APROVADA A EMANCIPAÇÃO PENAL A PARTIR DE 16 ANOS PARA CRIMES HEDIONDOS. PROPOSTA É DE MARCOS ROGÉRIO, ACATADA PELO RELATOR DA PEC

Marcos propôs que fosse feita uma adequação da proposta de emenda à Constituição Federal, permitindo a emancipação penal a partir de 16 anos para quem cometer crimes hediondos ou dolosos contra a vida, como homicídio e latrocínio.
Quinta-Feira, 18 de Junho de 2015 - 08:46

O relatório da PEC 171/93, do deputado Laerte Bessa (PR-DF), aprovado nesta quarta-feira (17) pela Comissão Especial da Câmara, seguiu sugestão do deputado Marcos Rogério (PDT-RO), exposto ontem, aos ministros da Justiça, José Eduardo Cardozo, e da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Pepe Vargas, durante a audiência da Comissão de Direitos Humanos.

Marcos propôs que fosse feita uma adequação da proposta de emenda à Constituição Federal, permitindo a emancipação penal a partir de 16 anos para quem cometer crimes hediondos ou dolosos contra a vida, como homicídio e latrocínio.

A mesma sugestão foi apresentada pelo PSDB. O relator acatou as sugestões e o texto foi aprovado com um placar elástico, por 21 votos favoráveis e 6 contrários.

O deputado explicou que a mudança atende um clamor da sociedade e representa um meio termo. "Não se trata de reduzir, mas de garantir que aquele que cometer um crime grave, a parir dos 16 anos será penalmente punido" destacou.

Para Marcos Rogerio, a sociedade entende que o jovem é ciente de seus direitos e deveres e que, desta forma, está pronto para arcar com as consequências.

“Com 16 e 17 anos, o jovem já pode ser votado, ser candidato a vereador, trabalhar com carteira assinada e casar. Não pode responder pelos crimes que comete? Prefiro a reclamação de quem vai sofrer as consequências por um crime que cometeu, ao choro de mães, esposas e pais que perderam inocentes para violência destes criminosos”, destacou.

Fonte - assessoria

Comentários

News Polícia

Editoria de Cultura

Editoria Geral

Siga-nos:

POLÍTICA PRIVACIDADE

Todos os direitos reservados. © News Rondônia - 2020.