TERAPIA COMUNIT罵IA MOBILIZA PARTICIPANTES DE EVENTO ANTIDROGAS, EM PVH

"A viv阯cia terap陁tica trouxe para mim muitas surpresas, destacou uma educadora de S鉶 Miguel do Guapor.
Quinta-Feira, 25 de Junho de 2015 - 11:40

O evento da Superintendência da Paz e das Secretarias da Educação e da Saúde que está sendo realizado na Zona Leste  da capital rondoniense,  que aborda medidas para o Enfrentamento ao Uso Indevido de Álcool e Outras Drogas  trouxe a Porto Velho o professor Adalberto Barreto,  criador da Terapia Comunitária Sistêmica Integrativa, que desenvolveu a sua maior roda de terapia na tarde de terça-feira (23) com a participação de mais de 500 pessoas.

Doutor em Psiquiatria e em Antropologia entre outras especialidades, Adalberto  Barreto promove cursos, palestras e é o responsável pela implantação da Terapia Comunitária em uma favela de Fortaleza (CE) há 28 anos.  Segundo seu relato, ele iniciou a terapia comunitária a partir de uma necessidade de moradores da periferia de Fortaleza, e  junto com a comunidade descobriu que as maiores dores  que as pessoas sentiam não eram causadas por doença, mas pelo sofrimento. A partir dai reuniu o seu saber acadêmico com o saber dos integrantes  da comunidade e iniciou um trabalho que tem apresentado resultados de excelente qualidade e virou até disciplina dos  cursos de graduação e especialização na Universidade Federal do Ceará.

No evento rondoniense, ele fez uma vivência da Terapia Comunitária que envolveu os mais de 500 participantes que aguardaram o encerramento das atividades do dia. Explicou a simplicidade da  metodologia utilizada  e os efeitos que causam aos participantes. O tema proposto por uma orientadora educacional de Jaru e aprovado por maioria, foi a respeito de mães que não suportando mais o envolvimento de filhos menores com as drogas e o péssimo desenvolvimento escolar, preferem agir como Pilatos, lavando as mãos e abandonado os filhos. “Elas dão os filhos por perdidos e dizem que não se importam mais; isso é muito triste e mostra a minha impotência como profissional quando não posso fazer nada”, explicou a educadora.

Para o professor, são esses tipos de sofrimento para os quais não há medicação que cure, a não ser o falar, o compartilhar e a terapia, prima por isso, o ouvir,   partilhar e refletir sem críticas.  “A vivência terapêutica trouxe para mim muitas surpresas”, destacou uma educadora de São Miguel do Guaporé.  Segundo ela, o “ dia do evento de combate a drogas foi extraordinário”.

Além do psiquiatra, a tarde de terça-feira teve também a participação da psicóloga Sâmia Abreu, da Coordenação Geral de Saúde Mental e outras Doenças do Ministério da Saúde, que falou sobre projetos do Ministério para o atendimento a grupos que ainda não são usuários de álcool ou outras drogas mas que convivem diretamente com estas pessoas e como podem ser protegidas para não assimilarem o uso. E a secretária de Educação de Curitiba, que trouxe experiências aplicadas na capital paranaense no combate ao uso  e prevenção ao álcool e outras drogas.

Fonte - DECOM

Comentários

News Pol韈ia

Editoria de Cultura

Editoria Geral

Siga-nos:

POLÍTICA PRIVACIDADE

Todos os direitos reservados. © News Rondônia - 2020.