesquisar, basta consultar o ‘seu’ Google que encontra toda a história nos seus mínimos detalhes. ‘putaqueosp’árius’ e olha que a gente faz parte da equipe de comunicação da pasta.

Só que ninguém me consultou sobre o assunto e nem precisava, bastava consultar a professora Nazaré Silva que trabalha lá ou a Diretora Administrativa Bebel e pronto.


Para que nossos leitores não fiquem sem a verdadeira história da Mostra de Quadrilhas e Bois Bumbás que acontece desde 1983 no Arraial Flor do Maracujá. Eis um breve relato:


A 1ª Mostra de Quadrilhas e Bois Bumbás aconteceu em 1982 na quadra de esportes do colégio Rio Branco.


Sob a coordenação da Secretaria de Cultura, Esporte e Turismo – Secet. Os coordenadores da festa viram que a quadra ficou pequena para abrigar o evento e no ano seguinte, 1983 procuraram outro espaço para montar a Mostra.


Acontece que a professora Nazaré Silva à época era presidente da Associação dos Funcionários da Secet e iria realizar o Arraial da Associação ao Lado do Claudio Coutinho, vendo a dificuldade da equipe responsável pela realização da Mostra, fez a seguinte proposta.


“Você conseguem a estrutura do meu Arraial e a gente realiza a Mostra de Quadrilha e Bois Bumbás juntos. Proposta aceita, só que faltava um nome para o evento que agora passaria a acontecer num Arraial.


Saíram pesquisando um nome, os funcionários da Secet, José Monteiro, Flávio Carneiro e João Zoghbi. Mal tinham chegado ao Mercado Municipal (hoje Cultural), ficaram sabendo que há alguns anos havia uma Quadrilha cujo terreiro de apresentação ficava no Km 1 da Estrada de Ferro Madeira Mamoré e que em virtude de um Pé de Maracujá que tinha como latada a cerca do quintal da casa onde a quadrilha dançava e que as “damas” usavam como enfeite no cabelo, a “Flor do Maracujá” e que por isso, a quadrilha ficou conhecida como “Quadrilha da Flor do Maracujá”, resolveram diante de tão pitoresca história, denominar o evento da Associação dos Funcionários da Secet de “Arraial Flor do Maracujá”. Isso foi no ano de 1983.


Depois a Mostra foi para o quadrilátero formado pelas ruas José Camacho, Álvaro Mais, Farquar e Presidente Dutra local que por muito tempo, também ficou conhecido como Flor do Maracujá no bairro Pedrinhas.


Em 2004 e 2005 foi no Parque dos Tanques (Expovel), em 2006 voltou para as Pedrinhas em 2012 foi no terreno da Sabenauto com entrada pela avenida dos Imigrantes (Costa e Silva); Voltou para a Expovel e em 2014 foi realizado no Bairro Esperança da Comunidade e este ano volta para o Parque dos Tanques.


São 34 anos sem que o governo crie um espaço definitivo para a realização da maior festa folclórica da região Norte.


Essa é a história!


Por tudo isso e principalmente em respeito aos grupos folclóricos, convido todos a prestigiar a 34ª edição da Mostra de Quadrilha e Bois Bumbás que mais uma vez, vai acontecer no Arraial Flor do Maracujá! 

Fonte - Zé Katraca

Comentarios

News Polícia

Editoria de Cultura

Editoria Geral

Siga-nos:

POLÍTICA PRIVACIDADE

Todos os direitos reservados. © News Rondônia - 2020.